Educadoras Sanitárias e Enfermeiras de Saúde Pública: identidades profissionais em construção

Autores

  • Lina Faria Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Mulheres Educadoras. Mulheres Enfermeiras. Identidade Profissional. Saúde Pública.

Resumo

Este é um estudo sobre a história das educadoras sanitárias e das enfermeiras de saúde pública na primeira metade do século XX, em São Paulo. Tem por objetivo mostrar o desafio, às mulheres, de demarcar um território de decisões e atuação que não fosse simples “poder delegável” pela profissão médica. A sociologia histórica (no tocante às relações entre instituições, poder e identidades profissionais) proporcionou um instrumental teórico e metodológico para o presente trabalho. Entre as conclusões, destacamos a importância do surgimento de um novo campo profissional, relacionado à educação sanitária e à enfermagem de saúde pública. O texto destaca, brevemente, a participação da Fundação Rockefeller na organização do campo de saúde pública, uma vez que a Rockefeller apoiou a valorização do papel da mulher educadora e enfermeira em São Paulo, com recursos humanos e financeiros

Abstract

This is a study about São Paulo’s health educators and public health nurses in the first half of the 20th century. These were occupations designed for women, who faced difficult challenges trying to demarcate a territory of decision and action that did not result solely from the medical profession´s “benevolence” toward them. The tools of historical sociology contributed, both theoretically and methodologically, to an appraisal of the relationships between institutions, power, and professional identities. Among the main conclusions, this article reveals the importance of the rising of a new professional field in health education and public health nursing. In addition, the work calls attention to the role played by the Rockefeller Foundation in opening up these new occupational tracks. The Foundation´s officers payed close attention to the setting of working conditions for the young professionals, helping them with human, technical, and financial resources.

Key Words: Female Health Educators, Female Nurses, Professional Identities, Public Health

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARREIRA, Ieda de Alencar e SANTOS, Tânia Cristina Franco. A Escola Anna Nery como centro difusor de tradições nativas. Escola Anna Nery. Revista de Enfermagem 3 (2), 1999, Rio de Janeiro, pp.18-33.

BARREIRA, I. A. A Enfermeira-Ananéri no “País do Futuro”; a aventura da luta contra a tuberculose. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery, 1992.

________. Estudo exploratório sobre a consulta de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem (28), Rio de Janeiro, 1975, pp.76-94.

CAMPOS, Cristina de. São Paulo pela lente da higiene. As propostas de Geraldo de Paula Souza para a cidade (1925-1945). São Carlos, RiMa Editora, 2002.

________. Evolução histórica da educação em saúde pública como disciplina de ensino na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (1925-1967). Revista de Saúde Pública 22(4), São Paulo, Faculdade de Saúde Pública/USP, 1988, pp.347-365.

________. Memória histórica da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (1918/1954). Revista de Saúde Pública, vol. 18, nº especial, São Paulo, 1984, pp.2-60.

CASTRO SANTOS, Luiz A. de e FARIA, Lina. A Cooperação Internacional e a Enfermagem de Saúde Pública no Rio de Janeiro e São Paulo.

Horizontes, vol. 22 (2), Bragança Paulista, CDAPH-Universidade São Francisco, julho/dezembro de 2005, pp.123-148.

________. A reforma sanitária no Brasil: Ecos da Primeira República. São Paulo, Editora da Universidade São Francisco, 2003 _______. Os primeiros centros de saúde nos Estados Unidos e no Brasil: um estudo comparativo. Teoria e Pesquisa, nºs 40/41, São Paulo, Editora da Universidade Federal de São Carlos, 2002, pp.137-181.

CHAGAS, Carlos. A enfermeira moderna. Apelo às moças brasileiras. Rio de Janeiro, Oficinas Gráficas da Inspetoria de Demografia Sanitária, Educação e Propaganda/Departamento Nacional de Saúde Pública, 1922, pp.1-10.

CHAGAS, Evandro. Enfermagem em face do problema rural do Brasil.

Annaes de Enfermagem, ano 6 (15), 1938, pp.5-7.

COLLIER, Peter e HOROWITZ, David. The Rockefellers: An American Dynasty. Broadway, New York, New American Library, 1976, pp.61- 65.

CORTEZ, Adamastor. Centros de saúde de São Paulo. Tese de doutorado, São Paulo, Faculdade de Medicina de São Paulo, 1926.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro, Graal, 1979.

CUETO, Marcos. Missionaries of Science. The Rockefeller Foundation and Latin America. Bloomington/Indianápolis, Indiana University Press, 1994.

DAVIES, Celia. Professionalizing Strategies as Time-and Culture-Bound: American and British Nursing, Circa 1893. LAGEMANN, Ellen Condliffe. (ed.) Nursing History. New Perspectives, New Possibilities.

New York/London, Teachers College, Columbia University, 1983.

FARIA, Lina. Saúde, política e cooperação internacional: A Fundação Rockefeller e seus parceiros em São Paulo (1918-1951). Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2006, no prelo.

