Uma narrativa testemunhal: as memórias de Anna Ribeiro

Autores

  • Nancy Rita Vieira Fontes Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

Memórias. Literatura brasileira. Imagens de mulheres

Resumo

Resumo

 

Objetiva-se demarcar a posição das memórias dentro do cânone literário, assim como registrar a importância desse tipo de produção como uma das formas de as mulheres estabelecerem sua incorporação à literatura, sem que precisassem promover um abalo na chamada grande literatura produzida por homens, uma vez que se situam à margem do cânone oficial, aliás, possível para seres marginalizados pela cultura hegemônica. Além dessa discussão teórica, faz-se o estudo da comparativo entre essa discussão e as memórias de Anna Ribeiro

 

Abstract

 

This article discusses the position of memories in the literary cannon, registering the importance of this kind of literary production as a way women used to participate as writers without trespassing the male province of great literatute. This discussion is applied to the memories of Anna Ribeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nancy Rita Vieira Fontes, Universidade Federal da Bahia

Mestranda em Literatura Brasileira da Universidade Federal da Bahia e especialista em Língua Brasileira pela UFBa.

Referências

A Paladina e A VOZ da Liga Católica das Senhoras Baianas.

A voz do veto

BARREIRA, Cecília. História das nossas avós: retrato da burguesia em Lisboa. 2ª ed. Lisboa, Colibri, 1994, pp.158-9. Coleção Sociedade e Quotidiano.

BITTENCOURT, Anna Ribeiro de Goes. Letícia. Romance original, Salvador, Tipografia e Encadernação Reis, 1906, p.5.

BITTENCOURT, Anna Ribeiro de Goes. Longo serões do campo. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1992, vol. 1, p.10.

BITTENCOURT, Anna Ribeiro de Goes. O feminismo. A Paladina, Bahia, Tipografia Beneditina, nº 7, jul. 1911, p.3.

CASTRO, Dinorah. A mulher submissa. Teses da Faculdade de Medicina da Bahia no século XIX. Salvador, Press Color, 1996, 220p.

DUBY, Georges e PERROT, Michelle. História das mulheres no Ocidente. In: FRAISSE, Geneviève, PERROT, Michelle (dir.) O século XIX. Porto, Afrontamento, 1991, p.216. Tradução: Claúdia Gonçalves e Egito Gonçalves.

FERREIRA, Marieta de Moraes. Comentários sobre Longos serões do campo. Arquivo de Anna Ribeiro de Goes Bittencourt, Biblioteca da Fundação Clemente Mariani, p.2.

FLAX, Jane. PósModernismo e relações de gênero na teoria feminista. Tradução: Carlos A. de C. Moreno. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque. (org.) Pós-Modernismo e política. 2ª ed. Rio de Janeiro, Rocco, 1991, p.229.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mocambos: decadência do patriarcado rural no Brasil. São Paulo, Nacional, 1936, p.154, ed. ilustrada. Biblioteca Pedagógica Brasileira, vol. 64.

HUTCHEON, Linda. O sujeito na/da/para a história e sua estória. In: Poética do PósModernismo. Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil, 1995, p.219.

LEMAIRE, Ria. As cantigas que a gente canta, os amores que a gente quer: o papel da mulher na passagem da tradição oral à escrita. Boletim do GT da ANPOLL – A Mulher na Literatura, Belo Horizonte, UFMG, nº 3, 1990, pp.13-33.

Longos serões do campo, publicado pela sua bisneta, Maria Clara Mariani Bittencourt, em 1992.

MATTOSO, Kátia Queirós. (org.) Anna Ribeiro de Goes Bittencourt, Longos serões do campo. Cahiers du Brésil Contemporaine: da la Vieille République à L’Etat Nouveau, Paris, nº 19, set. 1992, pp.109- 114.

MIRANDA, Wander Melo. Corpos escritos; Graciliano Ramos e Silviano Santiago. São Paulo/Belo Horizonte, Editora da Universidade de São Paulo/Editora da Universidade Federal de Minas Gerais, 1992, pp.17-41.

MUZART, Zahidé L. Artimanhas nas entrelinhas: leitura do paratexto das escritoras do século XIX. In: FUNCK, Susana B. (org.) Trocando idéias sobre a mulher e a literatura. Florianópolis, UFSC, 1994, pp.261-269.

PAIVA, Aparecida. A voz do veto: a censura católica à leitura dos romances. Belo Horizonte, Autêntica, 1997, 190p.

PEDRO, Joana Maria. Mulheres – século XIX. In: Seminários de Estudos sobre a mulher, 30 de novembro a 2 de dezembro de 1994, Florianópolis; Anais... Fazendo Gênero. Ponta Grossa, Centro de Publicações da Universidade Estadual de Ponta Grossa, pp.73-76.

REIS, Lívia de Freitas. Autobiografia, testemunho e ficção: uma relação delicada. Boletim do GT da ANPOLL – A Mulher na Literatura, Rio Grande do Norte, ANPOLL, João Pessoa, nº 6, jun. 1996, pp.173-185.

REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, José Luís. (org.) Palavras da crítica; tendências e conceitos no estudo da literatura. Rio de Janeiro, Imago, 1992, pp.65-92.

ROCHA, Carlos Eduardo da. Anna Ribeiro de Goes Bittencourt, a primeira romancista baiana. Revista da Academia de Letras da Bahia, Salvador, nº 37, mar. 1991, pp.63-77.

STEPHAN, Beatriz González. Culturas subalternas: crítica literaria no-androcéntrica. Iberoamericana, nºs 2/3, 1991, pp.93-107.

STEPHAN, Beatriz González. Culturas subalternas: crítica literária noandrocentrica. Iberoamericana, nº 15, 1991, pp.98-99.

TRINDADE, Mauro. Raro tesouro da província. Jornal do Brasil, 19 set. 1992.

Downloads

Publicado

2013-01-01

Como Citar

Fontes, N. R. V. (2013). Uma narrativa testemunhal: as memórias de Anna Ribeiro. Cadernos Pagu, (11), 389–418. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634640