A implementação dos órgãos governamentais de gênero no Brasil e o papel do movimento feminista: o caso do Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo

Autores

  • Yumi Garcia Santos Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Movimento feminista. Democracia. Conselho Estadual da Condição Feminina. Estado

Resumo

Desde 1960, no cenário internacional, defensores pelos direitos da mulher reivindicavam a criação de uma instituição governamental de elaboração de políticas pela igualdade de gênero. Este artigo aborda a resposta brasileira para tal tendência internacional e, especificamente, o papel do movimento feminista do Estado de São Paulo no processo de implementação desse novo organismo na região. Tal institucionalização foi extremamente importante para trazer as questões de gênero na esfera pública, mas foi também o centro do debate sobre a autonomia do movimento e o modo como uma organização do gênero deve ser estruturada no interior de um governo.

Abstract

Since the 1960’s, international gender advocates has called for the creation of governmental institutions that would elaborate politics promoting women’s interests. This article focuses on the Brazilian institutional response to this international trend and the role of the feminist movement in the state of São Paulo in the implementation of such organization. This institutionalization was extremely important in bringing women’s issues into the public sphere, but on the other hand has become the center of a debate concerning the autonomy of the movement and the way that an organization promoting gender equality should be structured inside in a government context. .

Key Words: Feminist movement, Democracy, Council on the Condition of Women in São Paulo State, Brazil

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yumi Garcia Santos, Universidade de São Paulo

Socióloga e Professora Adjunta do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG. Realizou pós-doutorado no Centro de Estudos da Metrópole-CEM/CEBRAP e doutorado na FFLCH-USP e Paris 8 Saint-Denis (co-tutela). Com ênfase em relações de gênero, suas pesquisas tratam transversalmente os temas família, pobreza, políticas sociais e migrações, numa perspectiva comparativa entre o Brasil, a França e o Japão. Mestrado em Sociologia na USP e graduação em Ciencas Politicas na Universidade Catolica de Louvain (Belgica)

Referências

BARSTED, Leila de Andrade Linhares. Em Busca do Tempo Perdido: Mulher e Políticas Públicas no Brasil – 1985-1992. Brasília, UNIFEM, 1993.

BLAY, Eva A. O visível e o limite dos movimentos sociais na construção da prática pública. In: MENICUCCI DE OLIVEIRA, Eleonora. (org.) Mulheres: da domesticidade à cidadania. Estudos sobre movimentos sociais e democratização. Águas de São Pedro-SP, ANPOCS/Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, 1987.

CLADEM. Questão de Vida - Balanço regional e desafios sobre o direito das mulheres a uma vida livre de violência. Lima, CLADEM, 2000.

COSTA, Albertina de Oliveira. Subsídios para a Análise da Política do Governo Brasileiro com Relação à Mulher no Período 1975-1984.

São Paulo, Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985.

QUARTIM DE MORAES, Maria Lygia. Diagnóstico da Situação da Mulher no Brasil e em São Paulo entre 1976 e 1985. São Paulo, Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985.

MOSER, Caroline O. N. Gender Planning and Development: Theory, Practice & Training. Tóquio, Shinhyouron, 1996 [Trad.: Kenichi Kubota e Mayumi Kubota].

LOBO, Elizabeth de S. Experiências de Mulheres. Destinos de gênero.

São Paulo, Tempo Social, 1º sem., 1989.

_________. A classe operária tem dois sexos – Trabalho, Dominação e Resistência. São Paulo, Editora Brasiliense, 1991.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma História do Feminismo no Brasil. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

SCHUMAHER, Schuma & BRAZIL, Erico V. Dicionário Mulheres do Brasil.

Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2000.

SCHUMAHER, Maria Aparecida & VARGAS, Elisabeth. Lugar no governo: Álibi ou conquista? Estudos Feministas, vol. 1, nº 2, Rio de Janeiro, CIEC/ECO/UFRJ, 1993.

SADER, Eder. Quando Novos Personagens Entraram em Cena – Experiências e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo 1970- 1980. São Paulo, Paz e Terra, 1988.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. A Mulher na Sociedade de Classes - Mito e realidade. Petrópolis, Vozes, 1976.

SOARES, Vera. Muitas faces do feminismo no Brasil. In: Mulher e Política – Gênero e feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 1998.

TABAK, Fanny. Representação política e prática democrática. In: MENICUCCI DE OLIVEIRA, Eleonora. (org.) Mulheres: da domesticidade à cidadania. Estudos sobre movimentos sociais e democratização. Águas de São Pedro-SP, ANPOCS/Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, 1987.

TINKER, Irene. The Making of a Field: Advocates, Practitioners, and Scholars. TINKER, I. (org.) Persistent Inequalities – Women and world development. New York, Oxford University Press, 1990.

Downloads

Publicado

2016-04-05

Como Citar

SANTOS, Y. G. A implementação dos órgãos governamentais de gênero no Brasil e o papel do movimento feminista: o caso do Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 27, p. 401–426, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644780. Acesso em: 8 dez. 2021.