Frankenstein e o espectro do desejo

  • Richard Miskolci Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Frankenstein, história da subjetividade, desejo homossocial masculino, heterossexualidade compulsória, medo, violência

Resumo

A partir da polêmica sobre a autoria de Frankenstein (1818), ensaio uma análise que o insere em uma história cultural da subjetividade. Exemplar do gótico inicial, provável primeiro exemplar de ficção científica, o romance também faz parte de uma vertente literária que explora a experiência de ser “assombrado” por um fantasma, uma memória, um monstro. Busco reconstituir essa experiência em termos históricos e psicossociais para compreender as relações entre desejo, normas e convenções culturais na emergência da heterossexualidade compulsória.

Abstract

Starting with the polemic about Frankenstein‟s (1818) authorship, I develop an analysis that includes it in a cultural history of subjectivity. The book is an example of the early gothic, probably the first book of science fiction, but it also takes part in a lineage of novels that explore the experience of being haunted by a phantom, a memory, a monster. I try to reconstitute that experience in historical and social psychological terms to comprehend the relations between desire, norms, and cultural conventions in the emergence of compulsory heterosexuality.

Key Words: Frankenstein, History of Subjectivity, Male Homosocial Desire, Compulsory Heterosexuality, Fear, Violence

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Richard Miskolci, Universidade Estadual de Campinas
Richard Miskolci é Professor Associado 2 do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCar. É coordenador adjunto da área de Sociologia na CAPES, coordena o Quereres - Núcleo de Pesquisas em Diferenças, Gênero e Sexualidade (www.ufscar.br/quereres) e orienta pesquisas sobre os usos contemporâneos das mídias digitais em uma perspectiva atenta a questões envolvendo diferenças de sexualidade, gênero e raça/etnia. Doutor em Sociologia pela USP (2001), fez parte de seus estudos na Universidade de Chicago sob a orientação de Sander L. Gilman, especialista na intersecção raça e sexualidade. Também fez estágios pós-doutorais, com bolsa FAPESP, no Department of Women's Studies da Universidade de Michigan, em 2008, e no Departamento de Estudos Feministas da Universidade da Califórnia, em 2013. Miskolci é Pesquisador Colaborador do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu da UNICAMP.

Referências

ADORNO, Theodor e HORKHEIMER, Max. Dialetic of Enlightment. New York, Continuum, 1987.

BRAY, Alan. Homosexuality in Renaissance England. London, Gay Men‟s Press, 1982.

BRICKELL, Chris. Sexology, the Homo/Hetero Binary, and the complexities of Male Sexual History. Sexualities, vol. 9, nº 4, London, Sage, 2006, pp.423-447.

FERENCZI, Sándor. O Homoerotismo: nosologia da homossexualidade masculina. In: FERENCZI, Sándor. Obras Completas, vol. II. Rio de Janeiro, Martins Fontes, 1992, pp.117-134.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 2005.

__________. Os Anormais. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

__________. Vigiar e Punir. Petrópolis, Vozes, 1998.

GREER, Germaine. Yes, Frankenstein was written by Mary Shelley. It‟s obvious because the book is so bad. The Guardian, 09/04/2007 [http://www.guardian. co.uk/world/2007/apr/09/gender.books -acesso: 10/12/2010].

HALPERIN, David M. How to do the history of homosexuality. Chicago, Chicago University Press, 2002.

HARAWAY, Donna. Antropologia do Ciborgue: as vertigens do póshumano.

Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

HOCQUENGHEM, Guy. El Deseo Homosexual. Madrid, Melusina, 2009.

HUNT, Lynn. A Invenção dos Direitos Humanos: uma história. São Paulo, Cia das Letras, 2009.

LAURITSEN, John. The Man who wrote Frankenstein: Percy Bysshe Shelley. New York, Pagan Press, 2007 MARCUSE, Herbert. A Ideologia da Sociedade Industrial. Rio de Janeiro, Zahar, 1964.

MISKOLCI, Richard e BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. O Drama Público de Raul Pompeia: sexualidade e política no Brasil finissecular.

Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 26, nº 75, São Paulo, ANPOCS, 2011, pp.73-88.

MISKOLCI, Richard. Pânicos Morais e Controle Social: reflexões sobre o casamento gay. cadernos pagu (28), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/UNICAMP, 2007, pp.101-128.

ORTEGA, Francisco. O Corpo Incerto: corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro, Garamond, 2008.

PAGLIA, Camille. Resenha sem título. Salon.com 14/03/2007 [http://salon.com/opinion/paglia/2007/03/14/coulter].

RUBIN, Gayle. Thinking Sex. In: ABELOVE, H. et alii. The Lesbian and Gay Studies Reader. New York, Routledge, 1992.

SCHREBER, Daniel Paul. Memórias de um doente dos nervos. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1984.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. A Epistemologia do Armário. cadernos pagu (28), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/UNICAMP, 2007, pp.19-54.

__________. Epistemology of the Closet. Los Angeles, University of California Press, 1990.

__________. Between Men: Male Homosocial Desire and English Literature. New York, Columbia University Press, 1985.

SHELLEY, Mary. Frankenstein or The Modern Prometheus. London, Collector‟s Library, 2004.

SHOWALTER, Elaine. Sexual Anarchy: gender and culture at the fin-desiècle.

New York, Penguin Books, 1990.

WEEKS, Jeffrey. Coming Out: Homosexual Politics in Britain from the Nineteenth Century to the Present. London, Quartet Books, 1977

Publicado
2016-04-14
Como Citar
Miskolci, R. (2016). Frankenstein e o espectro do desejo. Cadernos Pagu, (37), 299-322. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645023