A produção científica brasileira no feminino

Autores

  • Hildete Pereira Melo Universidade Federal Fluminense
  • André Barbosa Oliveira Universidade Federal Fluminense

Palavras-chave:

Gênero. Indicadores. Produção Científica

Resumo

O crescimento da produção científica tem estimulado o surgimento de estudos para avaliar os processos de produção, difusão e uso dos conhecimentos científicos. Infelizmente, essa literatura não tem sido sensível à temática de gênero, ignorando que mulheres e homens têm trajetórias diferenciadas e que desvelar as mulheres no mundo científico e tecnológico exige um esforço específico. A hipótese da neutralidade científica, de fato, iguala os que não são iguais no acesso às carreiras científicas e tecnológicas. Este artigo tem como objetivo preencher esta lacuna e analisar através da utilização do indicador “medida de atividade”, a intensidade da atividade científica das mulheres e homens no País; bem como, através do indicador “medidas de colaboração”, a cooperação existente na produção científica nacional sob o prisma de gênero.

Abstract

The growth of scientific production has stimulated studies which analyse the processes of production, diffusion and use of scientific knowledge. Unfortunately, this literature has not been alert to gender issues; it has neglected the fact that men and women have different trajectories, and that to unveil women in the scientific and technological world demands a specific effort. The hypothesis of scientific neutrality effectively equates the unequals regarding access to scientific and technological careers. The present study aims to fill this gap and to analyse, through an activity indicator, the intensity of scientific activity of men and women in Brazil; and, through a collaboration indicator, the existing co-operation between genders in national scientific production.

Key Words: Gender, Indicators, Scientific Production

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hildete Pereira Melo, Universidade Federal Fluminense

graduou-se em Ciências Econômicas na Faculdade de Ciências Econômicas de Campina Grande da Universidade Federal da Paraíba (1966), fez um curso de Desenvolvimento Econômico na Universidade de Toulouse, França (1967/68). Posteriormente fez mestrado em Engenharia de Produção na Universidade Federal do Rio de Janeiro (1979) e doutorado em Economia da Industrial e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993). Desde 1973 é professora da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense. 

André Barbosa Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Professor na Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense - UFF. Doutor em Economia na EESP/FGV-SP (2014), possui mestrado em Economia Aplicada na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2010) e graduação em Economia pela Universidade Federal Fluminense (2006). Tem experiência na área de Economia, com principais temas de pesquisa: alocação de portfólio, finanças empíricas, estimação de volatilidade, séries temporais e econometria

Referências

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia. Livro Verde, 2001 e Livro Branco, 2002, Indicadores Nacionais de Ciência & Tecnologia – 2002, 2004.

________. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Plataforma LATTES.

BRUSCHINI, C. & LOMBARDI, M.R. Médicas, arquitetas, advogadas e engenheiras: mulheres em carreiras profissionais de prestígio. Revista de Estudos Feministas, vol. 7, nºs 1/2, IFCS/UFRJ e CFCH/UFSC, 1999.

CARNEIRO Jr., Sandoval & LOURENÇO, Ricardo. Pós-Graduação e Pesquisa na Universidade. In: VIOTTI, E.B. & MACEDO, M. M. (orgs.) Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Campinas, Editora da UNICAMP, 2003.

COLES, J. e EALES, N.B. The history of comparative anatomy: a statistical analysis of scientific literature. Science Progress, vol. 11, 1917, pp.578-96.

COSTA, Ana Alice A. e SARDENBERG, Cecilia M.B. (orgs.) Feminismo, Ciência e Tecnologia, Salvador. Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR), Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), Universidade Federal da Bahia, vol. 8, Coleção Bahianas, 2002.

FAPESP, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

Scientific Electronic Library Online (SciELO). Site acessado ao longo dos meses de outubro/dezembro de 2005 e de janeiro a abril de 2006.

HARDING, Sandra. Is science multi-cultural? Postcolonialisms, feminisms, and epistemologies. Bloomington e Indianápolis, Indiana University Press, 1998.

