Corpos fragmentados e domesticados na reprodução assistida

  • Martha Ramírez-Gálvez Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Reprodução Assistida. Biotecnologia. Reprodução Humana. Consumo de Tecnologias. Família

Resumo

Este artigo analisa os mecanismos de produção de sentido da infertilidade e dos novos modos de produção da vida, mediante o uso de tecnologias reprodutivas conceptivas. Destacam-se os pressupostos normativos de maternidade e/ou reprodução, assim como a relação do surgimento e configuração deste campo como um empreendimento contemporâneo de mercantilização e consumo de biotecnologias. O progresso científico, neste caso, é incorporado na figura do tecno-embrião, ligado à fetichização do gene e à afirmação de valores tradicionais associados à família consangüínea

Abstract

This article analyzes the mechanisms of the production of the sense of infertility and of the new modes of production of life through the use of conceptive reproductive technologies. The normative underpinnings of maternity and/or reproduction are highlighted, as well as the emergence and taking shape of this field as a contemporary drive toward the mercantilization and consumption of biotechnology. Scientific progress, in this case, is incorporated into the figure of the techno-embryo, linked to the fetishization of the gene and the assertion of traditional values associated with consanguineous families.

Key Words: Assisted Reproduction, Biotechnology, Human Reproduction, Consumption of Technologies, Family

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Martha Ramírez-Gálvez, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Psicologia - Universidad del Valle (1989), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (1999) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Atualmente é professora adjunta, do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Antropologia, com ênfase em Antropologia e Gênero, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, reprodução, aborto, biotecnologia, reprodução assistida, familia, adoção

Referências

ABDELMASSIH, Roger. Tudo por um bebê. 2ª ed. São Paulo, Globo, 1999.

ALMEIDA, Alexandra. Um novo jeito de ser mãe. Folha de S.Paulo, 26/09/1999, pp.3-8 [Cotidiano].

BARBOSA, Rosana. Desejo de filhos e infertilidade: um estudo sobre a reprodução assistida no Brasil. Tese de Doutorado, Sociologia, Universidade de São Paulo, 1999.

BARROS, José Augusto. A medicalização da mulher no Brasil. In: Wolffers, Ivan; Hardon Anita; Janssen, Janita. O marketing da fertilidade. São Paulo, Hucitec, 1991.

BEBÊ 2000. Fertilização Assistida! A tomada de decisão. Disponível em: http://www.mulher.com.br/colabora/b_2000/fertilização_ assistida.htm [acesso em: 01/08/2001].

BERLINGUER, Giovanni; GARRAFA, Volnei. A mercadoria final: a comercialização de parte do corpo humano. 2ª ed. Brasília, Editora UnB, 2001 [1996] [Tradução: Isabel Regina Augusto].

BOURDIEU, Pierre. Gostos de classe e estilos de vida. In: ORTIZ, Renato.

(org.) Pierre Bourdieu. Coleção Grandes Cientistas. São Paulo, Ática, 1994 [1976].

CARELLI, Gabriela.Tudo por um filho. Com ajuda de casais dispostos a se arriscar, a ciência está vencendo a infertilidade. Veja, Edição 1699, 9 de maio de 2001, pp.108-115.

CARNEIRO, Fernanda; EMERICK, Maria Celeste; ROCHA, Marcos. Genoma Humano: limites ao acesso e uso de gen-tes. In: CARNEIRO, F. e EMERICK, M. C. (orgs.) Limites: a ética e o debate jurídico sobre o acesso e uso do genoma humano. Rio de Janeiro, Ministério da Saúde/Fundação Oswaldo Cruz, 2000.

CENTER FOR HUMAN REPRODUCTION. www. centerforhuman reprod.com [acesso em 16/05/2003].

CHAZAN, Lilian Krakowski. “Meio quilo de gente”: um estudo antropológico sobre ultra-som obstétrico. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2007, (Série Coleção Antropologia e Saúde).

___________. O corpo transparente: um panóptico invertido? Considerações sobre as tecnologias de imagem nas reconfigurações da Pessoa contemporânea. XXVI Encontro Anual da ANPOCS (GT Pessoa e corpo), Caxambu-MG, outubro de 2002.

CLÍNICA E CENTRO DE PESQUISA EM REPRODUÇÃO HUMANA ROGER ABDELMASSIH. Tecnologia em favor da vida. Catálogo, 2000; 2003.

___________. Disponível em: http://www. abdelmassih.com.br/ nossosbebes/index1.html [acesso em: 24/03/2000].

CORRÊA, Marilena. Admirável projeto genoma humano. Physis: Revista de Saúde Coletiva. vol. 12, nº 2, 2002.

___________. Tecnologias reprodutivas. Limites da biologia ou biologia sem limites?. Rio de Janeiro, Editora da UERJ, 2001.

___________. As novas tecnologias reprodutivas: uma revolução a ser assimilada. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 7, nº 1, 1997, pp.69-98.

DIASON. Disponível em: http://www.diason.com.br/default.asp? corpo=medrep&doc=III [acesso em: 18/04/2002].

EBONET. Internet mostra desenvolvimento de bebê de proveta.

Disponível em: www.ebonet.net/canais/verprn.cfm?m_id=3417 [acesso em 18/04/2002].

