Race Fucker: representações raciais na pornografia gay

  • Osmundo Pinho Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Pornografiaç. Raça. Gay. Branquidade. Brasilidade. Internet

Resumo

Neste estudo, procuro explorar determinada perspectiva crítica relacionada à articulação entre raça, sexualidade e gênero, entendendo que a pornografia gay se prestaria exemplarmente a flagrar a produção de um sistema ordenado de classificações e categorias, estereótipos e representações, instituídos como um discurso capaz de ser lido como o inventário da fetichização socialmente produzida para o desejo sexual racializado. Para desenvolver essa perspectiva apresento uma breve discussão teórica sobre a pornografia, interrogada pela articulação prazer/poder e a leitura de três conjuntos êmicos de representação racial associados ao desejo homossexual: a negritude, a branquidade e a brasilidade.

Abstract

In this study the author seeks to explore a specific critical perspective related to the race, sexuality and gender articulation, understanding that gay pornography will be exemplary to show the production of a coordinated system of classifications and categories, stereotypes and representations built as a discourse that may be read as a socially produced inventory of fetichization for racialized sexual desire. In order to develop this view the author presents a short theoretical discussion on pornography, interrogated by the power/pleasure articulation and the reading of three hemic corpora of racial representation related to homosexual desire: blackness, whiteness and brazilianness.

Key Words: Pornography, Race, Gay, Whiteness, Brazilianness, Internet

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osmundo Pinho, Universidade Federal da Bahia
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1993), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (1996) e doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2003). É Professor Adjunto IV no Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, campus de Cachoeira, no programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e no Mestrado Profissional em Historia da África, da Diáspora e dos Povos Indígenas da mesma universidade. É professor colaborador no Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia. Cumpriu estágio Pós-Doutoral como Visiting Scholar no African and African Diaspora Studies Department da Universidade do Texas em Austin, apoiado pela CAPES por meio de bolsa Estagio Sênior (Nov. 2013-Dez. 2014). Tem experiência na área de Antropologia e Estudos Culturais, com ênfase em Teoria Antropológica e em Antropologia das Populações Afro-Brasileiras e da Diáspora, atuando principalmente nos seguintes temas: relações raciais, sexualidade e gênero. 
Publicado
2016-04-14
Como Citar
Pinho, O. (2016). Race Fucker: representações raciais na pornografia gay. Cadernos Pagu, (38), 159-195. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645036
Seção
Dossiê