A nudez autoexposta na rede: deslocamentos da obscenidade e da beleza?

  • Paula Sibilia Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Corpo. Subjetividade. Nudez. Obscenidade. Internet

Resumo

Este artigo focaliza algumas imagens de corpos femininos nus que circulam atualmente pelo universo midiático, sobretudo a internet, com especial atenção para aquelas divulgadas pelas próprias mulheres como auto-retratos. A partir de um olhar genealógico, examina-se a politização colocada em jogo nesse novo conjunto de práticas, que são bastante diversas, mas todas muito recentes, particularmente no que se refere às redefinições dos padrões de beleza e dos critérios de obscenidade em vigência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paula Sibilia, Universidade Federal Fluminense
Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) e do Departamento de Estudos Culturais e Mídia da UFF, Niterói-RJ

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Desnudez. Buenos Aires, Adriana Hidalgo, 2011.

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro, Rocco, 1999.

BOLOGNE, Jean Claude. História do pudor. Lisboa, Teorema, 1990.

BORZELLO, Frances. The naked nude. Londres, Thames & Hudson, 2012.

CARR-GOMM. A brief history of nakedness. Londres, Reaktion Books, 2010.

CLARK, Kenneth. El desnudo. Madri, Alianza, 2006.

DANTO, Arthur. La madonna del futuro. Barcelona, Paidós, 2003.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1994.

FOUCAULT, Michel. Poder-Corpo. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Graal, 1979, pp.145-152.

GOLDENBERG, Mirian. Coroas. Rio de Janeiro, Record, 2008.

GOLDENBERG, Mirian. (org.) Nu & Vestido. Rio de Janeiro, Record, 2002.

HADDAD, Michele. La divine et l'impure: Le nu au XIXe. Paris, Jaguar, 1990.

JEUDY, Henry-Pierre. O corpo como objeto de arte. São Paulo, Estação Liberdade, 2002.

MILES, Margareth. A complex delight: The secularization of the breast, 1350-1750. Berkeley,

University of California Press, 2008.

NEAD, Lynda. El desnudo femenino. Madri, Tecnos, 1998.

SIBILIA, Paula. O show do eu: A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro, Ed. Nova Fronteira, 2008.

SIBILIA, Paula. O corpo velho como uma imagem com falhas. Comunicação, Mídia e Consumo, ano 9, vol. 9, nº 26, São Paulo/ESPM, nov. 2012, pp.83-114.

SIBILIA, Paula. Os corpos visíveis na contemporaneidade: Da purificação midiática à explicitação artística.

In: BRASIL, André; LISSOVSKY, Maurício; MORETTIN, Eduardo. (orgs.) Visualidades hoje. Brasília/Salvador, Compós/EDUFBA, 2013, pp.119-136.

SIBILIA, Paula. O que é obsceno na nudez? Entre a Virgem medieval e as silhuetas contemporâneas. FAMECOS, vol. 21, nº 1, PUC-RS, 2014, pp.24-55.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: Uma história da higiene corporal. São Paulo, Martins Fontes, 1996.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Sibilia, P. (2015). A nudez autoexposta na rede: deslocamentos da obscenidade e da beleza?. Cadernos Pagu, (44), 171-198. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8637326