Entre “reais” e “virtuais”: noções sobre risco e verdade em um clube brasileiro para crossdressers

  • Anna Paula Vencato Universidade Paulista
Palavras-chave: Internet. Gênero. Cross-Dressing. Sociabilidade

Resumo

Proponho analisar a partir das noções de “real” e “virtual” como se constrói a hierarquia dentre associadas em um clube brasileiro para crossdressers, que se organiza a partir da internet, e o quanto elas impactam as negociações e relações sociais para dentro e para fora do clube na produção de “crossdressers de verdade”. Também busco entender em que medida se constroem lugares diferenciados para as associadas, pautadas nas noções sociológicas de gênero, sexualidade, estigma e senioridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anna Paula Vencato, Universidade Paulista
Professora Titular da Universidade Paulista – Unip e assessora de políticas LBT da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres da Prefeitura de São Paulo

Referências

ARANHA FILHO, J. M. Tribos eletrônicas: usos & costumes. In: Anais do Seminário preparatório sobre aspectos sócio-culturais da internet no Brasil. Rio de Janeiro, RNP, MCT, 1995.

BARBOSA, M. T. de M. A prática crossdresser na blogosfera: Um Estudo Baseado em Análise de Blogs Crossdressers. 2014. Dissertação (Mestrado) – Antropologia Social, Universidade Federal de Goiás.

FACCHINI, R. Entre umas e outras: mulheres (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. 2008. Tese (Doutorado) – Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. 13 ed. Petrópolis, Vozes, 2005.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro, Zahar, 1975.

GOMES, L. G.; LEITAO, D. K. Estar e não estar lá, eis a questão: pesquisa etnográfica no Second Life. Cronos, Natal, vol.12, nº1, jan./jun. 2011, pp.25-40.

GRUNVALD, V. “Sexy Sensual sempre... vulgar JAMAIS”: erotismo, moralidade e (homo)sexualidade na prática de crossdressing. Artigo apresentado no III Encontro do Núcleo de Estudos sobre Marcadores Sociais da Diferença na Universidade de São Paulo, 2014.

LEITÃO, D. K. Sexualidade e mercado erótico no mundo virtual Second Life. 36º Encontro Anual da ANPOCS, GT 32: Sexualidade e gênero: sociabilidade, erotismo e política. Anais... Águas de Lindóia, 2012.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2005.

LÉVY, P. O que é virtual? São Paulo: Editora 34, 1996.

MAXIMO, M. E.; LACERDA, J. de S.; RIFIOTIS, T. Nas fronteiras entre o “on-line” e o “off-line”: notas para um estudo etnográfico das formas de apropriação dos centros públicos de acesso à internet. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação/IX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Anais... Guarapuava, 2008.

MISKOLCI, R. San Francisco e a nova economia do desejo. Lua Nova, 91, São Paulo, 2014, pp.269-295.

MISKOLCI, R. Networks of desire: the specter of AIDS and the use of digital media in the quest for secret same-sex relations in São Paulo. Vibrant, Virtual Braz. Anthr., Brasília, vol. 10, nº 1, June 2013, pp. 40-70.

MISKOLCI, R. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos, Natal, vol. 12, nº2, jul./dez. 2011, pp.9-22.

PADILHA, F. O segredo é a alma do negócio: Mídias digitais móveis e a gestão da visibilidade do desejo homoerótico masculino na região de São Carlos. Artigo apresentado no III Encontro do Núcleo de Estudos sobre Marcadores Sociais da Diferença na Universidade de São Paulo, 2014.

PERLONGHER, N. O negócio do michê: prostituição viril em São Paulo. 2 ed. São Paulo, Brasiliense, 1987.

PRIMO, A. F. T.; PEREIRA, V. A.; FREITAS, A. Brazilian Crossdresser Club. CyberPsychology & Behavior 3(2), abril 2000, pp.287-296.

VENCATO, A. P. Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil. São Paulo, Annablume, 2013.

VENCATO, A. P. Negociando desejos e fantasias: corpo, gênero, sexualidade e subjetividade em homens que praticam crossdressing. In: DÍAZ-BENITEZ, M. E.; FIGARI, C. E. (Org.). Prazeres dissidentes. Rio de Janeiro, CLAM - Garamond, 2009a, pp.93-117.

VENCATO, A. P. Existimos pelo prazer de ser mulher: uma análise do Brazilian Crossdresser Club. 2009b. Tese (Doutorado) – Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

ZILLI, B. D. A perversão domesticada: Estudo do discurso de legitimação do BDSM na Internet e seu diálogo com a Psiquiatria. 2007. Dissertação (Mestrado) – Saúde Coletiva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Vencato, A. P. (2015). Entre “reais” e “virtuais”: noções sobre risco e verdade em um clube brasileiro para crossdressers. Cadernos Pagu, (44), 367-390. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8637378