De sogra para nora para sogra: redes de comércio e de família em Moçambique

Autores

  • Marta Jardim Universidade Federal de São Paulo

Palavras-chave:

Etnografia. Família. Hindus. Moçambique. Sograria

Resumo

Levando em conta a perspectiva histórica, examino, neste artigo, a relação entre uma nora e uma sogra hindu numa rede migratória que envolve Diu – Índia, Moçambique, Portugal e Inglaterra. Esta reflexão faz parte de uma pesquisa sobre a família hindu em Moçambique, estabelecendo um diálogo crítico com estudos que analisam a família hindu como o lugar de reserva das marcas identitárias das populações às quais se atribui origem indiana em África. Inspirada na literatura antropológica, que enfatiza a relação entre os sistemas de relação e o tempo, procuro destacar a flexibilidade das hierarquias das quais participam as mulheres casadas indianas no contexto contemporâneo de Moçambique.

Abstract

Taking into account the historical perspective, I examine in this article the relation between a Hindu mother-in-law and her daughter-in-law within a migration network involving Diu (India), Mozambique, Portugal and England. My reflections are part of a research project on Hindu families in Mozambique, aimed at establishing a critical dialogue with those studies that see the Hindu family in Africa as a stronghold of identity for populations thought of as originally Indian. Inspired in the anthropological literature that emphasizes the time dimension of relational systems, I seek to underline, in the context of contemporary Mozambique, the flexibility of hierarchies in which married Indian women participate.

Key Words: Ethnography. Family. Hindus. Mozambique. Sograria

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCRASTRO, Luis Felipe. O trato dos viventes. Formação do Brasil no Atlântico Sul. Sec. XVI e XVII. São Paulo, Cia das Letras, 2000.

BASTOS, Suzana. Identidade nacional, ambivalência e fantasma no discurso colonial português sobre os indianos (Moçambique 1893- 1968). Comunicação ao Congresso Internacional sobre Diásporas Indianas, Lisboa, julho, 2003.

__________; BASTOS, José G. De Moçambique a Portugal: reinterpretações identitárias do hinduísmo em viagem. Lisboa, Fundação Oriente, 2001.

BATISTA, Elisabeth. Entre o mito e o preconceito: a figura feminina na condição de sogra sob os olhares de Fialho de Almeida e Aluísio Azevedo. Comunicação ao VII Congresso Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra, 16-18 de setembro, 2004.

BESTARD, Joan. Parentesco y modernidad. Buenos Aires, Paidós, 1998.

BOURDIEU, P. Le sens pratique. Paris, Minuit, 1980, Cap. “Les usages sociaux de la parenté”.

CHIAPIN, G.; ARAÚJO, G.; WAGNER, A. Sogra-nora: como é a relação entre estas duas mulheres? Psicologia: reflexão e crítica, vol. 11, nº 13, Porto Alegre, PUC, 1998.

CURTIN, Philip D. Bugis, banians and Chinese: Asian traders in the era of the great companies. In: CURTIN, P. Cross- cultural Trade in World history. Cambridge, Cambridge University, 1986.

DAS, Veena. Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.14, nº 40, São Paulo, Anpocs, 1999.

__________. Critical Events: an Anthropological Perspective on Contemporary India. New York, Oxford University Press, 1995.

DEBERT, Guita Grin. A reinvenção da velhice: socialização e processo de reprivatização do envelhecimento. São Paulo, Edusp/FAPESP, 1999.

__________. Pressupostos da reflexão antropológica sobre a velhice. In: DEBERT, G. (org.) Antropologia e Velhice, Textos Didáticos, nº 13, Campinas-SP, IFCH/UNICAMP, 1998.

DUMONT, Louis. Homo Hierarchicus, o sistema de castas e suas implicações. São Paulo, Edusp, 1992.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

FORTES, Meyer. Time and Social Structure and Other Essays. London, Athlone, 1970.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre, UFRGS, 2000.

GALVÃO, Henrique e SELVAGEM, Carlos. Império Ultramarino português.

Monografia do Império. IV Volume. Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1953.

GEFFRAY, Christian. Nem pai, nem mãe. crítica do parentesco, o caso macua. Lisboa, Ndjira, 2000.

__________. A causa das armas: Antropologia da guerra contemporânea em Moçambique. Porto, Afrontamento, 1991.

GOODY, Jack. The developmental cycle in domestic groups. Cambridge, Cambridge University Press, 1971, Cap. “The fission of the domestic groups among the Lodagaba”.

