Mito e gênero: Pandora e Eva em perspectiva histórica comparada

  • Andréia Cristina Lopes Frazão Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Marta Mega Andrade Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Estudos de Gênero. Grécia Antiga. Portugal Medieval. Eva. Pandora

Resumo

Neste artigo, discutimos as potencialidades teórico-metodológicas dos estudos de gênero na perspectiva da História Comparada. A partir da análise de enunciações dos mitos de Pandora e Eva, focalizamos uma problemática do gênero associada à tematização do corpo e do casamento na Atenas Clássica (apropriações das narrativas do mito de Pandora por Hesíodo) e no Reino de Portugal em fins do medievo, analisando como a diferença é significada, questionada e legitimada nestes dois contextos históricos distintos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Cristina Lopes Frazão Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Andreia Cristina Lopes Frazão da Silva concluiu o doutorado em Historia Social pela UFRJ em 1996. Em dezembro de 2015 foi aprovada no exame de promoção para Professor Titular . É Professora do Instituto de História da UFRJ, atuando no PPGHC. Com a professora Leila Rodrigues da Silva e Paulo Duarte, coordenadora do Programa de Estudos Medievais (Pem) da UFRJ. Foi agraciada em 2015 com a Bolsa Cientista de Nosso Estado, financiada pela Faperj. É autora de artigos publicados em periódicos especializados, de trabalhos completos em anais de eventos, de capítulos de livros e de livros, entre obras de sua autoria ou organizadas. Possui ampla produção técnica. Orienta teses de doutorado, dissertações de mestrado, pesquisas de iniciação cientifica, bolsistas de extensão e trabalhos de conclusão de curso de graduação. Atua na área de historia medieval, com ênfase em Historia Comparada e Estudos de Gênero Pós-estruturalistas. Suas principais temáticas de pesquisa são a hagiografia medieval, o fenômeno da santidade, a Igreja papal, as práticas da religiosidade, a espiritualidade laica, os discursos de gênero, os centros de produção intelectual e os textos normativos, privilegiando como recorte espaço-temporal as penínsulas ibérica e itálica nos séculos XI ao XIII.
Marta Mega Andrade, Universidade Federal do Rio de Janeiro
Possui graduação em História pela Universidade Federal Fluminense (1990), mestrado em História pela Universidade Federal Fluminense (1994), doutorado em História Social (2000) e pós-doutorado na área de Arqueologia pela Universidade de São Paulo (2007). Desde 1997 é professora do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, atuando no Programa de Pós-graduação em História Social e também no Programa de Pós-Graduação em Arqueologia do Museu Nacional. Com especialização na área da História Antiga grega, atua em pesquisas de História do Gênero e História social das mulheres; história comparada do pensamento político; política e sociedade no mundo grego antigo; historiografia e teoria da História.

Referências

ANDRADE, Marta. A Cidade das Mulheres. Cidadania e alteridade feminina na Atenas Clássica. Rio de Janeiro, LHIA, 2001.

ANTUNES, José. Bíblia. In: LANCIANI, Giulia e TAVANI, Giuseppe. (orgs.).

Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa. Lisboa, Caminho, 2000, pp.85–88.

BASCHET, Jérôme. Diabo. In: LE GOFF, Jacques e SCHMITT, Jean-Claude.

(orgs.) Dicionário Temático do Ocidente Medieval. Bauru, EDUSC, 2002 [1999], 2 vol., vol.1, pp.325-355.

BIRD, Phyllis. A. Male and Female He Created Them: Gen 1:27b in the Context of the Priestly Account of Creation. Harvard Theological Review (74), Cambridge, apr. 1981, pp.129-159.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil, 2002 [1998].

DALARUN, Jacques. Olhares de clérigos. In: DUBY, Georges e PERROT, Michelle. (dir.) História das Mulheres no Ocidente. Porto, Edições Afrontamento, s/d [1990-1992], vol. 2: A Idade Média, pp.29-63.

FERNÁNDEZ LÓPEZ, Sergio. Lectura y prohibición de la Biblia en lengua vulgar. Defensores y detractores. León, Universidad de León, 2003.

FRIES, Maureen. The evolution of Eve in medieval French and English religious drama. Studies in Philology (99), Chapell Hill, 2002, pp.1- 16.

