Ceres, as mulheres e o sertão. Representações sobre o feminino e a agricultura brasileira na primeira metade do século XX

Autores

  • Graciela de Souza Oliver Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

História das Ciências Agrícolas. História da Agricultura. Engenheiras Agrônomas

Resumo

Em quatro escolas superiores de agricultura estudadas o percentual de mulheres no corpo discente ou no corpo docente é estatisticamente desprezível nas décadas de 1930 e 1940. Apesar disso, do ponto de vista dos estudos de gênero e da história das ciências, é importante compreender essa presença para entender e reconhecer o papel das mulheres na sociedade e em particular no meio científico. Nosso propósito não foi o de realizar um balanço aprofundado sobre a carreira seguida pelas engenheiras agrônomas. Outrossim, reunimos o que falavam sobre elas as poesias, os ofícios, algumas fotos e figuras, relacionando essas representações ao processo de institucionalização das ciências agrícolas no Brasil no período.

Abstract

Our research on the historical trajectory of four Brazilian agricultural schools in the thirties and forties of the twentieth century does not show a significant number of women in the profession. Nevertheless, rethinking these data, inspired by the history of science and gender studies, it is possible to understand the meanings, and the role played of those women within society, and in the scientific milieu. We collected and analyzed speeches, poetry, official documents, images, and photos, which led to a reflection on these representations, as well as the process of institutionalization of agricultural science.

Key Words: History of Agricultural Science. History of Agriculture. Women Agronomists

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graciela de Souza Oliver, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Campinas (1998), mestrado em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (2001), doutorado em Ensino e História de Ciências da Terra pela Universidade Estadual de Campinas (2005) e Pós-doutorado em História na Universidade Federal de Minas Gerais (2006-2010). Atualmente é docente da Universidade Federal do ABC (UFABC), onde é docente permanente da Pós-graduação em Ensino, História, Filosofia de Ciências e Matemática. Tem experiência em História das Ciências e da Tecnologia, Ciência & Público e Ciência, Tecnologia e Sociedade. 

Referências

ARRUDA, Gilmar. Cidades e sertões: entre a história e a memória. BauruSP, EDUSC, 2000.

BESSE, Susan K. Modernizando a Desigualdade: Reestruturação da Ideologia de Gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo, EDUSP, 1999.

BLOCH, Pedro. Vida e Obra de Costa Lima. Col. Vultos da Ciência 1. Rio de Janeiro, CNPq, 1968.

BORGES, J. M., SABIONI, G. S. e MAGALHÃES, G. F. P. (eds.) A Universidade Federal de Viçosa no século XX. Viçosa-MG, UFV/ Impr. Univ., 2000.

BRITO, Letícia D. No tempo de minha mãe, Salvador – Bahia. Salvador, Casa de Cerimonial e Museu/Fundação Cultural do Estado da Bahia, 1997 CONFEA. As mulheres da Área Tecnológica da Engenharia, arquitetura e agronomia no Brasil. Uma pesquisa quantitativa e comparativa entre homens e mulheres na área tecnológica da engenharia, arquitetura, agronomia, geologia, meteorologia e geografia. Brasília, Graf. Ed. GS4, 1999.

COSTA, A. S. 50 anos de fitovirologia. In: O Biológico, Biológico, 50 (Supl. Cong. Fitopatol.), São Paulo, 1984, pp. 45-52.

DOMINGUES, Otávio. Obituário de Edmundo Navarro de Andrade.

Boletim da Sociedade Brasileira de Agronomia, dezembro de 1941.

EISENBERG, José. Patriotismo e gênero na tradição do pensamento político moderno: uma genealogia, Revista USP, nº 1, março–maio, 1989, pp.22-35.

JAPIASSÚ, Hilton. O projeto masculino-machista da ciência moderna. In: SOARES, L. C. (org.) Da Revolução Científica à Big Science. São Paulo, Hucitec/EDUFF, 2001, pp.67-104.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro, Revan, IUPERJ/UCAM, 1999.

LOPES. Maria Margaret. Aventureiras nas ciências. Refletindo sobre Gênero e História das Ciências Naturais no Brasil. cadernos pagu (10), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1998, pp.345- 368.

