“Quem chegar por último é mulher do padre” : as Cartas de Perdão de concubinas de padres na Baixa Idade Média portuguesa

Autores

  • Edlene Oliveira Silva Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Celibato. Casamento. Concubinato Clerical. Relações de Gênero

Resumo

Na sociedade medieval portuguesa, a prática do concubinato clerical representou uma ameaça ao celibato e ao casamento religioso, instituições fundamentais para o projeto de ordenamento social defendido pela Igreja e pela monarquia. Nos séculos XIV e XV, as leis civis definiram o concubinato clerical como um crime. No entanto, havia a possibilidade de absolvição ou diminuição da pena por meio das Cartas de Perdão, importante instrumento jurídico para compreender as representações de gênero que mediaram o olhar da justiça, forjando a imagem das concubinas como pecadoras e criminosas.

Abstract

In the medieval Portuguese society, the practice of clerical concubinage represented a threat to celibacy and religious marriages. These were fundamental institutions to the social ordination project defended by the Church and the monarchy. In the fourteenth and fifteenth centuries the civil laws defined clerical concubinage as crime. However, there was the possibility of acquittal or sentence reduction by means of Letters of Pardon, an important legal tool to understand the gender representations that have mediated the eye of justice, forging the image of concubines as sinners and criminals.

Key Words: Celibacy, Marriage, Clerical Concubinage, Gender Relations

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edlene Oliveira Silva, Universidade de Brasília

Possui bacharelado e Licenciatura em História pela Universidade de Brasília (1999). Mestrado (2003) e doutorado (2008) em História pela mesma instituição. Atualmente é professora adjunta da área de Teoria e Metodologia do Ensino de História do Departamento de História da UnB. Escreveu vários artigos sobre as relações entre Justiça e gênero na Idade Média e sobre Ensino de História. Atualmente dedica-se à pesquisa na área de sexualidade, relações de gênero, estudos da Imagem (sobretudo narrativas filmicas), Ensino de História, Gênero e Diversidade na Escola. É ainda coordenadora do LABEH (Laboratório de Ensino de História) do departamento de História da Universidade de Brasília.

Referências

ALMEIDA, Fortunato de. História da Igreja em Portugal, vol. 1, 2 e 3.

Porto, Portucalense, 1967.

BLOCH, R. Howard. Misoginia Medieval e a invenção do amor romântico ocidental. Rio de Janeiro, Ed. 34, 1995.

CHARTIER, Roger. A História hoje: dúvidas, desafios, propostas. Estudos Históricos, vol. 7, nº 13, Rio de Janeiro, 1994, pp.97-113.

__________. Diferença entre os sexos e dominação simbólica. Cadernos Pagu (4), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero - Pagu/Unicamp, 1995, pp.37-47.

COSTA, Pereira da. Folclore pernambucano: subsídios para a história da poesia popular em Pernambuco. Recife, Arquivo Público Estadual, 1974.

DALARUM, Jacques. Olhares de clérigos. In: KLAPISCH-LUBER, Christiane.

(org.) História das mulheres no ocidente: a Idade Média. Porto, Afrontamento, 1993.faltam as páginas DAVIS, Natalie Zemon. Histórias de perdão e seus narradores na França do século XVI. São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente: 1300-1800 – uma cidade sitiada. São Paulo, Companhia das Letras, 1993.

DUARTE, Luís Miguel. Degredados: justiça e criminalidade no Portugal medievo. Tese de Doutorado em História, vol. 1, Universidade do Porto, Porto, 1993.

DUBY, Georges. Eva e os padres: damas do século XII. São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2000.

FERNANDES, Francisco; LUFT, Celso Pedro; GUIMARÃES, E. Marques.

Dicionário Brasileiro Globo. São Paulo, Globo, 1998.

FLANDRIN, Jean-Louis. O sexo no Ocidente: evolução das atitudes e dos comportamentos. São Paulo, Brasiliense, 1988.

HESPANHA, António Manuel. A punição e a graça. In: MATTOSO, José.

(dir.) História de Portugal vol. 4. Lisboa, Estampa, 1992.

KRAMER, Heinrich e SPRENGER, James. Malleus Maleficarum O martelo das feiticeiras. Rio de Janeiro, Rosa dos Tempos, 1991.

LARAIA, Roque de Barros. Jardim do Éden revisitado. Revista de Antropológica, vol. 40, nº 1. São Paulo, USP, 1997, pp.149-164.

LE GOFF, Jacques. Para um novo conceito de Idade Média: tempo, trabalho e cultura no Ocidente. Lisboa, Estampa, 1979.

MALEVAL, Maria do Amparo Tavares. As mulheres são o diabo. Rio de Janeiro, EDUERJ, 2004.

NASCIMENTO, Maria Filomena Dias. Ser mulher na Idade Média. Textos de história, vol. 5, nº 1. Brasília, 1997, pp.82-91.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos.

Campinas, Ed. Unicamp, 1997.

PITILLO, Silvana Assis Freitas. A personagem vicentina: uma representação do Portugal dos Quinhentos. Dissertação de mestrado em História, Universidade Federal de Uberlândia, 2002 [http://www1.capes.gov.br/teses/pt/2002_mest_ufu_silvana_assis_freit as_pitilo.pdf -acessado em 23/03/2009].

ROSSIAUD, Jacques. A prostituição na Idade Média. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1991.

SANDRE-PEREIRA, Gilza. Amamentação e sexualidade. Revista de Estudos Feministas 11(2), Florianópolis, julho-dezembro/2003, pp.467-491.

SCOTT, Joan W. Prefácio a Gender and Politics of History. Cadernos Pagu (3), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1994, pp.11-27.

ZORDAN, Paola. Bruxas: figuras de poder. Revista Estudos Feministas, vol. 13, nº 2, Florianópolis, mai-ago 2005, pp.331-341.

Downloads

Publicado

2016-04-14

Como Citar

Silva, E. O. (2016). “Quem chegar por último é mulher do padre” : as Cartas de Perdão de concubinas de padres na Baixa Idade Média portuguesa. Cadernos Pagu, (37), 357–386. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645025