LANDI, Francisco Romeu. Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo – 2001. São Paulo, FAPESP, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, 2002.

LETA, Jacqueline. As mulheres na ciência brasileira: crescimento, contrastes e um perfil de sucesso. Estudos Avançados 17 (49), São Paulo, 2003.

LETA, J. & CRUZ, Carlos Henrique de Brito. A produção científica Brasileira. In: VIOTTI, E.B. & MACEDO, M. M. (orgs.) Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Campinas, Editora da UNICAMP, 2003.

LOMBARDI, M.R. Mulheres engenheiras no mercado de trabalho brasileiro: qual seu lugar? In: GALEAZZI, Irene M.S. (ed.) Mulher e Trabalho. FEE, FGTAS/SINE-RS, DIEESE SEADE-SP, FAT/MTE PMPA, 2004.

LOPES, Maria Margaret. “Aventureiras” nas ciências: refletindo sobre gênero e história das ciências naturais no Brasil. Cadernos Pagu (10), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/ Unicamp, 1998.

________. A Ciência não é uma jovem de costumes fáceis: aspectos das relações de gênero na História da Ciência no Brasil. Cadernos IG/UNICAMP, vol.2, nº 1, 1992.

MELO, Hildete Pereira de e LASTRES, H.M.M. Ciência e tecnologia numa perspectiva de gênero: o caso do CNPq. In: SANTOS, Lucy W. dos.

(org.) Ciência, Tecnologia e Gênero: desvelando o feminino na construção do conhecimento. Londrina, Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), 2006.

MELO, Hildete Pereira de; LASTRES, Helena M.M.; MARQUES, Teresa C.

de N. Gênero no sistema de ciência, tecnologia e inovação no Brasil.

Revista Gênero, NUTEG/UFF, vol. 4, nº 2, 1º semestre de 2004.

MELO, Hildete Pereira de & CASEMIRO, M.C.P. A Ciência no Feminino: uma análise da Academia Nacional de Medicina e da Academia Brasileira de Ciência. Revista Rio de Janeiro, UERJ/Fiocruz, nº 11, set-dez 2003.

PEREZ SEDENO, Eulália. (ed.) Las mujeres em el sistema de Ciência y Tecnologia – Estudios de casos. Cuadernos de Iberoamérica, Organización de Estados Iberoamericanos (OEI), 2001.

Revista Ciência da Informação. vol. 27, nº 2, 1998. Site www.scielo.br, acessado no dia 11 de maio de 2006.

RODRIGUEZ-SALA, M.L. e ZUBIETA GARCIA, Judith. (coord.) Mujeres em la Ciência y la Tecnologia: Hispanoamérica y Europa. México, Universidad Nacional Autônoma de México, Memórias 2, 2005.

SARDENBERG, Cecilia M.B. Da crítica feminista à Ciência a uma Ciência Feminista?. In: COSTA, A.A. e SARDENBERG, C.M.B. (orgs.) Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador, Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre Mulher e Relações de Gênero (REDOR), Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher (NEIM), Universidade Federal da Bahia, vol.8 Coleção Bahianas, 2002.

SCHIEBINGER, Londa. O Feminismo mudou a Ciência? Bauru-SP, EDUSC, 2001.

TABAK, F. O laboratório de Pandora – Estudos sobre ciência no feminino. Rio de Janeiro, Garamond Universitária, 2002.

TOSI, L. Mulher e Ciência: a revolução científica, a caça às bruxas e a ciência moderna. Cadernos Pagu (10), Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp, 1998.

VELHO, Lea e LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. Cadernos Pagu (10), Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp, 1998.

VIOTTI, E.B. Fundamentos e Evolução dos Indicadores de CT&I. In: VIOTTI, E.B. & MACEDO, M. de M. (orgs.) Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil. Campinas, Editora da UNICAMP, 2003.

Downloads

Publicado

2016-04-05

Como Citar

MELO, H. P.; OLIVEIRA, A. B. A produção científica brasileira no feminino. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 27, p. 301–331, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644777. Acesso em: 6 dez. 2021.