A ruptura do mundo masculino da medicina: médicas brasileiras no século XIX

Elisabeth Juliska Rago

Resumo


Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a luta das primeiras mulheres médicas para ingressar num campo tradicionalmente masculino como o da medicina, na segunda metade do século XIX, focalizando médicas brasileiras. Mostra como as pioneiras enfrentaram as hostilidades e foram capazes de reverter as pressões políticas e sociais, criando as condições de ruptura do mundo masculino da medicina.

Abstract

This article aims to disclose women endeavors in challenging the man-dominated field of medicine of late 19th century, focusing on Brazilian physicians. It shows how they faced hostilities and were able to withstand political and social pressures setting the stage to break masculine full control of this field.


Palavras-chave


Mulheres médicas. Campo masculino da medicina. Relações de gênero

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Jane Soares. Mulher e Educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Unesp, 1998, p. 56.

Barbosa, Rui. Obras Completas. Reforma do Ensino Secundário e Superior, Ministério da Educação e Saúde, Rio de Janeiro: 1942.

BARRETO, Tobias. Estudos de Sociologia. Instituto Nacional do Livro. Ministério da Educação e Cultura, 1962.

DUBY, Georges. As Damas do Século XII - Heloísa, Leonor, Isolda e algumas outras. Lisboa: Teorema, 1995, p.8.

HAHNER, June E. A Mulher Brasileira e suas lutas sociais e políticas: 1850-1937. São Paulo: Brasiliense, 1981.

HAHNER, June E. Emancipating the female Sex: the strugle for women’s rights in Brasil – 1850-1940. Durham and London: 1990.

MARGOTTA, Roberto. The History of Medicine. London: Paul Lewis, Institute of Neurology, 1996.

MARKS, Geoffrey & BEATTY, W. K. Woman in White. Nova York: Charles Scribners’s Sons, p. 87-93.

MOTT, M.L.B. De educadora à médica: trajetória de uma pioneira metodista. Revista do Cogeime, n.º 15, Dez/1999.

MOTT, Maria Lúcia de Barros. Maria Renotte, uma médica paulista no início do século. In: Médicis: cultura, ciência e saúde. Ano 2 – Edição n.º 7 – Nov./Dez. de 2000.

RAGO, Margareth. Os Prazeres da Noite: prostituição e códigos da sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1991, p. 149.

Revista Feminina, ano X, n.º 107.

SAFFIOTI, H.I.B. O Poder do Macho. São Paulo: Moderna, 1987, p. 60.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Força de trabalho feminina no Brasil: no interior das cifras. In Perspectiva, 8:95-141, São Paulo, 1985.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. O estatuto teórico da violência de gênero. In: Santos, José Vicente Tavares (org.) Violência em tempo de globalização. São Paulo: Hucitec,1999, p.156.

SAFFIOTI, Heleieth I.B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Vozes, 1979.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero e Patriarcado. (mimeo) São Paulo: 2000, p. 56.

SAFFIOTI, Heleieth I.B. Rearticulando gênero e classe social. In: Costa, Albertina de O. e Bruschini Cristina (orgs.). Uma questão de gênero. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; São Paulo: Fundação Carlos Chagas,1992.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Mulher e realidade: mulher e educação. Porto Alegre, Vozes,v.16, n.º 2, julho/dez, 1995.

SHUMAHER, Shuma e Brazil, Érico V. Dicionário Mulheres do Brasil: de 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

SILVA, Alberto. A Primeira médica do Brasil. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1954.

SIMÕES DE PAULA, M. Regina. “A primeira médica brasileira”. In: D. O. Leitura, Abril, 1988.

SOIHET, Raquel. Condição feminina e Formas de Violência: mulheres pobres e ordem urbana – 1890-1929. Rio de Janeiro: Forense, 1989.

VIDAL, Olímio Barros. Precursoras Brasileiras. Rio de Janeiro: A Noite, 1955.


Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

(c) Cad. Pagu, Campinas (SP). ISSN 1809-4449.