Trabalho forçado, tráfico de pessoas e gênero: algumas reflexões

  • Marcia Vasconcelos Escritório da Organização Internacional do Trabalho no Brasil.
  • Andréa Bolzon Escritório da Organização Internacional do Trabalho no Brasil
Palavras-chave: Trabalho Forçado. Trabalho Escravo. Exploração Sexual Comercial. Tráfico de Pessoas. Migração. Contrabando de Migrantes

Resumo

O cerne do conceito de tráfico de pessoas, estabelecido no Protocolo de Palermo, apóia-se na noção de exploração. Visando contribuir ao esclarecimento dessa noção, o texto propõe uma abordagem do tráfico de pessoas como uma questão do mundo do trabalho e utiliza o conceito de trabalho forçado, cunhado em convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), sempre considerando sua interface com as dimensões de gênero e com aspectos de oferta e demanda de mão-de-obra que orientam os fluxos migratórios.

Abstract

The core of the concept of trafficking in persons, defined in the Palermo Protocol, is based on the notion of exploitation. This text approaches trafficking in persons as a labor issue with a view to helping clarify this notion. The forced labor concept, formulated by the International Labor Organization, supports this discussion. This concept is considered in its dialog with gender dimensions and with the supply-demand aspects that steer migratory movements.

Key Words: Forced Labour, Slave Labor, Commercial-Sexual Exploitation, Trafficking in Persons, Migration, Smuggling of Migrants

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRAIDOTTI, Rosi. A Política da Diferença Ontológica. In: BRENNAN, Tereza. (org.) Para Além do Falo: uma crítica a Lacan do ponto de vista da mulher. Rio de Janeiro, Record/Rosa dos Tempos, 1997.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, civilização brasileira, 2003.

CASTILHO, Ela Wiecko V. Tráfico de pessoas: da Convenção de Genebra ao Protocolo de Palermo. In: BRASIL. SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA. Política nacional de enfrentamento ao tráfico de pessoas.

Brasília-DF, SNJ, 2008.

COSTA, Patricia. O Combate ao Trabalho Escravo no Brasil. Estudo de caso elaborado a pedido do escritório da OIT no Brasil. Mimeo., Brasília, 2008.

DANAILOVA-TRAINOR, Gergana. Globalization and the illicit market for human trafficking: an empirical analysis of supply and demand.

Geneva, International Labour Office, 2006 (Working Paper, nº 53).

LIM, Lin Lean. The sex sector: The economic and social bases of prostitution in Southeast Asia. Geneva, International Labour Office, 1998.

MELO, Luiz. Antônio Camargo. Atuação do Ministério Público do Trabalho no Combate ao Trabalho Escravo – crimes contra a organização do trabalho e demais crimes conexos. In: Possibilidades Jurídicas de Combate à Escravidão Contemporânea. Brasília-DF, Escritório da OIT no Brasil, 2007.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Tendencias mundiales del empleo – 2008. Geneva, International Labour Office, 2008.

__________. Panorama laboral 2007: América Latina y el Caribe. Lima, OIT/Oficina Regional para América Latina y el Caribe, 2007a.

__________. Declaração da OIT sobre os princípios e direitos fundamentais no trabalho e seu seguimento – Adotada durante a Conferência Internacional do Trabalho na 86ª reunião, Genebra, 18 de junho de 1998. Brasília, Organização Internacional do Trabalho, 2007b.

__________. Uma aliança global contra o trabalho forçado. Relatório Global do seguimento da Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho – 2005. Conferência Internacional do Trabalho, 93ª Reunião 2005. Relatório I (B).

Genebra, Secretaria Internacional do Trabalho, 2005.

__________. Relatório Global do seguimento da Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho – 2001.

Conferência Internacional do Trabalho, 89ª Reunião 2001. Relatório I (B). Genebra, Secretaria Internacional do Trabalho, 2001.

PISCITELLI, Adriana. Tráfico internacional de pessoas e tráfico de migrantes entre deportados(as) e não admitidos(as) que regressam ao Brasil via o aeroporto internacional de São Paulo. Brasília-DF, Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça/Organização Internacional do Trabalho, 2007 (Pesquisas em Tráfico de Pessoas, Parte 3).

SEGATO, Rita. Os percursos do gênero na antropologia e para além dela.

Sociedade e Estado, vol. XII, n° 2, julho-dezembro, 1997.

SUÁREZ, Mireya. Gênero: uma palavra para desconstruir idéias e um conceito empírico e analítico. Trabalho apresentado no I Encontro de Intercêmbio de Experiências do Fundo de Gênero no Brasil. Projeto Fundo para a Eqüidade de Gênero. Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional, Campinas-SP, 26-27 de agosto de 1999.

TARAN, Patrick A. e CHAMMARTIN, Gloria Moreno-Fontes. Getting at the Roots: stopping exploitation of migrant workers by organized crime.

Geneva, ILO/International Migration Programme, 2003.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Vasconcelos, M., & Bolzon, A. (2016). Trabalho forçado, tráfico de pessoas e gênero: algumas reflexões. Cadernos Pagu, (31), 65-87. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644872
Seção
Dossiê