LOVE, Joseph. A locomotiva. São Paulo na Federação Brasileira, 1889- 1930. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

MARQUES, Antonio Nonato. A Poesia era uma festa. Salvador, GRAPH Co Editora, 1994.

MENDONÇA, Sonia Regina. Agronomia e Poder no Brasil. Rio de Janeiro, Vício de Leitura, 1998.

MOREIRA, Maria de Fátima Salum. Mulher, Casamento e Amor: Reordenamentos Sociais nas décadas iniciais do Século XX. In: SAMARA, E. M. Historiografia Brasileira em Debate: “olhares, recortes e tendências”. São Paulo, Humanitas/FFLCH/USP, 2002, pp.259- 286.

OLIVER, Graciela de S. O papel das escolas superiores de agricultura na institucionalização das ciências agrícolas, 1930 e 1950: práticas acadêmicas, currículos e formação profissional. Tese de Doutorado, IG/UNICAMP, Campinas, 2005.

ORTNER, Sherry B. Está a mulher para o Homem assim como a natureza para a cultura. In: ZIMBALIST, M.; LAMPHERE, R. L (coords.) A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979, pp.95- 120.

PASSOS, Elizete. Entre a autoridade e o afeto: Anfrísia Santiago e a Educação Feminina na Bahia. In: SARDENBERG et alli (orgs). Fazendo Gênero na Historiografia Baiana. Salvador, NEIM/UFBA, 2001, pp.105-118.

QUEIROZ, Eça de. As cidades e as serras. Rio de Janeiro, Edições de Ouro, nº 477, s/d.

RAMOS FILHO, Luiz Octavio. O papel da pesquisa cientifica e tecnológica no desenvolvimento da citricultura paulista: analise histórica da atuação do Instituto Agronômico de Campinas (1920-1960).

Dissertação de mestrado do DPCT/IG/UNICAMP, Campinas, 1999.

ROMERO, José P. ESALQ Centenária. Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, notáveis, docentes e filhos nobres. São Paulo, Ceres, 2001.

ROSENBERG, Fúlvia. Políticas educacionais e gênero: um balanço dos anos 1990. cadernos pagu (16), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2002, pp. 151-198.

SANCHEZ, J. R. e EGIDIO. V. F. Psicologia General. Madrid, Hernando, 1927.

SCHIEBINGER, Londa. Cuando la Ciencia era mujer. In: ORDÓNEZ, Javier e ELENA, Alberto. (comps.) La ciencia y su público: perspectivas históricas. Estudios sobre la ciencia, nº 12, Madrid, Consejo Superior de Investigaciones Científicas, 1990, pp.71-111.

STEFANO, Waldir. Relações entre a eugenia e a genética mendeliana no Brasil: Otávio Domingues. In: MARTINS, R. A., MARTINS, L. A. C., SILVA, C. C., FERREIRA, J. M. H. (eds.) Anais do terceiro encontro de filosofia e história da ciência no Cone Sul. Campinas, AFHIC, 2004, pp.486-495.

TORRES FILHO. Aptidões profissionais. Agronomia, vol. 4, agosto-outubro, 1942.

TRONCA, Ítalo Arnaldo. A questão do Imaginário na prática do Historiador. In: D’AMBROSIO, Ubiratan. (org.) Anais do segundo Congresso latino Americano de História da Ciência e da tecnologia.

São Paulo, Nova Estella, 1988, pp.275-277.

VAITSMAN, Jeni. Flexíveis e Plurais. Identidade, casamento e família em circunstâncias pós-moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1994.

VEIGA, Augusto César. As novas diretrizes profissionais e o eterno sonho da abastança popular. Agronomia, vol. 1(2), fevereiro-abril, 1942.

VIEIRA, Clibas. O feijão e eu: memórias de um ex-aluno da ESAV.

Viçosa-MG, Imprensa Universitária, 1996.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Oliver, G. de S. (2016). Ceres, as mulheres e o sertão. Representações sobre o feminino e a agricultura brasileira na primeira metade do século XX. Cadernos Pagu, (29), 365–397. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644833