Banner Portal
Revendo a história da enfermagem em São Paulo (1890-1920)
PDF

Palavras-chave

História da enfermagem. História de São Paulo. Gênero

Como Citar

LÚCIA DE BARROS MOTT, Maria. Revendo a história da enfermagem em São Paulo (1890-1920). Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 13, p. 327–355, 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635331. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Este artigo analisa as influências, os marcos e as crenças que ajudaram a construir o perfil que a enfermagem adquiriu ao longo do século XX. Discute uma afirmação recorrente na bibliografia sobre a História da Enfermagem no Brasil, de que esta seria uma profissão feminina “desde sempre”, dado o cuidar (da família, dos doentes, das crianças, etc.) ser um papel desempenhado tradicionalmente pelas mulheres, uma extensão das atividades domésticas. A pesquisa com diferentes tipos de documentos em arquivos paulistas indica, no entanto, que até o final do século XIX, a enfermagem era uma profissão exercida por homens e mulheres. A mudança do perfil profissional se dá na virada do século, num momento histórico preciso, com o advento da “enfermagem moderna”, profissional, quando começam a ser criados os primeiros cursos de enfermagem em São Paulo.

Abstract

This article analyzes the influences, traits and beliefs that helped to build up the profile that nursing acquired in Brazil in the twentieth century. It discusses the idea, prevalent in the bibliography on nursing in Brazil, that nursing, from its roots, was a feminine profession, since care-taking (of the family, patients, children, etc.) was traditionally a role carried out by women, as an extension of
domestic life. The historical research in São Paulo archives however, shows, instead that until the end of the 19th century, nursing was practiced by men as well as by women. Nursing became a female profession only at the turn of the century, with the rise of so-called "modern nursing", when formal training for
nurses was introduced and the first nursing schools in São Paulo were founded.

PDF

Referências

ALMEIDA, Francisco Martins. Primeiro Relatório sobre a Santa Casa de São Paulo, 1874-1875. São Paulo, Tip. Jorge Seckler, 1876.

AMARAL, Moisés. A profissão de enfermeira. Necessidade de difundir o seu ensino. Revista Médica de São Paulo 9 (5), março de 1906.

ANTUNES, José Leopoldo Ferreira Antunes. Hospital – instituição e História Social. São Paulo, Letras & Letras, 1991.

Atas da Diretoria, 05/11/1896, 10/12/1896, e 06/10/1897. Hospital Samaritano.

Atas da Diretoria, 09/06/1897, Hospital Samaritano.

Atas da diretoria, 19/12/1908, Maternidade São Paulo.

Atas da Diretoria, 21/07/1911 e 29/09/1911, Maternidade São Paulo.

Atas da Reunião da Diretoria – 1895-1936. Hospital Samaritano.

BLUNDEM, Katherine. Le travail et la vertu: femmes au foyer: une mystification de la Révolution Industrielle. Payot, Paris, 1982.

Boletim de Medicina e Cirurgia de São Paulo 2 (6), agosto de 1919, pp.121-124; Arquivo de Medicina e Cirurgia de São Paulo 3 (1 e 2), jan./fev. 1912, p.14.

CARNEIRO, Glauco. O poder da Misericórdia. A Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. São Paulo, Press Grafic, 1986, 1º vol., pp. 451 e 465.

CARVALHO, Amália Corrêa de. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Resumo Histórico (1942-1980). São Paulo, USP, 1980, pp.20-21.

CARVALHO, Amália Corrêa de. Histórico da Escola de Enfermagem “Lauriston Job Lane”. Revista Brasileira de Enfermagem (2,3), abril-junho de 1968, pp.151-156.

Crônicas e Notícias. Brasil Médico (30), 09/12/1916, p.400.

Curso de Enfermeiras da Policlínica do Botafogo. Arquivos Brasileiros de Medicina (9)8, agosto de 1919, pp.683-684.

FERNANDES, Paula Porta S. (coord.) Guia de Documentos Históricos na cidade de São Paulo (1554-1954). São Paulo, Hucitec/Neps, 1998.

FRANCO, A. L. Relatório apresentado à (...) Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (...) 1918. São Paulo, Casa Espíndola, 1918, p.50.

GOUBERT, Pierre. Iniciation à une nouvelle histoire de la médicine. Paris, Ellipses, 1997.

