A construção da masculinidade e a banalidade do mal: outros aspectos do trabalho escravo contemporâneo

  • Patrícia Trindade Maranhão Costa Universidade de Brasília
Palavras-chave: Escravidão Contemporânea. Masculinidade. Banalidade do Mal

Resumo

O texto estimula a discussão e a reflexão sobre outros aspectos que envolvem a escravidão contemporânea no Brasil: o processo de construção da masculinidade que permeia a partida dos jovens trabalhadores rurais que acabam enredados no endividamento progressivo e, paralelo a este, o processo de desenraizamento social, que apaga os laços com a família deixada para trás e com os lugares de origem desses jovens trabalhadores. Isso acentua sua vulnerabilidade e contribui para que suas vidas sejam destituídas de valor político e importância social.

Abstract

The text stimulates a reflection and discussion about other aspects concerning contemporary slavery in Brazil: the process of constructing masculinity carried out by young male rural workers who leave their family home to search for work and run into debt, together with the process of social uprooting that eliminates links with the family left behind and with the place of origin of these young men. Those processes increase their vulnerability and contribute to making their lives devoid of political value and social importance.

Key Words: Contemporary Slavery, Masculinity, Banality of Evil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Trindade Maranhão Costa, Universidade de Brasília
Patrícia Trindade Maranhão Costa tem realizado trabalhos e pesquisa sobre escravidão contemporânea e trabalho decente. No âmbito acadêmico as pesquisas têm sido realizadas enquanto bolsista de pós-doutorado no exterior do CNPq no Centre Interuniversitaire d'Études sur les Lettres, les Arts et les Traditions (CELAT) da Université Laval em Quebec, Canadá, e como pesquisadora associada do Labaratório de História Oral e Imagem (LABHOI) da Universidade Federal Fluminense. Profissionalmente, tem atuado no tema a partir de consultorias realizadas para a Organização Internacional do Trabalho (OIT) e o Sindicato Nacional de Auditores Fiscais do Trabalho (SINAIT)

Referências

AGABEM, Giorgio. Homo Sacer: O poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2002.

BIGNOTO, Newtom & MORAES, Eduardo Jardim. (orgs.) Hannah Arendt: Diálogos, reflexões, memórias. Belo Horizonte, Ed. da UFMG, 2003.

COSTA, Patrícia Trindade Maranhão. As Raízes da Congada: A renovação do presente pelos Filhos do Rosário. Tese de Doutorado.

Antropologia Social, UnB, 2006.

FIGUEIRA, Ricardo Rezende. Pisando Fora da Própria Sombra. A escravidão por dívida no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2004.

MACHADO, Lia Zanotta. Sexo, Estupro e Purificação. Série Antropologia (286), Brasília, Departamento de Antropologia/UnB, 2000, pp.1-38.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: A degradação do outro nos confins do humano. São Paulo, HUCITEC, 1997.

MELO, Luís Antônio Camargo. Atuação do Ministério Público do trabalho no Combate ao Trabalho escravo - crimes contra a organização do trabalho e demais crimes conexos. In: Possibilidades Jurídicas de Combate à Escravidão Contemporânea. Brasília, OIT, 2007.

NEPOMUCENO, Eric. O massacre - Eldorado dos Carajás: uma história de impunidade. São Paulo, Editora Planeta Brasil, 2007.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Ações Brasileiras no Combate ao Trabalho Escravo. Estudo realizado por Patrícia Trindade Maranhão Costa com a colaboração de Aline Thomé Arruda. OIT-Brasil, no prelo.

Relatório Global do Seguimento da Declaração da OIT sobre Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Uma Aliança Global Contra o Trabalho Forçado. Genebra, Secretaria Internacional do Trabalho, Conferência Internacional do Trabalho, 93ª Reunião, 2005.

SUÁREZ, Mireya. Comunicação oral em agosto de 2008.

WOORTMANN, Klaas. Com Parente Não se Neguceia. Anuário Antropológico/87, Rio de Janeiro, Editora Tempo Brasileiro, 1990.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Costa, P. T. M. (2016). A construção da masculinidade e a banalidade do mal: outros aspectos do trabalho escravo contemporâneo. Cadernos Pagu, (31), 173-198. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644877
Seção
Dossiê