A construção social de gênero na Biologia: preconceitos e obstáculos na biologia molecular

  • Neide Mayumi Osada Universidade de São Paulo
  • Maria Conceição Costa Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Gênero. Mulheres e Ciência. Biologia Molecular. Projeto Genoma

Resumo

Este paper tem como objetivo analisar a presença de homens e mulheres nas ciências biológicas a partir do Projeto Genoma Fapesp (PGF). Baseado nos estudos sociais das ciências e nos estudos de gênero em ciências, pretende-se, portanto, entender as principais razões que levam ao avanço mais lento na carreira das mulheres pesquisadoras, analisar como ocorre a participação das mulheres na construção das ciências e, por fim, avaliar os principais obstáculos por elas enfrentados.

Abstract

This paper analyses the presence of women and men in Biological Sciences, specifically at the Fapesp Genome Project. Considering the Social Studies of Sciences and Gender Studies, this article highlights the barrier and prejudices women face in their scientific carrier and show how this reproduces a situation in which men advance faster than women.

Key Words: Gender, Women and Science, Molecular Biology, Genome Project

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neide Mayumi Osada, Universidade de São Paulo
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo(1997), mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas(2006) e doutorado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas(2012). Atualmente é Pesquisador da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Conhecimento. Atuando principalmente nos seguintes temas:Ciência e Tecnológia, Biomedicalização, Biologia Molecular.

Referências

AUGER, Pierre. Current Trends in Scientific Research: survey of the main trends of inquiry in the field of natural sciences the dissemination of scientific knowledge for peaceful ends. Paris, Unesco, 1962.

CITELI, M. T. Mulheres nas ciências: mapeando campos de estudo.

Cadernos Pagu (15), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2000.

GONZÁLEZ, V.S. Una Introducción a los estúdios sobre ciência y gênero.

Argumento de Razón Técnica, nº 8, 2005.

HAMBURGER, Amélia Império. Fapesp 40 anos: abrindo fronteiras. São Paulo, Fapesp/Edusp, 2004.

HARAWAY, Donna. Situated Knowledge: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. In: LEDERMAN, Muriel e BARTSCH, Ingrid. The gender and science reader.

London/New York, Routledge, 2001.

________. A manifest for cyborgs: science, technology, and socialist feminist in the 1980. In: KIRKUP, G. et alii. The gendered cyborg: a reader. New York, The Open University/Routledge, 2000.

HENSON, Pamela. A invasão da Arcádia: As cientistas no Campo na América Latina, 1900-1950. Cadernos Pagu (15), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2000.

KELLER, Evelyn Fox. What implact, if any, has feminism had on science?.

J. Biosci, vol. 29, nº1, março de 2004, pp.7-13.

LANDES, D. Prometeu Desacorrentado: transformação tecnológica e desenvolvimento industrial na Europa ocidental, desde 1750 até a nossa época. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1994.

LONGINO, H. Can there be a feminist science? In: WYER, Mary et alii.

(org.) Women, Science and Technology. Nova York, Routledge, 2001.

LOPES, M.M. “Aventureiras” nas ciências: refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil. Cadernos Pagu (10), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1998.

LOPES, M.M e COSTA, M.C., Por que tão devagar nas ciências e nos estudos de gênero em ciências, 2004, mimeo.

LOPES, M.M e COSTA, M.C., Problematizando ausências: mulheres, gênero e indicadores na História das ciências. In: MORAES, M.L. Q.

[org.], Gênero na Fronteira do Sul, Campinas, Coleção Encontros, Pagu/ Núcleo de Estudos de Gênero, Unicamp, 2005.

MAFFIA, D. Crítica feminista à Ciência. In: COSTA, Ana Alice A. e SARDENBERG, Cecília M.B. (org.) Feminismo, Ciência e Tecnologia, Redor e Núcleo de Estudos Interdisciplinas sobre a Mulher FFCH/ UFA, 2002.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História da escola em São Paulo e no Brasil. São Paulo, Instituto Braudel/Imprensa Oficial do Estado, 2005.

SARDENBERG, C. M. B. Da crítica feminista da ciência à ciência a uma ciência feminista. In: Feminismo, Ciência e Tecnologia, Coleção Bahiana, Salvador, Redor, 2002.

SCHIENBINGER, L. O Feminismo Mudou a ciência?. São Carlos, Edusc, 2001.

PÉREZ SEDEÑO, Eulália. La enseñanza de la historia de las ciencias y los estudios sobre la mujer. Revista da Sociedade Brasileira de História das Ciências, nº 7, janeiro/junho de 1992, pp.25-30.

SHTEIR, Ann B. Gender and “Modern” Botany in Victorian England.

Osiris (12), 1997, pp.29-38.

VELLOSO, J. (org.) A pós-graduação no Brasil: formação e trabalho de mestres e doutores no país. Brasília, mimeo, 2001.

Publicado
2016-04-05
Como Citar
Osada, N. M., & Costa, M. C. (2016). A construção social de gênero na Biologia: preconceitos e obstáculos na biologia molecular. Cadernos Pagu, (27), 279-299. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644776

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)