Apresentação: de família, reprodução e parentesco: algumas considerações

Autores

  • Claudia Fonseca

Resumo

A família, como assunto de análise, tem gozado de pouca popularidade entre os cientistas sociais nas últimas décadas. Não é por acaso que, na introdução ao dossiê especial sobre “comportamentos familiares” da Revista Interseções, Clarice Peixoto e Michel Bozon (2001:25) chamam atenção para o fato dos autores, especialmente os brasileiros, não explicitarem espontaneamente a análise dos comportamentos familiares. É como se o material sobre as relações familiares emergisse apesar dos analistas. Aliás, não só os brasileiros sentem desconforto com a “família”. Bob Edgar (2003), pesquisador britânico, abre um recente volume sobre a Sociologia das Famílias, comentando o desafeto de pesquisadores com o tema e apontando para os ardis analíticos que parecem assombrar o campo. Se, por um lado, existe uma tendência de reificar as “estruturas familiares”, sobredeterminando sua influência sobre os membros da família, por outro, confrontamo-nos com a análise psicológica centrada no “self”, que, dominada pela ideologia individualista, pensa a coletividade em termos de suporte ou entrave à realização pessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARROS, Myriam Lins de. (org.) Família e Gerações. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2006.

BARROSO, Carmen e CORREA, Sônia. What´s so new about the new reproductive technologies? In: GINSBURG, Faye and RAPP, Rayna.

(orgs.) Conceiving the new world order. Berkeley, University of California Press, 1995.

BIRENBAUM-CARMELI, Daphna & INHORN, Marcia C. Assisting Reproduction, Testing Genes: Global Encounters with New Biotechnologies. London, Berghahn Books [no prelo].

BONETTI, Alinne de Lima. Não basta ser mulher, tem de ter coragem: uma etnografia sobre gênero, poder, ativismo feminino popular e o campo político feminista de Recife-PE. Doutorado em Ciências Sociais – área de gênero –, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Unicamp, 2007.

BROWNER, Carole. Situating women’s reproductive activities. American Anthropologist 102(4), 2000, pp.773-788.

BROWNER, Carole e SARGENT, Carolyn. Globalization, Reproduction and the State. Duke University Press, [no prelo].

CARSTEN, Janet. Cultures of relateness: new approaches to the study of kinship. Cambridge, Cambridge University Press, 2000.

COLEN, Shellee. “Like a mother to them”: Stratified reproduction and West Indian childcare workers and employers in New York. In: GINSBURG, Faye and RAPP, Rayna. (orgs.) Conceiving the new world order. Berkeley, University of California Press, 1995.

COLLIER, Jane; ROSALDO, Michelle Z. e YANAGISAKO, Silvia. Rethinking the family: some feminist questions. In: THORNE, Barrie e YALOM, Marilyn. (orgs.) Rethinking the family: Some feminist questions.

Boston, Northeastern University Press, 1992.

COSTA, Rosely Gomes. Concepção de filhos, concepções de pai: algumas reflexões sobre reprodução e gênero. Doutorado em Ciências Sociais – área de gênero –, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Unicamp, 2001.

DEBERT, Guita; GREGORI, Maria Filomena e PISCITELLI, Adriana. (orgs.) Gênero e distribuição da justiça: as delegacias de defesa da mulher e a construção das diferenças. Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, Coleção Encontros, 2006.

DUARTE, Luis Fernando D.; HEILBORN, Maria Luiza; LINS DE BARROS, Myriam e PEIXOTO, Clarice. (orgs.) Família e religião. Rio de Janeiro, Contra Capa, 2006.

EDGAR, Don. Globalization and Western bias in family sociology. In: SCOTT, Jackie, TREAS, Judith and RICHARDS, Martin. (orgs.) The Blackwell Companion to the Sociology of Families. Oxford, Blackwell, 2003.

FONSECA, Claudia. De afinidades a coalizões: uma reflexão sobre a transpolinização entre gênero e parentesco em décadas recentes da antropologia. Ilha 5(2), 2004, pp.5-31.

FRANKLIN, Sarah e MCKINNON, Susan. (orgs.) Relative values: reconfiguring kinship studies. Durham & London, Duke University Press, 2001.

GINSBURG, Faye D. e RAPP, Rayna. The politics of reproduction. Annual Review of Anthropology 20, 1991, pp.311-43.

__________. (orgs.) Conceiving the new world order: the global politics of reproduction. Berkeley, University of California Press, 1995.

GROSSI, Miriam; PORTO, Rozeli e TAMANINI, Marlene. (orgs.) Novas tecnologias reprodutivas conceptivas: questões e desafios. Brasília, Letras Livres, 2003.

GROSSI, Miriam e SCHWADE, Elisete. Política e cotidiano: estudos antropológicos sobre gênero, família e sexualidade. Florianópolis, Novas Letras, 2006.

GROSSI, Miriam; UZIEL, Anna Paula; MELLO, Luiz. (orgs.) Conjugalidades, parentalidades e identidades lésbicas, gays e travestis. Rio de Janeiro, Garamond, 2007.