__________. O oriente e o ocidente. (Memórias e Sociedade) Algés, Difel, 1998.

HERZFIELD, M. A antropologia do outro lado do espelho. Difel, São Paulo, 2001.

JARDIM, Marta. Cozinhar, adorar, fazer negócio: um estudo sobre indianos (hindus) em Moçambique. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 2006.

JUNOT, Henri A. Usos e Costumes dos Bantos. Maputo, Arquivo Histórico de Moçambique, 1996, Cap. “A vida da família”.

KOFES, Suely. Mulher, mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas. Campinas, Editora da UNICAMP, 2001.

KUPER, Hilda. Indian people in Natal. Natal, University Press, 1960.

LEACH, E. R. Sistemas Políticos da Alta Birmânia. São Paulo, Editora da USP, 1996.

__________. Aspects of caste in south India, Ceylon and North-west Pakistan. Cambridge, Cambridge University Press, 1969, Cap.

“Introduction: what should we mean by caste?”.

MARRIOT, M. Hindu transactions: diversity without dualism. In: Kapferer, B. (ed.) Transactions and meaning. Philadelfia, 1976.

MAYBURY-LEWIS, B. A sociedade xavante. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1984.

NEWITT, Malyn. História de Moçambique. Lisboa, Europa América, 1997.

PATEL, Vikran; RODRIGUEZ, Merlyn; SOUZA, Nadita de. Gender, poverty and postnatal depression: a study of mother in Goa, Índia. The American Journal of Psychiatry, nº 159, American Psychiatric Association, janeiro de 2002 (http://www.ajp.psychiatryonline.org/cgi/ content/full/159/1/43).

PÉLISSIER, René. História de Moçambique: formação e oposição (1854 – 1918). 2 vols. Estampa, Lisboa, 1994.

PEREIRA LEITE, Joana. Diáspora indiana em Moçambique. Economia Global e Gestão, nº 2, Lisboa, AEDG/ISCPE, 1996.

PEREZ, Rosa M. Reis e intocáveis: um estudo do sistema de castas no noroeste da Índia. Oeiras, Celta, 1994.

PINA CABRAL, João. O homem na família, cinco ensaios de antropologia.

Lisboa, ICS, 2003, Cap. “A pessoa familiar”.

PRUNIER, Gerard. L’Ouganda et la question indienne (1896 – 1972).

Paris, Recherche sur les civilizations, 1990.

RAHEJA, Glória G. The poison in the Gift Ritual Prestation and Dominant caste in a North Indian Village. Chicago, The University of Chicago, 1998.

RITA-FERREIRA, Antônio. Moçambique e os naturais da Índia Portuguesa.

II Seminário Internacional de História Portuguesa, Actas, Lisboa, CDU, 1985.

SEEGER, Anthony. Os índios e nós: estudo sobre sociedades tribais brasileiras. Rio de Janeiro, Campus, 1980, Cap. “Os velhos nas sociedades tribais”.

SHAH, A. M. The family in India: critical essays. Hyderabad, Orient Longman, 1998.

SRINIVAS, M. N. Caste in modern India and other essays. London, Asia, 1970.

TEIXEIRA, Cândido. Inhambane: o museu regional e a comunidade hindu. V Encontro de museus de países e comunidades de língua portuguesa, Maputo, 2000.

THOMAZ, Omar R. Entre inimigos e traidores: suspeitas e acusações no processo de formação nacional no Sul de Moçambique. Travessias, vols. 4/5, Lisboa, ICS, 2004.

__________. Forasteiros e Nativos: A construção social da autoctonia e a excepcionalização da territorialidade. Indianos em Moçambique e Mulatos no Haiti. Projeto de Pesquisa, Cebrap, São Paulo, 2001.

VELKOFF, Victoria A.; Adlakha, Arjun. Women’s health in Índia. (Women of the World, The official statistics). US. Department of Commerce Economics and Statistics Administration, Bureau of the census, 1998.

VERTOVEC, S. The hindu diaspora. Comparative patterns. Londres/Nova York, Routledge, 2000.

WEBER, Max Ensaios sobre sociologia da religião. 2 vols. Espanha, Taurus, 1987 [1921].

ZAMPARONI, Valdemir. Entre narros e mulungos: colonialismo e paisagem social em Lourenço Marques c. 1890-1940. Tese de Doutorado em História Social, São Paulo, FFLCH/USP, 1998.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

JARDIM, M. De sogra para nora para sogra: redes de comércio e de família em Moçambique. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 29, p. 139–170, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644822. Acesso em: 8 dez. 2021.