L’Italia dei Divieti: entre o sonho de ser européia e o babado da prostituição

  • Flávia do Bonsucesso Teixeira Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Travestis. Migração. Prostituição.Tráfico de Pessoas

Resumo

O sonho do deslocamento entre Brasil-Europa pode ser encontrado de forma recorrente na bibliografia sobre a temática travesti. As modificações relativas ao tráfico de pessoas realizadas no Código Penal brasileiro, em 2005, possibilitam diversas interpretações para os termos facilitar e facilitação, criminalizando ações que, para este grupo, se constituíam, até então, como formas de sociabilidades. Argumento que o não reconhecimento da prostituição como um trabalho distancia essas travestis de outras brasileiras que trabalham indocumentadas, potencializando o envolvimento destas em situações de vulnerabilidade.

Abstract

The dream of traveling between Brazil and Europe is easy to find in the referential bibliography about transvestites. The changes related to the trafficking in persons, in the Brazilian penal code in 2005, show how different interpretations of the terminology “facilitate” and “facilitation” made a strong impact on transvestites’ lives, criminalizing some practices of this group that had in fact been part of their sociability. I argue that the unrecognized position of prostitution as legal work creates a substantial gap between the transvestites and the other illegal Brazilian workers, which leads them into potentially vulnerable situations.

Key Words: Transvestites, Migration, Prostitution, Trafficking in Persons

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia do Bonsucesso Teixeira, Universidade Federal de Uberlândia
Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2009), é professora adjunta da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia, desenvolveu pesquisa de pós-doutorado sobre conjugalidade e migrações de travestis para a Itália na Università degli Studi di Milano financiado pelo Progetto Ateneo-UniALA e Fondazione Cariplo. Tem atuado principalmente nos seguintes temas: gênero, sexualidade, prostituição, migrações e conjugalidades. Integrante da rede de trabalho sobre gênero, migrações e tráfico de pessoas do PAGU/Unicamp. Realiza estágio pos-doutoramento no Nucleo de Estudos de Gênero PAGU/Unicamp com a temática migração, gênero e saúde sob a supervisão da professora Adriana Gracia Piscitelli.

Referências

ASSIS, G. O. Mulheres migrantes no passado e no presente: gênero, redes sociais e migração internacional. Estudos Feministas, 15(3), Florianópolis, 2007.

BENEDETTI, M. Toda Feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro, Garamond, 2005.

BENTO, Berenice. A Reinvenção do Corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro, Garamond, 2006.

DAVIDA. Prostitutas, “traficadas” e pânicos morais: uma análise da produção de fatos em pesquisas sobre o “tráfico de seres humanos”.

Cadernos Pagu (25), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2005, pp.153-184.

FERRAZ, E. A. (coord.) Travestis Profissionais do Sexo: Parcerias do Asfalto – conhecimentos, atitudes e práticas sobre o HIV/Aids em Uberlândia. Rio de Janeiro, BEMFAM, 2006.

JAYME, Juliana Gonzaga. Travestis, transformistas, drag-queens, transexuais: personagens e máscaras no cotidiano de Belo Horizonte e Lisboa. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 1999.

KEMPADOO, Kamala. Mudando o debate sobre o tráfico de mulheres.

Cadernos Pagu (25), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2005, pp.55-78.

KULICK, Don. Travesti: sex, gender and culture among Brazilian transgendered prostitutes. Chicago, The University of Chicago Press, 1998.

__________. Travesti. Protituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Fiocruz, 2008 [Trad.: César Gordon].

OLIVEIRA, Neuza Maria de. Damas de paus: o jogo aberto dos travestis no espelho da mulher. Salvador, Centro Editorial e Didático da UFBA, 1994 PELÚCIO, Larissa. Na noite nem todos os gatos são pardos: Notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu (25), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2005, pp.217-248.

________. Nos Nervos, Na Carne, Na Pele. Uma etnografia sobre prostituição travesti e o modelo preventivo de Aids. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de São Carlos, 2007.

PERES, Wiliam. Subjetividade das travestis brasileiras: da vulnerabilidade da estigmatização à construção da cidadania. Dissertação de Mestrado, Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 2005.

PISCITELLI, Adriana. Entre as “máfias” e a “ajuda”, visões de migrantes brasileiras. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia – ABA, Simpósio Especial: Gênero no marco do tráfico de pessoas e migrantes, Porto Seguro-Bahia, 2008.

__________. Prostituição e Trabalho. In: LIMA, Maria Ednalva Bezera de; COSTA, Ana Alice Alcantara; COSTA, Albertina; ÁVILA, Maria Betania; SOARES, Vera Lúcia. (orgs.) Transformando as relações trabalho e cidadania, produção, reprodução e sexualidade. Salvador, UFBA/FFCH/CUT, vol. 1, 2007a, pp.183-195.

__________. Corporalidade em Confronto: Brasileiras na indústria do sexo na Espanha. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 22, nº 64, 2007b.

__________. Sexo tropical em um país europeu: migração de brasileiras para a Itália no marco do “turismo sexual” internacional. Estudos Feministas, 15(3), Florianópolis, 2007c.

__________. Entre a Praia de Iracema e a União Européia: turismo sexual internacional e migração feminina. In: PISCITELLI, A. et alii.

Sexualidades e Saberes, Convenções e Fronteiras. Rio de Janeiro, Garamond, 2004.

RODRIGUES, Marlene Teixeira. O Sistema de Justiça Criminal e a Prostituição no Brasil Contemporâneo: administração de conflitos, discriminação e exclusão. Sociedade e Estado, vol. 19, nº 1, Brasília, 2004, pp.121-150.

SILVA, H. R. S. Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro, Relume-Dumará/Iser, 1993.

__________. Travesti: entre o espelho e a rua. Rio de Janeiro:, Rocco, 2007.

SIQUEIRA, M. S. Sou Senhora: um estudo antropológico sobre travestis na velhice. Dissertação de Mestrado, Programa de Antropologia, Universidade Federal de Santa Cantarina, 2004.

WOLFF, Cristina S.; PEDRO, Joana Maria. Gênero e migrações na história entre Brasil e Itália: uma entrevista com Chiara Vangelista. Estudos Feministas, 15(3), Florianópolis, 2007.

Documentos consultados CECRIA. Tráfico de Mulheres, crianças e adolescentes para fins de exploração sexual no Brasil. Relatório Final de Projeto de Pesquisa (PESTRAF), Brasília, 2002. http://www.cecria.org.br/pub/livro _pestraf_portugues.pdf.

SECRETARIA INTERNACIONAL DO TRABALHO. Tráfico de pessoas para fins de exploração sexual. Brasília, OIT, 2006.

SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA. Indícios de tráfico de pessoas no universo de deportadas e não admitidas que regressam ao Brasil via aeroporto de Guarulhos. Pesquisas em tráfico de pessoas, parte 2, Brasília, 2006 (coord. técnica: Adriana Piscitelli).

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Trabalho digno-trabalho em segurança-VIH/sida. Relatório do BIT para o dia mundial da segurança e saúde no trabalho, 2006. http://www.ishst.pt/ downloads/content/Brochura_OIT_2006.pdf SECRETARIA NACIONAL DE JUSTIÇA/ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Tráfico Internacional de Pessoas e Tráfico de Migrantes entre Deportados(as) e não Admitidos(as) que Regressam ao Brasil via o Aeroporto Internacional de São Paulo, Brasília, 2007.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Teixeira, F. do B. (2016). L’Italia dei Divieti: entre o sonho de ser européia e o babado da prostituição. Cadernos Pagu, (31), 275-308. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644882
Seção
Dossiê