Banner Portal
Rapazes negros e socialização de gênero: sentidos e significados de “ser homem”*
Remoto

Palavras-chave

Juventude. Rapazes Negros. Socialização. Masculinidade

Como Citar

SOUZA, Raquel. Rapazes negros e socialização de gênero: sentidos e significados de “ser homem”*. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 34, p. 107–142, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644953. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Este artigo discute os processos de socialização de rapazes negros e pobres da cidade de São Paulo, problematizando como determinados sentidos e experiências sobre a masculinidade são construídos e reelaborados em suas trajetórias. A partir de trabalho empírico realizado entre 2007 e 2008, argumentamos em torno da ideia de que a masculinidade é uma experiência que permeia a trajetória dos sujeitos, nunca acabada e marcada por revezes.

Abstract

This paper discusses the processes of socialization of young black and poor boys in the city of São Paulo, questioning how certain meanings and experiences of masculinity are constructed and reworked in their lives. From empirical research conducted between 2007 and 2008, we base our paper on the idea that masculinity is an experience that penetrates the trajectory of individuals, never finished and marked by setbacks.

Key Words: Youth, Black Boys, Socialization, Masculinity

Remoto

Referências

ABRAMO, Helena. Cenas juvenis: punks e darks no espetáculo urbano.

São Paulo, Scritta, 1994.

ALMEIDA, Miguel Vale de. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa, Fim do Século, 2000.

ARRILHA, Margareth. Homens: entre a “zoeira” e a “responsabilidade”.

In: ARRILHA, Margareth et alii. Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo, ECOS/Ed. 34, 1998, pp.51-78.

BERGER, Peter; KELLNER, Hansfried. Le mariage et la construction de la réalité. In: BERGER, Peter; THOMAS, Luckmann. La construction sociale de la realité. Paris, Armand Colin, 2006, pp.307-334.

__________; LUCKMAN, Thomas. Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orientação do homem moderno. Petrópolis, Vozes, 2004.

CABANES, Robert. Espaço privado e espaço público: o jogo de suas relações. In: TELLES, Vera da Silva et alli. Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo, Associação Editorial Humanitas, 2006, pp.389-432.

CARVALHO, Marília Pinto de. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo, Xamã, 1999.

__________; SOUZA, Raquel; OLIVEIRA, Elisabete Regina Baptista de.

Jovens, sexualidade e gênero. In: SPOSITO, Marilia Pontes. (coord.) O estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: Educação, Ciências Sociais e Serviço Social (1999-2006). Belo Horizonte, Argvmentvm, 2009, pp.229-274.

CONNEL, Robert. La organización social de la masculinidad. In: VALDES, Teresa; OLAVARRÍA, José. (orgs.) Masculinidades: poder y crisis.

Santiago, ISIS-FLACSO/Ediciones de lãs Mujeres, 1997, pp.31-48.

__________. Políticas da masculinidade. Educação & Realidade, nº 20, Porto Alegre, 1995, pp.185-206.

CORROCHANO, Maria Carla. O trabalho e sua ausência: narrativas de jovens do Programa Bolsa Trabalho no município de São Paulo. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, USP, 2008.

CORTI, Ana Paula; SOUZA, Raquel. Diálogos com o mundo juvenil: subsídios para educadores. São Paulo, Ação Educativa, 2004.

DAYRELL, Juarez. A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude. Belo Horizonte, Editora da UFMG, 2005.

__________. O rap e o funk na socialização da juventude. Educação e Pesquisa, vol. 28, nº 1, São Paulo, 2002, pp.117-136.

DUBET, François. El declive de la institución: profesiones, sujetos e indivíduos en la modernidade. Barcelona, Editora Gedisa, 2006.

ELIZALDE, Silvia. El androcentrismo en los estudios de juventud: efectos ideológicos y aperturas posibles. Ultima década, vol. 14, nº 25, Santiago, 2006, pp.91-110.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2002.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultura? Revista Brasileira de Educação, nº 21, Rio de Janeiro, 2002, pp.40-51.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Como trabalhar com “raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, vol. 29, nº 1, São Paulo, 2003, pp.93-107.

HEILBORN, Maria Luiza; CABRAL, Cristiane S. e BOZÓN, Michel. Valores sobre a sexualidade e elenco de práticas: tensões entre modernização diferencial e lógicas tradicionais. In: HEILBORN, M. L. et alii. O aprendizado da sexualidade: reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros. Rio de Janeiro, Garamond/Fiocruz, 2006, pp.212-265.

MARTUCCELLI, Danilo. Cambio de rumbo: la sociedad a escala del individuo. Santiago, LOM Ediciones, 2007.

MEDRADO, Benedito; LYRA, Jorge. Por uma matriz feminista de gênero para os estudos sobre homens e masculinidades. Revista Estudos Feministas, vol. 16, nº 3, Florianópolis, 2008, pp.809-840.

PAIS, José Machado. Cotidiano e reflexividade. Educação & Sociedade, vol. 28, nº 98, Campinas, 2007, pp.23-46.

PERALVA, Angelina. O jovem como modelo cultural. Juventude e contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, nºs 5/6, São Paulo, 1997, pp.25-36.

ROCHA, Edmar José da; ROSEMBERG, Fúlvia. Autodeclaração de cor e/ou raça entre escolares paulistanos(as). Cadernos de Pesquisa, vol. 37, nº 132, São Paulo, 2006, pp.759-799.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, vol. 20, nº 2, Porto Alegre, 1995, pp.71-99.

SPOSITO, Marilia Pontes. A ilusão fecunda: a luta por educação nos movimentos populares. São Paulo: Hucitec, 1993.

__________. A pesquisa sobre jovens na pós-graduação: um balanço da produção discente em Educação, Serviço Social e Ciências Sociais (1999-2006). In: SPOSITO, M. P. (coord.) O estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: Educação, Ciências Sociais e Serviço Social (1999-2006). Belo Horizonte, Argvmentvm, 2009, pp.17-56.

__________. Estudos sobre juventude em educação. Revista Brasileira de Educação, nº 5/6, São Paulo, 1997, pp.37-52.

VIANNA, Cláudia Pereira e UNBEHAUM, Sandra. O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, vol. 34, nº 121, 2004, pp.77-104.

WELLER, Wivian. A presença feminina nas (sub)culturas juvenis: a arte de se tornar visível. Revista Estudos Feministas, vol. 13, nº 1, Florianópolis, 2005, pp.107-126.

__________. O hip hop como possibilidade de inclusão e de enfrentamento da discriminação e da segregação na periferia de São Paulo. Caderno CRH, vol. 17, nº 40, Salvador, 2004, pp.242-260.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, vol. 9, nº 2, 2001, Florianópolis, pp.460-482.

Downloads

Não há dados estatísticos.