A difícil arte de expor mulheres artistas

  • Ana Paula Cavalcanti Simioni Universidade de São Paulo

Resumo

Durante todo o ano de 2009, o Musée National d´Art Moderne, mais conhecido como Centre Georges Pompidou, abrigou uma exposição considerada, por seus curadores, radical e sem precedentes: a das obras de mulheres artistas presentes em sua coleção. O critério curatorial adotado, centrado no gênero dos criadores, ainda que incomum, não é propriamente inédito. O museu organizou em 1995 a exposição Féminin-Masculin: le sexe de l´art e, mais recentemente, em 2007, Wack! Art and Feminist Revolution foi realizada pelo Museum of Contemporary Art, de Los Angeles. Todavia, a dimensão de Elles a destaca e a singulariza; pois como explicita o diretor da instituição, a mostra ocorreu “numa escala jamais realizada por outro museu, reunindo mais de 200 artistas e mais de 500 obras em 8000m²”

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Cavalcanti Simioni, Universidade de São Paulo
possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1994), mestrado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1999), doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo (2004), doutorado-sandwich pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris (2002). Desde 2009 é docente do Instituto de Estudos Brasileiros (USP), onde é também líder do grupo de pesquisa sobre "Arte e poder no Brasil". É pesquisadora associada do EFISAL-CRAL (EHESS- Paris) e colaboradora do programa de pós-graduação Interunidades "Estética e História da Arte" ( MAC-USP). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Arte e da Cultura, atuando principalmente nos seguintes temas: Arte e gênero; Mecenato e Colecionismo no Brasil, Academismo e Modernismo brasileiros. Realizou também a curadoria da Exposição "Mulheres Artistas: as pioneiras (1880-1930)", na Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2015

Referências

BROUDE, Norma & GARLAND, Judith. Feminism and Art History.

Questioning the Litany. New York, Harper & Row Publishers, 1982.

BUTLER, Cornelia and SCHWARTZ, Alexandra. (orgs.) Modern Women.

Women Artists at the Museum of Modern Art. New York, Moma, 2010.

GARB, Tamar. L´Art Féminin: The Formation of a Critical Category in Late Nineteenth-Century France. Art History, London, vol. 12, nº 1, mar 1989, pp.39-65.

NOCHLIN, Linda. Why There Have Been no Gratests Women Artists? Art and Sexual Politics. New York, Macmilan Publishing Co, 1973, 2ª ed.

POLLOCK, Griselda. Vision and Difference. Feminity, Feminism and the Histories of Art. London, Routledge, 1994a.

POLLOCK, Griselda. Histoire et politique: l´histoire peut-elle survivre au feminism?. Féminism, Art et Histoire de l´Art. Paris, Esnba, 1994b.

SCOTT, Joan. Genre: une catégorie utile d´analyse historique. Les Cahiers du Grif, Paris, nº 37/38, 1998.

SCOTT, Joan. Only Paradosex to Offer. French Feminism and the Rights of Man. Harvard University Press, 1996.

WELTGE, Sigrid Wortmann. Women´s Work. Textile Art From the Bauhaus. London, Thames and Hudson, 1993.

Publicado
2016-04-14
Como Citar
Simioni, A. P. C. (2016). A difícil arte de expor mulheres artistas. Cadernos Pagu, (36), 375-388. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645000
Seção
Resenhas