Mulheres no Tráfico de Pessoas: vítimas e agressoras

  • Thaís Dumêt Faria Universidade de Brasília
Palavras-chave: Mulher. Criminologia. Tráfico de Pessoas. Estereótipos

Resumo

A Criminologia Positivista no Brasil contribuiu para a criação e fortalecimento de estereótipos que influenciam as relações sociais atuais. A Criminologia, enquanto ciência, fortaleceu a idéia do que se chamou “ideal feminino”, ou seja, comportamentos padrões que seriam “naturais” e esperados para as mulheres. Um dos temas que mais chamavam a atenção era a sexualidade, o que criou padrões rigídos e preconceitos que perduram até os dias atuais. Esse é um dos motivos que faz com que as mulheres, hoje, vítimas do tráfico para fins de exploração sexual sejam vistas como agressoras e não sejam merecedoras de um tratamento digno e adequado

Abstract

The Positivist Criminology in Brazil, contributed to the creation and strengthening of stereotypes that influence recent social relations. Criminology, as a science, strengthened the idea called “feminine ideal”, being, standard behaviors, considered “natural” and expected to women. One of the issues that drew most attention was sexuality, which created rough standards and prejudices that persists until nowadays. This is a reason for the women today, victims of trafficking in persons for sexual exploitation means, to be seen as aggressors and not worthy of a dignified and appropriate treatment.

Key Words: Women, Criminology, Trafficking in Persons, Stereotypes

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Dumêt Faria, Universidade de Brasília
Possui graduação em Direito pela Universidade Católica do Salvador (1998), mestrado em Direito pela Universidade de Brasília (2007) e doutorado pela Universidade de Brasilia em Direito (2013). Oficial de Programação da Organização Internacional do Trabalho. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Penal, atuando principalmente nos seguintes temas: história do direito, criminologia, gênero, criança e adolescente, tráfico de seres humanos, direitos humanos, violência sexual. Possui experiência em áreas correlatas como Promoção do Trabalho Decente, migração, juventude.

Referências

ANDRADE, Vera Regina. A ilusão de segurança jurídica: do controle da violência à violência do controle penal. Porto Alegre, Livraria do Advogado, 2003a.

_________. Sistema penal máximo X cidadania mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre, Livraria do Advogado, 2003b.

ALVAREZ, Marcos Cezar. Bacharéis, criminologistas e juristas: saber jurídico e nova escola penal no Brasil. São Paulo, Método, 2003.

ARAÚJO, Emanuel. A Arte da Sedução: Sexualidade Feminina na Colônia. In: PRIORE, Mary Del. (org.) História das Mulheres no Brasil.

São Paulo, Contexto, 2007.

BATISTA, Nilo. Introdução crítica ao direito penal brasileiro. Rio de Janeiro, Revan, 2004a.

_________. Novas tendências do direito penal. Rio de Janeiro, Revan, 2004b.

CALEIRO, Regina Célia Lima. História e Crime: quando a mulher é ré – Franca 1890-1940. Montes Claros, Unimontes, 2002.

CASTRO, Livio de. A Mulher e a Sociogenia. 1887.

COSTA, Jurandyr Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2004.

DARMON, Pierre. Médicos e assassinos na “Belle Époque”: a medicalização do crime. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991 [Trad.: Regina Grisse de Agostinho].

DEL OLMO, Rosa. A América Latina e sua criminologia. Rio de Janeiro, Revan, 2004 [Trad.: Francisco Eduardo Pizzolante e Sylvia Moretzsohn].

FARIA, Thaís Dumêt. A festa das cadernetas: o conselho penitenciário da Bahia e as teorias criminológicas brasileiras no início do século XX.

Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, 2007.

JAY GOULD, Stephen. A falsa medida do homem. São Paulo, Martins Fontes, 2003 [Trad.: Luís Carlos Borges].

LEMGRUBER, Júlia. Cemitério dos Vivos. Rio de Janeiro, Ed. Forense, 1999.

LIMA, Estácio de. Inversão sexual feminina. Bahia, Livraria Científica, 1934.

LIMA, Paulo Marco Ferreira. A Mulher Delinqüente – Algumas Perguntas e Algumas Considerações. In: REALE JÚNIOR, Miguel e PASCHOAL, Janaina. (coords.) Mulher e Direito Penal. Rio de Janeiro, Forense, 2007.

LOMBROSO, César. O homem delinqüente. Porto Alegre, Ricardo Lenz, 2001 [Trad.: Maristela Bleggi Tomasini e Oscar Antonio].

_________ and FERRERO, Guglielmo. Criminal Woman, the Prostitute, and the Normal Woman. Durham, Duke University, 2004 [Translated by Nicole Hahn Rafter and Mary Gibson].

_________ and FERRERO, William. The Female Offender. Colorado, Fred B. Rothman & Co, 1980.

PABLOS DE MOLINA, Antônio Garcia. Criminologia. São Paulo, Revista dos Tribunais, 1992 [Trad.: Luis Flávio Gomes].

PEIXOTO, Afrânio. Criminologia. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1933.

RAUTER, Cristina. Criminologia e subjetividade no Brasil. Rio de Janeiro, Revan, 2003.

SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2004.

STEPAN, Nancy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2005 [Trad. Paulo M.

Garchet].

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Faria, T. D. (2016). Mulheres no Tráfico de Pessoas: vítimas e agressoras. Cadernos Pagu, (31), 151-172. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644876
Seção
Dossiê