Limites simbólicos corporais na prostituição feminina

Autores

  • Elisiane Pasini Themis - Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero

Palavras-chave:

Prostituição. Garotas de programa. Gênero. Corpo. Sexualidade

Resumo

A partir de minha pesquisa, realizada na rua Augusta, São Paulo, entre 1998 e 1999, este artigo propõe uma reflexão sobre a maneira como as garotas de programa operam os limites simbólicos corporais na prática da prostituição feminina, analisando as relações sociais que essas garotas estabelecem com suas/seus parceiras/os e com os clientes.

Abstract

Based on my research in rua Augusta, São Paulo, in 1998-99, this article analyses the social relations garotas de promama establish with their partners and clients, reflecting on the manner those women operate corporeal symbolic limits in the practice of female prostitution.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisiane Pasini, Themis - Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero

Coordenadora geral - Themis - Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero

Referências

BARNES, J. A. Redes Sociais e Processo Político. In: BIANCO, Bela. (org.) Antropologia das Sociedades Contemporâneas: Métodos. São Paulo, Global Universitária, 1987, p.167.

BONETTI, Alinne de L. Maridos e Clientes de Prostitutas: quem traz o verdadeiro perigo de Aids. mimeo, UFRGS, 1995.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. On the discursive limits of “sex”. New York, London, Routledge, 1993.

CSORDAS, Thomas. Embodiment as a Paradigm for Anthropology. Ethos, nº 18 (1), 1988, pp.5-47.

FONSECA, Claudia. A Dupla Carreira da Mulher Prostituta. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, IFCS / UFRJ – PPCIS / UFRJ, vol. 4, nº 1, 1996.

FREITAS, Renan S. Bordel, Bordéis: negociando identidades. Petrópolis, Vozes, 1985.

GASPAR, Maria D. Garotas de programa: prostituição em Copacabana e identidade social. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 3ª edição, 1984.

GUIMARÃES, Carmem. Mais Merece: o estigma da infecção sexual pelo HIV/Aids em mulheres. Estudos Feministas, vol. 4, nº 2, 1996.

GUIMARÃES, Carmem. Mulheres, Sexualidade e Aids: um projeto de prevenção. In: COSTA, Albertina. (org.) Alternativas Escassas: saúde, sexualidade e produção na América Latina. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 1994.

KNAUTH, Daniela R. Uma Doença dos Outros: a construção da identidade entre mulheres portadoras do vírus da Aids. Cadernos do Nupacs, nº 1, Porto Alegre, 1996.

MARTIN, Denise. Aids e Mulheres: uma abordagem antropológica. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, 1995, p.107.

MORAES, Aparecida F. Mulheres da Vila: prostituição, identidade social e movimento associativo. Petrópolis, Vozes, 1995.

MOTTA, Flávia M. Velha é a Vovozinha. Santa Cruz, Rio Grande do Sul, EDUNISC, 1998, p.46.

PASINI, Elisiane. “Corpos em Evidência”, pontos em ruas, mundos em pontos: a prostituição na região da Rua Augusta em São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP, 2000.

PIRANI, Denise. Quand les Lumières de la Ville s’Éteignent: minorités et clandestinités à Paris e cas des travestis. Tese de Doutorado, Paris, École des Hautes Etudes en Sciences Sociales, 1997.

Downloads

Publicado

2015-06-01

Como Citar

Pasini, E. (2015). Limites simbólicos corporais na prostituição feminina. Cadernos Pagu, (14), 181–200. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8635351