A babá de Freud e outras babás

Autores

  • Mariza Corrêa Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Babás/Governantas/Criadas. Freud. Trabalho Doméstico. Migração de Mulheres

Resumo

Depois da publicação das cartas de Freud a Fliess a literatura psicanalítica começou a prestar atenção à babá de Freud e, por consequência, à importância da babá na família ideal dessa literatura. Incluída, na prática, nos modelos explicativos de análise da família burguesa desde o século dezenove, a babá, ainda demasiado presente nas famílias de classe média e alta no Brasil, foi excluída da teoria analítica e continua a por em questão o triângulo “papai-mamãe-filho”.

Abstract

The Freud-Fliess letters attracted attention to Freud’s nanny and also to the role played by nannies in the ideal family of psychoanalytic theory. Included in the models that explained the bourgeois family since the nineteenth century, but excluded by analytic theory, the nanny, ever present in Brazilian upper-class families, still poses a question to the ‘father-mother-infant’ triangle.

Key Words: Nannies-Governesses-Maids, Freud, Domestic Work, Female Migration

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariza Corrêa, Universidade Estadual de Campinas

foi professora do Departamento de Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp durante trinta anos e atualmente é pesquisadora do Pagu/Núcleo de Estudos de Gênero da mesma universidade, no qual coordena um Projeto Temático da Fapesp sobre gênero e corporalidade. Integra o corpo docente da Área de Gênero no Programa de Doutorado em Ciências Sociais da Unicamp. Bolsista do CNPq. Ex-presidente da Associação Brasileira de Antropologia.

Referências

AHBEL-RAPPE, Karin. “I no longer believe”: did Freud abandon the seduction theory? Journal of the American Psychoanalytic Association, 54/1, 2006.

ANDREAS-SALOMÉ, Lou/FREUD, Anna. À l'ombre du pére.

Correspondance, 1919-1937. Paris, Hachette, 2006.

ANZIEU, Didier. A auto-análise de Freud e a descoberta da psicanálise.

Porto Alegre, Artes Médicas, 1989.

AZERÊDO, Sandra. Relações entre empregadas e patroas: a interelação do racismo e sexismo. Psicologia e Sociedade 3(4), 1988.

BERTHELSEN, Detlef. Dia a dia com a família Freud. Depoimentos da governanta Paula Fichtl. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1996.

BORCH-JACOBSEN, Mikkel e SHAMDASANI, Sonu. Le dossier Freud.

Enquête sur l’histoire de la psychanalyse. Paris, Les empêcheurs de penser rond, 2006.

BRANDON, Ruth. The new women and the old men. Love, sex and the woman question. N.Y./London, W.W. Norton & Co., 1990.

CLÉMENT, Catherine e CIXOUS, Hélène. La jeune née. Paris, Union Généraled’Éditions, 1975.

CORRÊA, Mariza. III Relatório ao Projeto Temático “Gênero, corporalidades”, Fapesp, 2007.

_________. O sexo da dominação. Novos Estudos Cebrap (54), 1999.

_________. Sobre a invenção da mulata. cadernos pagu (6/7), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1996.

CREED, Bárbara. “Little Hans” reconsidered: or “the tale of mother’s terrifying widdler”. In: The monstrous-feminine. Film, feminism, psychoanalysis. Londres/N.Y., Routledge, 1993.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.

DE SALVO, Louise. Virginia Woolf. The impact of childhood sexual abuse on her life and work. Boston, Beacon Press, 1989.

EHRENREICH, Barbara e Arlie R.HOCHSCHILD. (eds.) Global woman.

Nannies, maids, and sex workers in the new economy. N.Y., Henry Holt and Company, 2004.

FREUD, Anna. O ego e os mecanismos de defesa. Rio de Janeiro, Editora Civilização Brasileira, 1983.

FREUD, S. Analysis of a phobia in a five-year-old boy (1909), SE vol. X.

________. Minhas teses sobre o papel da sexualidade na etiologia das neuroses (1906), SE vol.VII.

________. Fragment of an analysis of a case of hysteria (1905). The Standard Edition of the Complete Psychological Works of Sigmund Freud. London, The Hogarth Press, vol. VII.

________. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade(1905), SE vol.VII.

________. Psychopathologia da vida cotidiana. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, sdp.

FREUD, S. e BREUER, J. Studies on hysteria. London, Penguin Books, 1974.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Rio de Janeiro, José Olympio editora, 1984 [1933].

GALLOP, Jane. Keys to Dora, em The daughter’s seduction. Feminism and Psychoanalysis. Ithaca, N.Y., Cornell University Press, 1992 [1982].

GILMAN, Sander. The case of Sigmund Freud. Medicine and identity at the fin de siècle. Baltimore, London, The Johns Hopkins University Press, 1993.

GINZBURG, Carlo. Freud, o homem dos lobos e os lobisomens. In: Mitos, emblemas, sinais. Morfologia e história. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

GOODY, Jack. On nannas and nannies. In: Comparative studies in kinship. London, Routledge, 1969.

GRAHAM, Sandra. Proteção e obediência. Criadas e seus patrões no Rio de Janeiro – 1860-1910. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

CORRÊA, M. A babá de Freud e outras babás. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 29, p. 61-90, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644818. Acesso em: 30 out. 2020.