Narrativas de leitoras da revista Capricho: memória e subjetividade (1950 a 1960)

  • Raquel de Barros Pinto Miguel Universidade Federal de Santa Catarina
  • Joana Maria Pedro Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Gênero. Revista Feminina. Memória. Subjetividade

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar a possibilidade de uma revista, destinada ao público feminino, servir como “lugar de memória” (Pierre Nora). Para tanto, formou-se um grupo com três leitoras da revista Capricho (1950 a 1960), onde elas puderam folhear exemplares da revista da época citada. Esse método proporcionou vislumbrar uma forma de acesso, através das revistas, memórias e narrativas, a aspectos relacionados à história das mulheres e das relações de gênero. Nessa experiência, a publicidade ficou evidenciada como importante “lugar de memória”, possibilitando reflexões acerca da participação das propagandas na constituição das subjetividades das mulheres e dos homens de uma geração. As diversas lembranças trazidas pelas leitoras evidenciaram a diversidade de possibilidades na constituição das subjetividades, mesmo que em uma mesma época.

Abstract

This paper aims to present the possibility of a magazine, for the female public, serving as a "place of memory" (Pierre Nora). In order to do this, a group was formed with three female readers of the magazine Capricho (1950 to 1960), where they could browse magazine copies of the mentioned time. This method provided a glimpse of an access, through the journals, memoirs and narratives, to the aspects related to the history of women and of gender relations. Through this experience advertising was shown as an important "place of memory", enabling reflection on the participation of advertisements in the constitution of subjectivities of women and men of a generation. The memories brought by several readers pointed to the diversity of possibilities in the constitution of subjectivities, even within the same season.

Key Words: Gender, Women's Magazine, Memory, Subjectivity

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel de Barros Pinto Miguel, Universidade Federal de Santa Catarina
Possui graduação e mestrado em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Doutora em Ciências Humanas pela mesma universidade. Pós-doutora pela Université Paris Diderot - Paris 7. Docente do curso de Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Pesquisadora vinculada ao Laboratório de Pscicologia Escolar e Educacional, ao Laboratório de Estudos de Gênero e História, ao Instituto de Estudos de Gênero (UFSC) e ao Laboratoire Identités, Cultures, Territoires (Université Paris Diderot - Paris 7). Desenvolve pesquisas interdisciplinares que abrangem as seguintes temáticas: relações de gênero, subjetividade, memória, adolescência, publicidade, saúde, educacão e mídia/ imprensa feminina. Tem experiência na área da saúde realizando atendimentos clínicos (crianças, adolescentes e adultos) e atuando na coordenação de grupos de educação em saúde com adolescentes.
Joana Maria Pedro, Universidade Federal de Santa Catarina
É professora do Departamento de História da Universidade Federal de Santa Catarina desde 1983, possui graduação pela UNIVALI (1972), mestrado em História Econômica pela UFSC (1979), doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (1992) e pós-doutorado pela Université d´Avignon et des Pays de Vaucluse (2002). Atualmente é Professora Titular em História Social e pesquisadora 1 B do CNPq. Foi coordenadora do Programa de Pós Graduação em História (1993-1995), diretora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas (1996-2000), coordenadora do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (2008-2012). Pesquisa sobre Gênero, feminismos e ditaduras no Cone Sul. Dá aulas na graduação e pós-graduação, orienta monografias de graduação, mestrado e doutorado. Tem inúmeros artigos, livros e capítulos de livros publicados

Referências

ARÉVALO, Márcia Conceição da Massena. Lugares de memória ou a prática de preservar o invisível através do concreto, 2004.

http://www.anpuh.uepg.br/historia-hoje/vol3n7/marcia.htm [em 04/03/2006].

BASSANEZI, Carla. Mulheres dos Anos Dourados. In: DEL PRIORE, Mary.

(org.) História das mulheres no Brasil. São Paulo, Contexto, 2001.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo.

Obras escolhidas – Vol. III. São Paulo, Brasiliense, 1995.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças de velhos. São Paulo, T.A. Queiroz/Editora da USP, 1987.

DEL PRIORI, Mary. História das mulheres: as vozes do silêncio. In: FREITAS, Marcos Cezar de. (org.) Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo, Contexto, 1998.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 1997.

__________. A ordem do discurso. São Paulo, Edições Loyola, 2005.

FRIEDMAN, Betty. A mística feminina. Petrópolis, Editora Vozes, 1971.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo, Perspectiva, 1999.

GUATARRI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo.

Petrópolis, Vozes, 1986.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo, Centauro, 2004.

LANZARIN, Cláudia Cruz. A fantasia e o baile de máscaras do final do milênio. Psicologia: ciência e profissão (20)3, 2000, pp.28-33.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas-SP, Editora da UNICAMP, 2003.

MALUF, Marina. Ruídos da memória. São Paulo, Siciliano, 1995.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Âncora de emoções: corpos, subjetividades e sensibilidades. Bauru, EDUSC, 2005.

MIGUEL, Raquel de Barros Pinto. A revista Capricho como um “lugar de memória” (décadas de 1950 e 1960). Tese de doutorado, Ciências Humanas, UFSC, 2009.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares.

Projeto história (10), São Paulo, Editora da PUC-SP, dezembro de 1993, pp.7-29.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, Editora da UNICAMP, 1995.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru, EDUSC, 2005.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Tempo (1)2, Rio de Janeiro, Editora Relume Dumará, 1996, pp.59-72.

__________. Tentando aprender um pouquinho: algumas reflexões sobre a ética na História oral. Projeto história (15), São Paulo, Editora da PUC-SP, abril de 1997, pp.13-49.

SALVATICI, Silvia. Memórias de gênero: reflexões sobre a história oral de mulheres. História oral (8)1, Rio de Janeiro, Editora da FGV, 2005, pp.29-42.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Propaganda e História: antigos problemas, novas questões. Projeto história (14), São Paulo, Editora da PUC-SP, abril de 1997, pp.89-112.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade 20(2), 1995, pp.71-99.

SEIXAS, Jacy Alves. Percursos da memória em terras de história: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, Stella e NAXARA, Márcia. (orgs.) Memória e (res)sentimento: indagações sobre um questão sensível.

Campinas-SP, Editora da UNICAMP, 2004, pp.37-58.

SIQUEIRA, Maria Juracy Toneli. A construção da identidade masculina: alguns pontos para discussão. Psicologia USP 8(1), 1997, pp.113-130 VEYNE, Paul. Acreditavam os deuses em seus mitos? Lisboa, Edições 70, 1987.

WIDHOLZER, Nara. A publicidade como pedagogia cultural e tecnologia de gênero: abordagem lingüístico-discursiva. In: FUNCK, Susana Bornéo e WIDHOLZER, N. R. Gênero em discursos da mídia.

Florianópolis/Santa Cruz do Sul, Editora Mulheres/Edunisc, 2005, pp.17-52.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Miguel, R. de B. P., & Pedro, J. M. (2016). Narrativas de leitoras da revista Capricho: memória e subjetividade (1950 a 1960). Cadernos Pagu, (33), 235-364. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644927
Seção
Artigos