GOTTWALD, Norman. Introdução sócio-literária à Bíblia hebraica. São Paulo, Paulinas, 1988 [1985].

HEADLAM, Walter. Prometheus and the Garden of Eden. Classical Quarterly (28), Cambridge, 1934, pp.63-67.

HESÍODO. Teogonia. São Paulo, Iluminuras, 1991 [Trad. J.A.A. Torrano].

__________. Os Trabalhos e os Dias. São Paulo, Iluminuras, 1991 [Trad.

Mary de Camargo Neves Lafer].

KOCKA, Jürgen. Comparison and beyond. History and Theory (42), Oxford, 2003, pp.39-40.

IZQUIERDO, Jose Maria. Ave/Eva: comentarios acerca de una tipología artística bajo medieval. Romansk Fórum (27), Oslo, 2003, pp.59-70.

LACHS, Samuel. T. The Pandora-Eve Motif in Rabbinic Literature.

Harvard Theological Review (67), Cambridge, 1974, pp.341-345.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o Sexo. Corpo e Gênero dos Gregos a Freud. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 2001 [1990].

LINK, Luther. O Diabo: a máscara sem rosto. São Paulo, Cia das Letras, 1998 [1995].

LÓPEZ ESTRADA, Francisco. Introducción a la Literatura Medieval LORAUX, Nicole. Les Enfants d’Athéna. Idées Athéniennes sur la Citoyenneté et la division des sexes. Paris, La Découverte, 1990.

__________. L’Opérateur Féminin. Les Expériences de Tirésias. Paris, Gallimard, 1989.

MARTINS, Mario. A Bíblia na Literatura Medieval Portuguesa. Lisboa, Instituto de Cultura Portuguesa, 1979.

MEGALE, H. (ed.) O Pentateuco da Bíblia Medieval Portuguesa. São Paulo, EDUC/IMAGO,1992.

MORENO, C. Virago, varoa. Disponível em http://www.

sualingua.com.br/01/01_ virago.htm [consultado em 23/06/2006].

MUCHEMBLED, Robert. Uma História do diabo. Séculos XII ao XX. Rio de Janeiro, Bom Texto, 2001 [2000].

NASCIMENTO, Aires. Bíblia: traduções para o português. In: Lanciani, Giulia e Tavani, Giuseppe. (org.) Dicionário da Literatura Medieval Galega e Portuguesa. Lisboa, Caminho, 2000, pp.88-92.

PHIPPS, William. E. Eve and Pandora Contrasted. Theology Today (45), Princeton, 1988, pp.34-48.

REDFIELD, James. O homem e a vida doméstica. In: VERNANT, JeanPierre.

(ed.) O Homem Grego. Lisboa, Presença, 1994 [1991], pp.147-171.

RUSSEL, Jeffrey. Lúcifer: o diabo na Idade Média. São Paulo, Madras, 2003 [1984].

SARANYAMA, Josep Ignasi. La discusión medieval sobre la condición femenina (Siglos VIII XIII). Salamanca, Universidad Pontifícia de Salamanca, 1997.

SCHMITT, Jean-Claude. (dir.) Éve et Pandora. La création de la femme.

Paris, Gallimard, 2001.

SCHMITT-PANTEL, Pauline. ―A criação da mulher‖: um ardil para a história das mulheres? In: MATOS, Maria Izilda & SOIHET, Raquel.

(orgs.) O corpo feminino em debate. São Paulo, Editora da Unesp, 2003, pp.129-156.

SCOTT, Joan. Gender as a Useful Category of Historical Analysis. In: Gender and the Politics of History. New York, Columbia UPress, 1999, pp.28-50.

SECHAN, Louis. Pandore, l'Eve grecque. Bulletin de l'Association Guillaume Bude (23), Paris, 1929, pp.3-36.

TEGGAR, Frederick. The argument of Hesiod’s Works and Days. Journal of History of Ideas (8), Philadelphia, 1947, pp.45-77.

VEYNE, Paul. O Inventário das Diferenças. São Paulo, Brasiliense, 1983 [1976]

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Silva, A. C. L. F., & Andrade, M. M. (2016). Mito e gênero: Pandora e Eva em perspectiva histórica comparada. Cadernos Pagu, (33), 313-342. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644930
Seção
Artigos