Entre a liberdade e a igualdade: princípios e impasses da ideologia poliamorista

  • Antonio Pilão Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Conjugalidade. Gênero. Sexualidade. Não monogamia. Poliamor

Resumo

O objetivo principal deste artigo é analisar a articulação entre os ideais de liberdade e igualdade nos discursos de “poliamoristas” brasileiros sobre amor e sexualidade. “Poliamor” é o nome “nativo” dado à possibilidade de estabelecer mais de uma relação amorosa ao mesmo tempo com a concordância de todos os envolvidos. A pesquisa foi conduzida a partir da análise de quatro redes virtuais “poliamoristas”, dos discursos obtidos a partir de cinco entrevistas em profundidade realizadas com adeptos do “poliamor” e da observação participante conduzida em “poliencontros”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Pilão, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Doutorando em Antropologia no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Referências

ANAPOL, Deborah. Polyamory: The New Love without Limits. San Rafael, CA, IntiNet Resource Center, 1997.

BADINTER, Elizabeth. Um é o Outro. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986.

BARKER, Meg e LANGDRIDGE, Darren.Whatever happened to non-monogamies? Critical reflections on recent research and theory.Sexualities 13(6), 2010, pp.748–772.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de gênero. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2010.

CARDOSO, Daniel. Amando vári@s – Individualização, redes, ética e poliamor. Dissertação de mestrado, Universidade Nova de Lisboa, 2010.

DUMONT, Louis. Gênese I: do Indivíduo-fora-do-mundo ao Indivíduo-no-mundo. In: DUMONT, Louis. O Individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1985, pp.201-225.

ELLIS, Havelock. Studies in the Psychology of Sex. Sex in Relation to Society, v. 6, 1927.

FÉRES-CARNEIRO, Terezinha. Conjugalidades contemporâneas: um estudo sobre os múltiplos arranjos conjugais da atualidade. Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2011.

FIGUEIRA, Sérvulo Augusto. O contexto social da psicanálise. Rio de Janeiro, Livraria Francisco Alves, 1981.

GIDDENS, Anthony. A transformação da Intimidade. Sexualidade, Amor e Erotismo nas Sociedades Modernas. São Paulo, Universidade Estadual de São Paulo, 1993.

GOLDENBERG, Mirian (Org.).Os Novos Desejos:seis visões sobre mudanças de comportamento de homens e mulheres na cultura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro, Record, 2000.

GOLDENBERG, Mirian. Porque homens e mulheres traem? Rio de Janeiro, Best bolso, 2010.

HARITAWORN, Jin;LIN, Chin-ju;KLESSE, Christian. Poly/logue: A Critical Introduction to Polyamory. Sexualities, 9(5), 2006, pp.515-529.

HEILBORN, Maria Luiza. Dois é par: gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro, Garamond, 2004.

KLESSE, Christian. Polyamory and its “others”: contesting the terms of non-monogamy. Sexualities, v.9, n.5, 2006, pp.565-583.

KLESSE, Christian. Notions of Love in Polyamory - Elements in a Discourse on Multiple Loving. Laboratorium, vol. 3, nº 2, 2011, pp.4–25.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares de parentesco. Petrópolis, Vozes. 1976.

LIBBY, Roger e WHITEHURST, Robert. Marriage and Alternatives: Exploring Intimate Relationships.Scott, Foresman, 1977.

LINS, Regina Navarro. A cama na varanda. Arejando nossas ideias a respeito de amor e sexo. Edição revista e ampliada. Rio de Janeiro, Best Seller, 2010.

MARCIANO, Teresa. Variant Family Forms in a World Perspective. The Family Coordinator, vol. 24, nº 4, 1975, pp.407-420.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: _____. Sociologia e Antropologia. vol. II. São Paulo, Edusp, 1974.

MORGAN, Lewis Henry. Ancient Society Or Researches in the Lines of Human Progress from Savagery through Barbarism to Civilization. Calcutta,Bharti Library, 1944.

O’NEIL, Nena e O’NEIL George. Open Marriage: A New Life Style for Couples. New York, Evans & Company, 1972.

PILÃO, Antonio. Poliamor e monogamia: construindo diferenças e hierarquias. Ártemis, vol. 13, jan-julho 2012, pp.62-71.

SALEM, Tânia. O casal igualitário: princípios e impasses. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 3, nº 9, fev. 1989, pp.24-37.

SIMMEL, Georg. The Sociology of Georg Simmel. New York, Free Press, 1950.

SIMMEL, Georg. On individuality and social forms. Chicago, University of Chicago Press, 1971.

SUSSMAN, Marvin. The Four F’s of Variant Family Forms and Marriage Styles.The Family Coordinator, vol. 24, nº 4, 1975, pp.563-576.

WAKE, Staniland. The development of marriage and kinship. Londres, George Headway, 1889.

WESTERMARCK, Edvard. The History of Human Marriage. Londres, MacMillan. 1891.

WESTERMARCK, Edvard. The Future of Marriage in Western Civilisation. Londres, MacMillan, 1936.

WILKINSON, Eleanor. What’s Queer about Non-monogamy Now? In: BARKER, Meg and LANGDRIDGE, Darran (Ed.).Understanding Non-Monogamies. London, UK, Routledge, 2010, pp.243–254.

WITTIG, Monique. The Point of View: Universal or Particular? Feminist issues, vol.3, nº 2, 1983, pp.63-69.

WOLFE, Leanna. Jealousy and transformation in polyamorous relationships. Dissertação. The Institute for Advanced Study of Human Sexuality San Francisco, California, 2003.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Pilão, A. (2015). Entre a liberdade e a igualdade: princípios e impasses da ideologia poliamorista. Cadernos Pagu, (44), 391-422. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8637379