________. A Fundação Rockefeller e os serviços de saúde em São Paulo (1920-30): perspectivas históricas. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, vol. IX (3), Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, setembro/ dezembro de 2002, pp.561-590.

________. Scientific Traditions in Brazil: The History of the Instituto de Higiene in São Paulo. Rockefeller Archive Center Research Reports Online, New York, Tarrytown, 2001, pp.1-6.

________. O Instituto de Higiene: contribuição à história da ciência e da administração em saúde em São Paulo. Physis - Revista de Saúde Coletiva, vol. IX (1), Rio de Janeiro, IMS, 1999, pp.175-208.

FREIDSON, Eliot. Renascimento do profissionalismo. São Paulo, Editora da USP, 1998 (Trad.: Celso Mauro Paciornik).

________. Profession of Medicine. A Study of the Sociology of Applied Knowledge. New York. Dodd, Mead & Company. 1975.

GOLDMARK, Josephine. Nursing and nursing education in the United States. New York, The Macmillan Company, 1923.

HOWE, Barbara. The emergence of scientific philanthropy, 1900-1920: Origins, issues and outcomes. Philanthropy and cultural imperialism: The foundations at home and abroad. 2ªed. Bloomington, Indiana University Press, 1982, pp.25-54.

LEIBOWITZ, Lila. Perspectives on the evolution of sex differences.

Toward an Anthropology of Women. New York/London, Monthly Review Press, 1975, pp.20-35.

MARINHO, Maria Gabriela S.M.C. Norte-americanos no Brasil. Uma história da Fundação Rockefeller na Universidade de São Paulo (1934-1952). Campinas/São Paulo, Autores Associados/Universidade São Francisco, 2001.

MASCARENHAS, Rodolfo dos Santos e FREITAS, Adélia Vieira de.

Contribuição ao estudo da história do ensino de educação sanitária na Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo. Arquivos da Faculdade de Higiene e Saúde Pública, 13 (1), São Paulo, USP, 1959.

MOTT, Maria Lúcia de Barros. Maria Renotte, uma médica paulista no início do século. Médicis: cultura, ciência e saúde, ano 2 (7), 2000.

________. Revendo a história da enfermagem em São Paulo (1890- 1920). Cadernos Pagu (15) - Gênero, Ciências, História -, Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1999, pp.327-355.

PAICHELER, Geneviéve. Présentation. Les professions de soins: territoires et empiètements. Sciences Sociales et Santé, vol. 13 (3), Paris, Editions John Libbey Eurotext, 1995, pp.5-10.

PATTO, Maria Helena Souza. Teoemas e cataplasmas no Brasil Monárquico: o caso da Medicina Social. Novos Estudos Cebrap 44, São Paulo, março de 1996, pp.180-199.

PAULA SOUZA, Geraldo Horácio de e BORGES VIEIRA, Francisco.

Formação de técnicos para os serviços de saúde pública. Revista de Higiene e Saúde Pública, ano VI (1), 1948, pp.1-35.

________. Centros de saúde. “Eixo” da organização sanitária. Boletim do Instituto de Higiene nº 59, São Paulo, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 1944, pp.1-50.

RAGO, Elisabeth Juliska. A ruptura do mundo masculino da medicina: médicas brasileiras no século XIX. Cadernos Pagu (15), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/ Unicamp, 2000, pp.199-225.

RENÉE C. Fox, AIKEN, Linda e MESSIKOMER, Carla. The culture of caring: AIDS and the nursing profession. In: Nelkin, D.; Willis, D.P. & Parris, S. (eds.) A disease of society: Cultural and institutional responses to AIDS. Cambridge University Press, 1991.

ROCHA, Heloísa Helena Pimenta. A higienização dos costumes.

Educação escolar e saúde no projeto do Instituto de Higiene de São Paulo (1918-1925). Campinas/São Paulo, Mercado das Letras/ FAPESP, 2003.

ROHDEN, Fabíola. A arte de enganar a natureza. Contracepção, aborto e infanticídio no início do século XX. Coleção História e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003.

________. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2001.

ROSEN, George. A history of public health. New York, MD Publications, INC., 1976.

SCHULTHEISS, Katrin. Class, gender and Professional identity. Bodies and Souls. Politics and the professionalization of nursing in France, 1880-1922. London/Massachusetts, Harvard University Press/ Cambridge, 2001.

VASCONCELLOS, Maria da Penha C. (coord.) Memórias da saúde pública: a fotografia como testemunha. São Paulo/Rio de Janeiro, Editora HUCITEC/ABRASCO, 1995, pp.1-110.

VIEIRA, Elisabeth Meloni. A medicalização do corpo feminino. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2002.

Downloads

Publicado

2016-04-05

Como Citar

FARIA, L. Educadoras Sanitárias e Enfermeiras de Saúde Pública: identidades profissionais em construção. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 27, p. 173–212, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644773. Acesso em: 8 dez. 2021.