Apresentação

Autores

  • Editorial Comitê Universidade Estadual de Campinas

Resumo

Vem bem a propósito esta retomada da discussão sobre a relação entre gênero e trabalho, objeto do dossiê publicado neste número. Duas notícias recentes mostram a sua continuada pertinência: a primeira, apesar da manchete otimista, na primeira página (“Participação das mulheres no mercado cresce em São Paulo”, Folha de S.Paulo, 4 de julho de 2002), mostra que se há mais mulheres trabalhando, elas ainda ganham menos do que os homens (75,5% do que eles recebem). A segunda, só trata do assunto indiretamente, ao analisar a crise pela qual passa a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. “Para que servem as humanidades?” pergunta Leyla Perrone-Moisés (Folha de S.Paulo, 30 de junho de 2002), apontando para uma tendência geral no mundo contemporâneo de atribuir menor importância aos estudos humanísticos – aí incluídas as letras e as ciências sociais – no âmbito do ensino universitário. Não é preciso pensar muito para lembrar que são exatamente essas as áreas de estudos que mais se “feminizaram” no decorrer do último século na tradição acadêmica. São também as áreas nas quais mais se produz uma reflexão a respeito da questão de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2016-03-29

Como Citar

COMITÊ, E. Apresentação. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 17-18, p. 7–8, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644552. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Apresentação