Banner Portal
Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder
Remoto

Palavras-chave

Educação Infantil. Gênero. Práticas Docentes

Como Citar

VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 33, p. 265–283, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644928. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

Ao discutir os relatos de professoras e observar suas ações frente às meninas e aos meninos, este artigo trata das relações de gênero e poder presentes nos processos de socialização de crianças pequenas e analisa as estratégias voltadas para a normalização e o controle das expressões corporais de meninas e meninos. Ao buscar compreender como ocorria a educação de meninos e meninas que transgrediam as fronteiras do que lhes era imposto, verificamos como as características aparentemente naturalizadas e direcionadas à masculinidade e à feminilidade são resultantes de muitos esforços para deixar marcas distintas no corpo, no comportamento e nas habilidades dessas crianças.

Abstract

Based on interviews with teachers and on the observation of their work with girls and boys, this article deals with the gender and power relationships in the process of early childhood socialization and analyzes the strategies that are used to promote the normalization and control of body expressions o girls and boys. In the process of trying to understand how was developed the education of boys and girls who transgressed the frontiers which were imposed on them, we observed how the apparently naturalized characteristics of masculinity and of femininity are the result of many efforts to mark differently the body, the behavior and the skills of these children.

Key-words: Childhood Education. Gender Relationships. Teacher Practices

Remoto

Referências

BECCHI, Egle. Ser menina ontem e hoje: notas para uma pré-história do feminino. Pro-Posições: Dossiê: Educação Infantil e gênero, vol.14, nº 42, 2003, pp.41-52.

CITELI, Maria Teresa. Fazendo diferenças: teorias sobre gênero, corpo e comportamento. Revista Estudos Feministas, vol. 9, Florianópolis, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, UFSC, 2001, pp.131-145.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu (26), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2006, pp.279-288.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. New York, Basic Books, 2000.

FINCO, Daniela. A educação dos corpos femininos e masculinos na Educação Infantil. In: Faria, Ana Lúcia G. de. O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo, Cortez, 2007.

__________. Faca sem ponta, galinha sem pé, homem com homem, mulher com mulher: relações de gênero nas relações de meninos e meninas na pré-escola. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2004.

__________. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na Educação Infantil. Pro-Posições: Dossiê: Educação Infantil e Gênero, vol. 14, nº 42, 2003, pp.89-102.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes, 1977.

FRANGELLA, Simone Miziara. Fragmentos de corpo e gênero entre meninos e meninas de rua. Cadernos Pagu (14), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2000, pp.201-234.

ROHDEN, Fabíola. A construção da diferença sexual na medicina.

Cadernos de Saúde Pública, vol. 19 (Sup. 2), Rio de Janeiro, 2003, pp.201-212.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica.

Educação & Realidade. vol. 20, nº 2, Porto Alegre, 1995, pp.71-99.

SOARES, Carmen Lúcia. Imagens da educação no corpo; estudo a partir da Ginástica francesa no século XIX. Campinas-SP, Autores Associados, 1998.

__________ e ZARANKIN, Andrés. Arquitetura e educação do corpo: notas indiciais. Revista Rua, nº 10, 2004.

SOARES, Natália Fernandes. Investigação participativa no grupo social da infância. Currículos sem Fronteiras, vol. 6, nº 1, jan.-jun. 2006, pp.25-40.

VAGO, Tarcísio Mauro. Cultura escolar, cultivo de corpos: Educação Physica e Gymnastica como práticas constitutivas dos corpos de crianças no ensino público primário de Belo Horizonte (1906-1920).

Bragança Paulista-SP, EDUSF, 2002.

VEIGA NETO, Alfredo. Currículo, disciplina e interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, vol. 17, nº 2, 1996, pp.128-137.

VIANNA, Cláudia; UNBEHAUM, Sandra. Gênero na educação básica: quem se importa? Uma análise de documentos de políticas públicas no Brasil. Educação & Sociedade, vol. 27, nº 95, maio-ago. 2006, pp.407-428.

WEEKS, Jeffrey. O corpo e a sexualidade. In: LOURO, Guacira. (org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte, Autêntica, 2003.

ZARANKIN, Andrés. Paredes que domesticam: arqueologia da arquitetura escolar capitalista. São Paulo, Fapesp, 2002.

Downloads

Não há dados estatísticos.