HARAWAY, Donna. Simians, cyborgs, and women: the reinvention of nature. New York/London, Routledge, 1991.

HEILBORN, Maria Luiza; DUARTE, Luiz Fernando Dias; PEIXOTO, Clarice; LINS DE BARROS, Myriam. Sexualidade, família e ethos religioso. Rio de Janeiro, Garamond, 2005.

HOWELL, Signe. Self-conscious kinship: Some contested values in Norwegian transnational adoption. In: FRANKLIN, Sarah e MCKINNON, Susan. (orgs.) Relative values: Reconfiguring kinship studies. Durham, Duke University Pres, 2001.

INHORN, Marcia C. e VAN BALEN, Frank. Infertility around the globe: new thinking on childlessness, gender and reproductive technologies.

Berkeley, University of California Press, 2002.

INHORN, M. C. (ed.) Reproductive Disruptions: Gender, Technology, and Biopolitics in the New Millennium. Oxford & New York, Berghahn Books [in the series Fertility, Reproduction and Sexuality, David Parkin and Soraya Tremayne (eds.), volume 11], 2007.

IVY, Marilyn. Have you seen me? Recovering the inner child in late twentieth-century America. In: STEPHENS, Sharon. (org.) Children and the politics of culture. Princeton, Princeton University Press, 1995.

JASANOFF, Sheila. (ed.) States of Knowledge: The Co-Production of Science and Social Order. London and New York, Routledge, 2004.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1994.

LEINAWEAVER, Jessaca e FONSECA, Claudia. (orgs.) The State and Children’s Fate: Reproduction in Traumatic Times. Childhood: A global journal of child research, vol. xx, 2007.

LUNA, Naara Lucia de. Provetas e clones: teorias da concepção, pessoa e parentesco nas novas tecnologias reprodutivas. Tese de Doutorado, Museu Nacional/UFRJ, 2004.

MEYER, Dagmar E.E. A politização contemporânea da maternidade: construindo um argumento. Gênero, vol. 6, 2006, pp.81-104.

ONG, Aihwa and COLLIER, Stephen J. Global assemblages: technology, politics, and ethics as anthropological problems. Oxford, Blackwell, 2005.

PEIXOTO, Clarice e BOZON, Michel. Apresentação: Comportamentos familiares: resultados e perspectivas. Interseções: Revista de estudos interdisciplinares 3(2), 2001, pp.25-30.

PEIXOTO, Clarice E. e CLAVAIROLLE, Françoise. Envelhecimento, políticas sociais e novas tecnologias. Rio de Janeiro, FGV, 2005.

RAMIREZ-GALVEZ, Martha. Novas tecnologias reprodutivas conceptivas: fabricando a vida, fabricando o futuro. Doutorado em Ciências Sociais – área de gênero –, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/ Unicamp, 2003.

ROSALDO, Michelle. O uso e abuso da antropologia: reflexões sobre o feminismo e o entendimento intercultural. Horizontes Antropológicos, nº1, 1995, pp.11-36.

SCHNEIDER, David. A critique of the study of kinship. Ann Arbor, University of Michigan Press, 1984.

SCHUCH, Patrice. Práticas de Justiça: uma Etnografia do “Campo de Atenção ao Adolescente Infrator” no Rio Grande do Sul depois do Estatuto da Criança e do Adolescente. Doutorado em Antropologia Social, PPGAS/UFRGS, Porto Alegre, 2005.

STACEY, Judith. Brave new families: stories of domestic upheaval in late twentieth-century America. New York, Basic Books, 1990.

STRATHERN, Marilyn. Displacing knowledge: technology and the consequences for kinship. In: GINSBURG, Faye and RAPP, Rayna.

(orgs.) Conceiving the new world order. Berkeley, University of California Press, 1995.

THOMPSON, Charis. In Making parents: the ontological choreography of reproductive technologies. London, MIT Press, 2005.

THORNE, Barrie. Feminism and the family: two decades of thought. In: THORNE, B. e YALOM, M. (orgs.) Rethinking the family: Some feminist questions. Boston, Northeastern University Press, 1992.

UZIEL, Ana Paula. Homossexualidde e adoção. Rio de Janeiro, Garamond, 2007.

VIANNA, Adriana. Limites da menoridade: tutela, família e autoridade em julgamento. Doutorado em Antropologia, Museu Nacional/UFRJ, 2002.

WARD, Martha. Early childbearing: what is the problem and who owns it? In: GINSBURG, Faye and RAPP, Rayna. (orgs.) Conceiving the new world order. Berkeley, University of California Press, 1995.

WESTON, Kath. Families We Choose: Lesbians, Gays, Kinship. New York, Columbia University Press, 1992.

ZELIZER, Viviana A. The purchase of intimacy. Princeton, Princeton Univesity Press, 2005.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Fonseca, C. (2016). Apresentação: de família, reprodução e parentesco: algumas considerações. Cadernos Pagu, (29), 9–35. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644815