KNIBIEHLER, Y. et FOUQUET, C. La femme et les médecins. Paris, Hachette, 1982.

KRAMPIZ, Sidney. The Yale experimente: innovation in Nursing. In: MAGGS, Christopher J. (org.) The Nursing History: the state of the art. London, Croom Helm, 1987, pp.602-73.

LERNER, Gerda. The lady and the mill.Changes in the of women in the age of Jackson (1800-1840). Midcontinent American Studies Journal (10), spring 1969, pp.5-14.

MAGGS, Christopher J. The origins of general nursing. New Hampshire, Croom Helm, 1985, pp.102-133.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: NOVAIS, Fernando e SEVCENKO, Nicolau. História da Vida Privada no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1998, pp.131-214, vol.3.

MOREIRA, A. Escola de Enfermagem Alfredo Pinto – 100 anos de História. Dissertação de Mestrado, Escola de Enfermagem Alfredo Pinto, Universidade do Rio de Janeiro-UNIRIO, 1990.

MORSE, Richard. Formação Histórica de São Paulo. São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1970.

MOURA, Tomé Afonso Paraíso. Algumas considerações acerca dos Hospitais. Tese defendida na Faculdade de Medicina da Bahia. Salvador, 1852, p.20.

NOBRE, Antonio de Góes. Esboço Histórico da Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência em São Paulo. São Paulo, Cia. Paulista de Papéis de Artes Gráficas, 1920, 1º vol.

Notícias. Revista Médica de São Paulo 12 (6), 15/3/1909, p.107

O Estado de S.Paulo, 09/10/1912.

O’BRIEN, Patrícia. All a woman’s life can bring: the domestic roots of nursing in Philadelphia, 1830-1885. Nursing Research 36 (1), jan/fev. 1987.

PASSOS, Eduardo Martins. A maternidade de São Paulo na História da Obstetrícia Paulista. Anais da Maternidade São Paulo (6), 1960/61, p.40.

POSSOLO, Adolfo. Curso de enfermeiros. Rio de Janeiro, Leite Ribeiro & Maurillo, 1920, pp.5-6.

QUEIROZ, F. A. S. Relatório apresentado à (...) Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (...) 1915. São Paulo, Casa Espíndola, 1915, pp.55-56.

QUEIROZ, Francisco A. S. Relatório apresentado à (...) Irmandade da Santa Casa de Misericórdia (...) 1906. São Paulo, Espíndola, 1906.

Regulamento interno do Hospital Samaritano. São Paulo, Duprat & Comp., 1907.

Relatório apresentado à (...) Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (...) 1916. São Paulo, Casa Espíndola, 1916, p.49.

Relatório apresentado à (...) Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo (...) 1917. São Paulo, Casa Espíndola, 1917, p.50.

Relatórios da Diretoria, 1904 a 1942, Atas das Reuniões da Diretoria, 1895-1936, Livros da Assembléia Geral, 1890-1904, Livro de Cópias das Correspondências, 1893-1915.

Revista Médica de São Paulo 12 (6), 15/3/1909, p.107; PASSOS, Eduardo Martins. A maternidade de São Paulo na História da Obstetrícia Paulista. Anais da Maternidade São Paulo (6), 1960/61, p.40.

Revista Médica de São Paulo, 13 (15), Santa Casa de Misericórdia, 15/8/1910, pp.277-280.

Revista Penelope – pour l´histoire de femmes. La femme soignante, nº 5, automne 1981.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. História sem fim... inventário da Saúde Pública. São Paulo, UNESP, 1993.

SALLES, Maria do Rosário Rolfsen. Médicos Italianos em São Paulo. São Paulo, Sumaré/FAPESP, 1997;

Santa Casa de Misericórdia. Regulamento do Serviço Sanitário. Revista Médica de São Paulo 17 (8), abril 1914, p.130.

SANTOS, Getúlio F. dos. Livro do Enfermeiro e da Enfermeira para dos que se destinam à profissão e das pessoas que cuidam dos enfermos. Rio de Janeiro, Tip. Jornal do Comércio, 1916, pp.11-12.

SCHPUN, Mônica Raisa. Les Années Folles à São Paulo. Hommes et Femmes au temps de léxplosion urbains (1920-1929). Paris, Harmattan, 1997.

Downloads

Não há dados estatísticos.