FINKLER, Kaja. The kin in the gene. The medicalization of family and kinship in american society. Current Anthropology, vol. 42, nº 2, April 2001.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1997 [1988].

___________. Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1996 [1979].

FONSECA, Claudia. A certeza que pariu a dúvida: paternidade e DNA.

Estudos Feministas 12(2), Florianópolis, maio-agosto 2004, pp.13-34.

___________. A vingança de Capitu: DNA, escolha e destino na família brasileira. In: BRUSCHINI, Cristina; UNBEHAUM, Sandra. Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo, Fundação Carlos Chagas/Editoria 34, 2002, pp.269-293.

FRANKLIN, Sarah. Embodied Progress. A cultural account of assisted conception. London and New York, Routledge, 1997.

___________. Postmodern procreation. Representing reproductive practice. Science as Culture, vol. 3, part 4, nº 17, 1993, pp.522-561.

INSTITUTO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. www.ipgo.com.br [acesso em: 01/03/2000].

KIREJCZYK, Marta. Shifting the burden onto women. The gender character of the “in vitro” fertilization. Science as culture, vol. 3, part 4, nº 17, 1993, pp.507-521.

LOPES, J.R.C. et alii. Programa de doação compartilhada de óvulos.

Jornal Brasileiro de Reprodução Assistida, s/d [199-]. Disponível em: http://www.sbra.com.br/artigo3.htm [acesso em: 14/02/2001].

MAINGUENEAU, Dominique. Novas tendências em análise do discurso. 2ª ed., Campinas-SP, Pontes/Editora da Unicamp, 1993.

MANICA, Daniela. Supressão da menstruação. Ginecologistas e laboratórios farmacêuticos re-apresentando natureza e cultura.

Dissertação Mestrado, Antropologia Social, Unicamp, 2003.

MCNEIL, Maureen. New reproductive technologies. Dreams and broken promises. Science as Culture, vol. 3, part 4, nº 17, 1993, pp.483-506.

NELKIN, Dorothy. Commen to: Finkler, Kaja. The kin in the gene. The medicalization of family and kinship in American society. Current Anthropology, vol. 24, nº 2, April 2001.

NELKIN, D.; LINDEE, S. The DNA Mystique: The gene as a cultural icon.

Nova York, W.H. Freeman, 1995.

NOVO MILÊNIO. Clínica de fertilidade mostra imagens na Web. É brasileira a primeira clínica do mundo a oferecer acompanhamento de ciclos de fertilização pela Internet. Disponível em: www.novomilenio.

inf.br/ano02/0202b001.htm [acesso em 24/03/2002].

PETCHESKY, Rosalind. Foetal images: the power of visual culture in the politics of reproduction. In: STANWORTH, Michelle. (ed.) Reproductive technologies. Gender, motherhood and medicine. Cambridge/Oxford (UK), Polity Press/Basil Blackwell, 1988 [1987].

PFEFFER, Naomi. The stork and the syringe. A political history of reproductive medicine. Polity Press, Cambridge, 1993.

RAGONÉ, Helena. Surrogate Motherhood. Conception in the heart.

Boulder (USA), Westview Press, 1994.

RAMÍREZ-GÁLVEZ, Martha Celia. Novas tecnologias reprodutivas conceptivas: Fabricando a vida, fabricando o futuro. Tese de Doutorado, Ciências Sociais, Unicamp, 2003.

RIBEIRO, Renato. A cultura ameaçada pela natureza. Pesquisa FAPESP Especial: Dupla Hélice, 50 anos, 2003.

RIFKIN, Jeremy. Politizar as novas tecnologias. O impacto sócio-técnico da informação digital e genética. São Paulo, Ed. 34, 2003.

___________. A era do acesso. A transição de mercados convencionais para networks e o nascimento de uma nova economia. São Paulo, Makron Books, 2001a.

___________. Perspectivas que a revolução micro-eletronica e a internet abrem à luta pelo socialismo. Seminário “Socialismo e Democracia” – Partido dos Trabalhadores, São Paulo, junho de 2001b.

___________. O século da biotecnologia. A valorização dos genes e a reconstrução do mundo. São Paulo, Makron Books, 1999.

SANTOS, Laymert Garcia. Consumindo o futuro. Folha de S.Paulo, 27/02/2000 [Mais!].

SCHNEIDER, D. American kinship: a cultural account. New Jersey, Prentice-Hall, 1968.

SHARP, Lesley. The commodification of the body and its parts. Ann. Rev.

Anthropol., vol. 29, 2000, pp.287-328.

SILVER, Lee. Vuelta al Edén. Mas allá de la clonación en un mundo feliz.

Madrid, Taurus, 1997.

STONE, Linda. Kinship and Gender. Colorado, USA, Westview Press, 2000.

STRATHERN, Marilyn. Reproduction the future: essays on anthropology, kinship and the new reproductive technologies. Manchester, Manchester University Press, 1992.

VIEIRA, Elisabeth. Prática médica e corpo feminino. Dissertação de Mestrado, Depto. de Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina – USP, 1990.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Ramírez-Gálvez, M. (2016). Corpos fragmentados e domesticados na reprodução assistida. Cadernos Pagu, (33), 83-115. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644922
Seção
Artigos