Banner Portal
O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade?
Remoto

Palavras-chave

Gênero. Trabalho Infanto-juvenil. Defasagem Escolar. Meninos. Masculinidade

Como Citar

ARTES, Amélia Cristina Abreu; CARVALHO, Marília Pinto. O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade?. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 34, p. 41–74, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644950. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo avaliar a influência do trabalho nas trajetórias escolares a partir dos microdados da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio – PNAD 2006. Desenvolve-se uma modelagem estatística, visando explicar a defasagem entre idade e anos de estudo a partir da variável sexo e considerando o fator trabalho como variável de controle. Os resultados indicam que o trabalho prejudica o percurso escolar mais intensamente para os meninos e os afazeres domésticos de forma mais sutil para as meninas, com resultados piores para os negros de ambos os sexos, mas somente essa variável não explica a maior defasagem escolar do sexo masculino.

Abstract

This article aims to evaluate the labor influence on school courses of boys and girls. Based on the micro data of PNAD 2006 (National Residence Sample Survey), a statistic model is developed to explain the discrepancy in age- years of study, taking into account the sex and considering labor as a control variable. The results indicate that working damages more intensively the boys’ school process, and housework in a more subtle way influences the girls’ school process. The worse results were observed for blacks of both sex.

Key Words: Gender, Child and Adolescent Labor, Age-Grade Discrepancy, Boys, Masculinity

Remoto

Referências

BELTRÃO, Kaizô, Acesso à educação: diferenciais entre os sexos. Texto para Discussão 879, IPEA, 2002.

BRITO, Rosemeire. Santos. Intrincada trama de masculinidades e feminilidades: fracasso escolar de meninos. Cadernos de Pesquisa, vol. 36, nº 127, São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 2006, pp.129- 149.

BRASIL. Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios – 2006. Notas Técnicas IBGE, 2006.

BRUSCHINI, Cristina Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não remunerado. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, vol. 23, nº 2, São Paulo, jul./dez. 2006, pp.331-353.

CARVALHO, Marília Pinto de. Sucesso e fracasso escolar: uma questão de gênero. Educ. Pesquisa, vol. 29, nº 1, 2003 __________. Mau aluno, boa aluna? Como os professores avaliam meninos e meninas. Estudos feministas, vol.9, nº 2 , Florianópolis, 2001, pp.554-574.

__________. Estatísticas de desempenho escolar: o lado avesso.

Educação e Sociedade, vol. 22, nº 77, Campinas-SP, dez. 2001, pp.231-252.

__________. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo, Xamã/Fapesp, 1999.

CORRAR, Luiz J; PAULO, Edilson; DIAS FILHO, José Maria. Análise Multivariada: para cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo, Atlas/FIPECAFI, 2007.

COSTA, Sérgio. A construção sociológica da raça no Brasil. Estudos Afroasiáticos, vol. 24, nº 1, Rio de Janeiro, 2002, pp.35-61.

FERRARO, Alceu Ravenello. Gênero, raça e escolarização na Bahia e no Rio de Janeiro. Cadernos de Pesquisa, vol. 39, São Paulo, set./dez.

, pp.813-836.

__________. Gênero, cor/raça e escolarização nos Estados da Bahia e Rio de Janeiro: um experimento com base em micro dados do censo 2000. Reunião ANPED 30 anos, Caxambu-MG, 2007a.

__________. Gênero, cor/raça e níveis de letramento em Santa Catarina e Alagoas: um experimento com micro dados do censo 2000. mimeo, 2007b.

__________. Género y alfabetización em el Brasil de 1940 al 2000: trazando la trayectoria de la relación. Anais da XVI ISA World Congress of Sociology, Durbam, South Africa, july, 2006, pp.23-29.

HASENBALG, Carlos A. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil.

Rio de Janeiro, Graal, 1979.

HENRIQUES, Ricardo. Raça e Gênero no sistema de ensino: os limites das políticas universalistas na educação. UNESCO, 2002.

HIRATA, Helena. Divisão sexual do trabalho: o estado das artes. IN: HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo, Boitempo, 2002.

HOSMER, David W.; LEMESHOW, Stanley. Applied logistic regression. 2ª ed. New York, Wiley, 2000.

KASSOUF, Ana Lúcia. O que conhecemos sobre o trabalho infantil? Nova Economia, vol. 17, nº 2, Belo Horizonte, 2007, pp.323-350.

PEREIRA, Fábio Hoffmann. Encaminhamentos a Recuperação Paralela: Um Olhar de Gênero. Dissertação de mestrado, Faculdade de Educação/USP, 2008.

PINHEIRO, Luana et alii. Retrato das Desigualdades de gênero e raça. 3ª ed. Brasília, IPEA/SPM/UNIFEM, 2008.

ROCHA, Sônia. Trabalho precoce: realidade social e desafio de política pública. Nova Economia, vol. 13, nº 2, Belo Horizonte, julho/ dezembro 2003, pp.61-80.

ROSEMBERG, Fúlvia e FREITAS, Rosangela. Participação de crianças brasileiras na força de trabalho e educação. Educação e Realidade, vol. 27, nº 1, Porto Alegre, 2002, pp.95-126.

ROSEMBERG, Fúlvia. Desiguladades de raza y gênero em la sistema educativo brasileno. In: WINKLER, Donald y CUETO, Santiago.

Etinicidad, raza, gênero y educacion em América Latina. Chile, PREAL, 2004.

__________. Educação Formal, mulheres e relações de gênero: balanço preliminar da década de 90. In: BRUSCHINI, Cristina e UNBEHAUM, Sandra. Gênero, democracia e sociedade brasileira. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, 2002.

__________ et alii. Mulher e educação formal no Brasil: estado da arte e bibliografia. Brasília, INEP/REDUC, 1990.

SCHWARTZMAN, Felipe; SCHWARTZMAN, Simon. Tendências do trabalho infantil no Brasil – 1992-2002. Brasília, OIT, 2004.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica.

Educação & Realidade, vol. 2, nº 20, Porto Alegre, jul/dez de 1995, pp.71-100.

SILVA, Nelson Vale. Expansion escolar y estratificacion educacional en Brasil. In: WINKLER, Donald y CUETO, Santiago. Etinicidad, raza, gênero y educacion en América Latina. Chile, PREAL, 2004.

UNESCO. Relatório de Monitoramento Global de EPT 2003/2004 educação para todos; Gênero e educação para todos: o salto para a igualdade. São Paulo, Moderna, 2004.

Downloads

Não há dados estatísticos.