De uma morada à outra: processos de re-coabitação entre as gerações

Autores

  • Clarice Ehlers Peixoto Universidade Estadual do Rio de Janeiro
  • Gleice Mattos Luz Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Deslocamentos Habitacionais. Coabitação. Relações Intergeracionais

Resumo

Desemprego, divórcio, viuvez, filhos que não saem nunca da casa dos pais são as razões que explicam porque, no Brasil, as gerações mais velhas coabitam cada vez mais com as mais jovens. Retornar para a casa familiar, ou ir morar na casa de um(a) filho(a) introduz uma nova dinâmica na organização doméstica: a reorganização do espaço – abrir, criar lugares para receber o novo(s) membro(s); a adaptação das regras, horários e tarefas às necessidades e atividades de cada um, e do grupo em particular. Morar com três ou quatro gerações implica em uma contribuição material e financeira, mas, também, em um suporte moral e afetivo no apoio logístico do cotidiano doméstico. A vida em comum só é possível se existir este circuito de reciprocidades, senão a coabitação pode quebrar a harmonia familiar e tornar-se violenta

Abstract

Unemployment, divorce, widowhood, children who never leave their parents' house, these are the reasons that explain why the older generations in Brazil cohabit with the younger generations more than before. Returning to one’s parents’ house, or moving to the children's house introduces a new dynamic into the domestic organization: the reorganization of space - the creation of places to receive new family members; the adaptation of rules, schedules and tasks, to the necessities and activities of each member and to the group's in particular. Living with three or four generations implies a material contribution as well as emotional and moral support for the logistics of daily domestic life. Living together is only possible when there is a circuit of reciprocities; otherwise, cohabitation can provoke violent rupture in the family’s harmony.

Key Words: Habitational Displacements, Cohabitation, Intergenerational Relations

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarice Ehlers Peixoto, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1988) e doutora em Antropologia Social e Visual pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (1993). Profa. Associada do Instituto de Ciências Sociais, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atua nas áreas de Antropologia do Envelhecimento, Antropologia da Família & Gerações, Antropologia Visual & Metodologia Audiovisual. Presidiu o Prêmio Pierre Verger/ABA de 2002 e foi Coordenadora do Comitê de Antropologia Visual/CAV-ABA (2008-2010), tendo organizado o Concurso Pierre Verger de 2010. Membro do Grupo Assessor do CAV/ABA (2010-2012).

Referências

ALVES, Andréa Moraes. A Construção social da violência contra os idosos. Textos sobre Envelhecimento, ano 3, nº 6, Unati/UERJ, 2001, pp.9-31.

ATTIAS-DONFUT, Claudine; SEGALEN, Martine e LAPIERRE, Nicole. Le nouvel esprit de famille. Paris, Odile Jacob, 2002.

ATTIAS-DONFUT, C. Transferts publics et transferts privés entre générations. In: ATTIAS-DONFUT, C. (org.) Les Solidarités entre Générations: Vieillesse, Familles, État. Paris, Nathan, 1995.

BEAUJOUAN, Cécile. Tempo familiar e tempo individual entre desempregados. In: PEIXOTO, Clarice, SINGLY, François e CICCHELLI, Vincenzo. (orgs.) Família e Individualização. Rio de Janeiro, FGV, 2000.

CAMARANO, Ana Amélia e GHAOURI, Solange K. Família com Idosos: Ninhos Vazios? Texto para Discussão, nº 950, IPEA, 2003.

CAMARANO, Ana Amélia. Muito Além dos 60: os novos idosos brasileiros.

Rio de Janeiro, IPEA, 1999.

DEBERT, Guita Grin. Jornal da Unicamp, 4-10 de agosto de 2003.

IBGE. Indicadores Sociais, 2003.

JASPARD, Maryse. Violence et maltraitance? Le poids des mots et des chiffres. Gérontologie et Société, n° 92, 2000, pp.11-28.

LETRAIT, M. L’utilisation par les chômeurs du temps libéré par l’absence d’emploi. Économie et Statistique, nºs 352-353, Paris, 2002.

MINAYO, Maria Cecília. Violência contra idosos: relevância para um velho problema. Cadernos de Saúde Pública 19(3), Rio de Janeiro, maijun, 2003, pp.783-791.

NEZOSI, Gilles. Quelques éclairages sur les conséquences du chômage sur la famille. Recherches et Prévisions – Chômage et famille, nº 60, Paris, CNAF, 2000.

PASIONATO, Maria Tereza; CAMARANO, Ana Amélia; MACHADO, Laura.

Idosos Vítimas de Maus-Tratos Domésticos: Estudo Exploratório das Informações dos Serviços de Denúncia. Trabalho apresentado no XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Caxambú (MG), setembro de 2004.

PEIXOTO, Clarice. Solidariedade familiar intergeracional. In: ARAÚJO, Clara e SCALON, Celi. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro, FGV, 2005, pp.225-240.

PEIXOTO, Clarice. Aposentadoria: retorno ao trabalho e solidariedade familiar. In: PEIXOTO, Clarice. (org.) Família e Envelhecimento. Rio de Janeiro, ed. FGV, 2004.

PEIXOTO, Clarice e BOZON, Michel. Comportamentos Familiares: resultados e perspectivas. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, n° 2, dossiê Análises Contemporâneas sobre os Comportamentos Familiares, Rio de Janeiro, UERJ, 2001.

SARTI, Cynthia A. Família e Individualidade: um problema moderno. In: CARVALHO, Maria do Carmo B. (org.) A Família Contemporânea em Debate. São Paulo, EDUC, 1995.

SINGLY, François de. Sociologia da família contemporânea. Rio de Janeiro, FGV, 2007.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

PEIXOTO, C. E.; LUZ, G. M. De uma morada à outra: processos de re-coabitação entre as gerações. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 29, p. 171–191, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644823. Acesso em: 8 dez. 2021.