Emma Goldman e a experiência das mulheres das classes trabalhadoras no Brasil*

Autores

  • Cristiana Schettini Universidad de Buenos Aires

Resumo

Neste breve texto, as palavras de Emma Goldman sobre as trabalhadoras que se envolveram com o comércio sexual serão tomadas como um pretexto para uma reflexão sobre algumas questões relativas à pesquisa do tema no campo da história social e, em particular, sobre o lugar que as leis e as fontes judiciais ocuparam na historiografia brasileira sobre prostituição. Como efeito colateral, talvez esta aproximação nos aponte algum caminho para encontrar uma “Emma” que seja, ao mesmo tempo, um pouco familiar e também um pouco estranha aos nossos olhos feministas posicionados a um século de distância. 1 Para isso, quero retomar algumas redes de interlocução nas quais seu texto pode ser inserido. Depois, passo ao caso brasileiro, para terminar propondo dois exemplos de casos em que a atenção a marcos legais locais e o acesso a fontes judiciais que eles produziram podem revelar alguns sentidos que as histórias de tráfico adquiriram para mulheres que exerceram o comércio sexual no começo do século XX

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BONFÁ, Rogério. Com lei ou sem lei: as expulsões de estrangeiros e o conflito entre o executivo e judiciário na primeira república.

Dissertação de Mestrado em História, Unicamp, 2008.

ENGEL, Magali. Meretrizes e doutores: o saber médico e a prostituição na cidade do Rio de Janeiro, 1845-1890. São Paulo, Brasiliense, 1990.

FRANKEL, Oz. Whatever happened to Red Emma? Emma Goldman, from Alien Rebel to American Icon. The Journal of American History, vol.

, nº3, 1996, pp.903-942.

FRENCH, John. Proclamando leis, metendo o pau e lutando por direitos.

A questão social como caso de polícia, 1920-1964. In: LARA, Silvia e MENDONÇA, Joseli. Direitos e Justiças no Brasil. Campinas, Ed. da Unicamp, 2006, pp.379-416.

GOLDMAN, Emma. The tragedy of woman´s emancipation. In: Anarchism and other essays, 1917. Disponível em: http://womenshistory.about.com/library/etext/bl_eg_ana_tragedy_wo mans_emancipation.htm Consultado em 26/07/2011.

GRAHAM, Sandra. Dangerous fantasies: the altered vocabulary of commercial sex. Luso-brazilian review, vol.30, nº1, 1993.

KUSHNIR, Beatriz. Baile de Máscaras – mulheres judias e prostituição: as polacas e suas associações de ajuda mútua. Rio de Janeiro, Imago, 1996.

MENEZES, Lená Medeiros de. Os Indesejáveis – desclassificados da modernidade. Protesto crime e expulsão na capital federal (1890- 1930). Rio de Janeiro, EdUERJ, 1996.

MORAES, Evaristo de. Reminiscências de um rábula criminalista. Rio de Janeiro/Belo Horizonte, Briguiet, 1989.

OLIVEIRA, Tiago Bernadon de. Anarquismo, sindicatos e revolução no Brasil (1906-1936). Tese de Doutorado em Historia, UFF, 2009.

PEREIRA, Armando. Prostituição: uma visão global. Rio de Janeiro, Ed.

Pallas, 1976.

PEREIRA, Astrojildo. Uma monstruosidade que se prepara. A regulamentação do serviço doméstico. A Vida – Periódico Anarquista, nº3, ano I, 31 de janeiro de 1915.

PUTNAM, Lara. The Company they kept: migrants and the politics of gender in Caribbean Costa Rica, 1870-1910. Chapel Hill, Univ. of North Carolina Press, 2002.

RAGO, Margareth. Os Prazeres da noite: prostituição e códigos de sexualidade feminina em São Paulo (1890-1930) Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991.

ROSEN, Ruth. The Lost sisterhood: prostitution in América, 1900-1918.

Baltimore, Johns Hopkins University Press, 1982.

SCHETTINI, Cristiana. Viajando solas: prácticas de vigilancia policial y experiencias de prostitución en la América del Sur. In: BRETÓN, Jorge Trujillo. (org.) En la Encrucijada. Historia, marginalidad y delito en América Latina y los Estados Unidos de Norteamérica, siglos XIX y XX. Guadalajara, Editorial Universidad de Guadalajara, 2010, pp.331-353.

__________. Que Tenhas Teu Corpo: uma história social da prostituição no Rio de Janeiro das primeiras décadas republicanas. Rio de Janeiro, Ed. do Arquivo Nacional, 2006.

__________. Lavar, passar e receber visitas: debates sobre a regulamentação da prostituição e experiências de trabalho sexual em Buenos Aires e no Rio de Janeiro, fim do século XIX. Cadernos Pagu (25), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2005, pp.25-54.

SOARES, Luis Carlos. Rameiras, ilhoas e polacas: a prostituição no Rio de Janeiro do século XIX. São Paulo, Ática, 1992.

STANLEY, Amy Dru. From Bondage to Contract. Wage labor, marriage and the market in the age of slave emancipation. Cambridge, Cambridge University Press, 1998.

TOLEDO, Edilene. A trajetória anarquista no Brasil na Primeira República.

In: FERREIRA, Jorge e AARÃO, Daniela Reis. As Esquerdas no Brasil. A formação das tradições (1889-1945) Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2007.

WALKOWITZ, J. Prostitution and the Victorian Society: women, class and the state. Cambridge, Cambdridge University Press, 1980, pp.123- 124 WHITE, Luise. The Comforts of Home: prostitution in Colonial Nairobi.

Chicago, University of Chicago Press, pp.4 e 5

Downloads

Publicado

2016-04-14

Como Citar

Schettini, C. (2016). Emma Goldman e a experiência das mulheres das classes trabalhadoras no Brasil*. Cadernos Pagu, (37), 273–285. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645021