Melodrama Egípcio: uma tecnologia do sujeito moderno?

Autores

  • Lila A Abu-Lughod Universidade de Calumbia

Palavras-chave:

Gênero. Subjetividade. Melodrama. Recepção. Egito

Resumo

Considero bastante evidente que os textos melodramáticos podem atuar sobre os espectadores de vários modos. Não podemos simplesmente analisar as mensagens explícitas da trama e dos personagens, assim como não devemos nos limitar ao estudo da recepção. O que pretendo explorar neste ensaio, entretanto, é como a representação da emoção dos personagens no melodrama egípcio pode fornecer um modelo para um novo tipo de sujeito individualizado. A análise considera os objetivos dos produtores e escritores dos seriados televisivos, assim como a convivência de uma empregada doméstica com estes conteúdos.

Abstract

I think it is abundantly clear thar melodramatic texts can work on viewers in multiple ways. One cannot simply analyze the overt messages of plot and character, just as one should not limit oneself to the study of reception. What I want explore in this essay, however, is how the representation of characters’ emotions in Egyptian melodrama might provide a model for a new kind of individuated subject. The analyses is based on the objectives of TV series writers and producers, and on a domestic servant lived experience interacting with such content.

Key Words: Gender. Subjectivity. Melodrama. Reception. Egypt

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lila A Abu-Lughod, Universidade de Calumbia

Lila Abu-Lughod (born 1952) is an American with Palestinian and Jewish ancestry who is professor of Anthropology and Women's and Gender Studies atColumbia University in New York City. A specialist of the Arab world, her seven books, most based on long term ethnographic research, cover topics from sentiment and poetry to nationalism and media, from gender politics to the politics of memory

Downloads

Publicado

2016-03-30

Como Citar

ABU-LUGHOD, L. A. Melodrama Egípcio: uma tecnologia do sujeito moderno?. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 21, p. 75–102, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644614. Acesso em: 4 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê