Masculinidade, sexualidade e estupro: as construções da virilidade

  • Lia Zanotta Machado Universidade de Brasília
Palavras-chave: Masculinidade. Sexualidade. Gênero. Estupro. Erotismo. Violência

Resumo

Resumo

 

O ensaio trata de modalidades de construção da virilidade. Tem como referência falas de prisioneiros sentenciados por estupro. A pesquisa revela que as suas representações oscilam entre a atribuição do qualificativo de monstruosidade e sua caracterização como o mais banal ato de relações sexuais entre homens e mulheres. O transformismo dos sentidos culturais em torno da idéia de estupro é um dos pontos centrais deste artigo. As representações do estupro levam a caracterizá-lo como um forte núcleo do “imaginário da sexualidade de gênero”, que distingue radicalmente os lugares do masculino e do feminino. O estupro representa a reafirmação do caráter sacrificial dos corpos das mulheres.

 

Abstract

 

This essay deals with different modalities of virility construction. It has, as its main grounds for consideration, interviews with prisoners who have been guilty of sexual assault. The research reveals that their representations of it may vary from receiving the adjective “monstrosity” to being treated as the most common sexual act between a man and a woman. The reversions of the cultural senses around the idea of rape is one of the main foci of the article. The representation of rape leads us to an “imaginary of gender sexuality”, which distinguishes radically the place of the masculine and the feminine. Moreover, it reaffirms the sacrificial character of women’s bodies.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia Zanotta Machado, Universidade de Brasília
Graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1967), mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1979) e doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1980). Atualmente é Professora Titular de Antropologia da Universidade de Brasília. É membro do grupo assessor internacional da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e Coordenadora área de antropologia junto a CAPES. Ex-Conselheira do Conselho Nacional dos Diretos das Mulher e ex-membro de comitê de monitoramento da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, ex Vice Presidente da Associação Brasileira de Antropologia . Foi Professora Visitante da Universidade de Columbia na Cátedra Ruth Cardoso (2009-2010).Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Teoria Antropológica, atuando principalmente nos seguintes temas: violência contra a mulher, saúde e direitos reprodutivos, violencia domestica, gênero e família, antropologia do gênero, antropologia das políticas públicas de saúde e segurança, práticas jurídicas, e relações entre Estado e movimentos sociais no Brasil e América Latina.

Referências

ALMEIDA, Angela. O Gosto do Pecado. Rio de Janeiro, Rocco, 1993.

ARAGÃO, L. T. Em Nome da Mãe. Perspectivas Antropológicas da Mulher, Rio de Janeiro, Zahar, 1986

ARDAILLON, D. e DERBRET, Guita. Quando a Vítima é a Mulher. Brasília, Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, 1987.

ARIÉS, Philippe. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.

BANDEIRA, Lourdes. O Pastor, Pai e Avô. In: SUAREZ e BANDEIRA. Gênero e Criminalidade no Distrito Federal. Ed. Paralelo 15, 1998 (no prelo).

BATAILLE, Georges. O Erotismo. Porto Alegre, L&PM, 1989.

BROWN, Peter. Corpo e Sociedade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1990 e ARIÉS, Philippe e BEJIN, André. (orgs.) Sexualidades Ocidentais. São Paulo, Brasiliense, 1986.

DUMONT, Louis. Homo Aequalis. Paris, Gallimard, 1977

Homo Hieraquicus. Paris, Gallimard, 1966.

GIDDENS, A. The Transformation of Intimacy. Cambridge, Polity Press, 1992

LASCH,C. The Culture of Narcissism. NewYork, Warner Books, 1979

LIPOVETSKY, Gilles. A Era do Vazio. Lisboa, Relógio d’Água Editores, 1989.

MACHADO, Lia. Família, Honra e Individualismo. Anuário Antropológico/85, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1985.

Modernity and Self-Identity. Cambridge, Polity Press, 1991.

PERISTIANY (ed.). Honour and Shame. Chicago, University of Chicago Press, 1970

ROSANVALLON, Pierre. Le Capitalisme Utopiqu. Paris, Ed. du Seuil, 1979.

SENNET, R. Les Tyrannies de l’Intimité. Paris, Ed. du Seuil, 1979

SUAREZ, Mireya, SILVA, Ana Paula, FRANÇA, Danielli e WEBER, Renata. Reflexões sobre a Noção de Crime Sexual. Série Antropológica, Brasília, Universidade de Brasília, 1995.

TEMKIN, Jennifer. Mulheres, Estupro e Reforma Legal. In: TOMASELLI, Sylvana e PORTER, Roy. [orgs.] Estupro. Rio de Janeiro, Fundo Ed., 1992

TOMASELLI, Sylvana e PORTER, Roy. (orgs.) Estupro. Rio de Janeiro, Fundo Ed., 1992

VOGELMAN, Lloyd. The Sexual Face of Violence. Johannesburg, Ravan Press, 1991.

WELZER-LANG, Daniel. Le Viol au Masculin. Paris, Ed. L’Haarmattan, 1988.

Publicado
2013-01-01
Como Citar
Machado, L. Z. (2013). Masculinidade, sexualidade e estupro: as construções da virilidade. Cadernos Pagu, (11), 231-273. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634634