Banner Portal
Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista
Remoto

Palavras-chave

Movimentos Sociais. Protestos. Feminismos Plurais. Feminismos Jovens. Feminismos Negros. Transversalidade. Sidestreaming

Como Citar

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 43, p. 13–56, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645074. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

Este artigo propõe uma linguagem conceitual, um aparelho interpretativo e uma nova unidade de análise para repensarmos as dinâmicas e mudanças dos feminismos no Brasil e América Latina. Enquadrando os feminismos como campos discursivos de ação, elabora uma revisão narrativa de três momentos na trajetória dos feminismos contemporâneos à luz dessa abordagem analítica: 1) o “centramento” e a configuração do feminismo no singular; 2) o descentramento e pluralização dos feminismos e o “mainstreaming” (fluxos verticais) do gênero; e 3) o momento atual de “sidestreaming” (fluxos horizontais) dos feminismos plurais e a multiplicação de campos feministas.

Remoto

Referências

ABERS, Rebecca; TATAGIBA, Luciana. Institutional Activism: Mobilizing for Women’s Health from Inside the Brazilian Bureaucracy, 2014. (mimeo) ABERS, Rebecca; VON BULOW, Marisa. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através de fronteira Estado e sociedade. Sociologias nº 13 (28), Porto Alegre, Programa de PósGraduação em Sociologia, URGS, 2011, pp.52-84.

ALONSO, Angela. As teorias de movimentos sociais: Um balanço do debate. Lua Nova nº 76, São Paulo, CEDEC, 2009, pp.49-86.

ALVAREZ, Sonia E. Engendering Democracy in Brazil: women’s movements in transition politics. Princeton, Princeton University Press, 1990.

ALVAREZ, Sonia E. A “Globalização” dos Feminismos Latinoamericanos: Tendências dos Anos 90 e Desafios para o Novo Milênio. In: ALVAREZ, Sonia E.; DAGNINO, Evelina; ESCOBAR, Arturo (ed.). Cultura e Política nos Movimentos Sociais Latino-americanos: Novas Leituras. Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000, pp.383-426.

______. Beyond NGOization? Reflections on Latin America. Development nº. 52(2), Rome, Palgrave-McMillan/Society for International Development, 2009a, pp.175-184.

______. Constituindo uma Política Feminista Translocal de Tradução. Revista Estudos Feministas nº 17(3), Florianópolis-SC, UFSC, 2009b, pp.743-753.

______. Beyond NGOization: Reflections from Latin America. In: BERNAL, Victoria; GREWAL, Inderpal. Theorizing NGOs: States, Feminisms, and Neoliberalism, Durham-NC, Duke University Press, 2014a, pp.285-300.

______. Engajamentos Ambivalentes, Efeitos Paradoxais: Movimentos feminista e de mulheres na América Latina e/em/contra o desenvolvimento. Feminismos nº. 4, 2014b.

______ et alii. Encontrando os feminismos latino-americanos e caribenhos. Revista Estudos Feministas nº 11(2), Florianópolis-SC, UFSC, 2004, pp.541-575.

______; BAIRROS, Luiza. Feminismos e Antirracismo: Entraves e Intersecções. Uma Entrevista com a Ministra Luiza Bairros, Ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Revista Estudos Feministas nº 20(3), Florianópolis-SC, UFSC, 2012, pp.833-850.

______ et alii. Translocalities/Translocalidades: Feminist Politics of Translation in the Latin/a Américas. Durham, NC, Duke University Press, 2014.

______; FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam. Dossiê Fórum Social Mundial e Feminismos. Revista Estudos Feministas nº 11(2) Florianópolis-SC, UFSC, 2003, pp.533-540.

AMARAL, Marília dos Santos; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. Entre Novatas, Cdzinhas e Transformers: Políticas de (re)existência na experiência de travestis iniciantes. Historia Agora nº 15, 2014, pp.162-184.

BAIRROS, Luiza. III Conferência Mundial contra o Racismo. Revista Estudos Feministas nº 10, Florianópolis-SC, UFSC, 2002, pp.169- 170.

BARBOSA, Bruno Cesar. Doidas e putas: usos das categorias travesti e transexual. Sexualidad, Salud y Sociedad – Revista Latinoamericana (14), Rio de Janeiro, Centro Latino-americano en Sexualidad y Derechos Humanos/Instutito Medico Legal, 2013, pp.352-379. BARBOSA, Licia Maria de Lima. “Eu me alimento, eu me alimento, força e fé das iabás buscando empoderamento!” Expressões de mulheres negras jovens no hip-hop baiano. Teses de Doutorado. Programa Multidisciplinar de Pós-Gradução em Estudos Étnicos e Africanos, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

BARRETO, Letícia Cardoso; GROSSI, Miriam Pillar; MAYORGA, Claudia. Pensando a Prostituição, a Pesquisa e a Militância. Anais do III Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades, Salvador, Bahia, UNEB, junho 2013.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e Branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva. Psicologia social do racismo – -estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis-RJ, Vozes, 2002, pp.25-58.

BORDA, Ângela; FARIA, Nalu; GODINHO, Tatau. Mulher e Política: Gênero e Feminismo no Partido dos Trabalhadores. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 1998.

CAMURÇA, Silvia. Genero e políticas públicas - a que interessa o debate sobre o tema. Cadernos ABONG. São Paulo, ABONG, nº 22, 1997, pp.23-26.

CARDOSO, Claudia Pons. Outras Falas: Feminismos na Perspectiva de Mulheres Negras Brasileiras. Tese de doutorado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA, 2012.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados 17(49), São Paulo, USP, 2003, pp.117-133.

COACCI, Thiago. Encontrando o transfeminismo brasileiro: um mapeamento preliminar de uma corrente em ascensão. História Agora nº 15, 2014, pp.134-161.

CONWAY, Janet M. Edges of Global Justice: The World Social Forum and its "Others". New York, Routledge, 2013.

CORNWALL, Andrea; HARRISON, Elizabeth; WHITEHEAD, Ann. Gender Myths and Feminist Fables: The Struggle for Interpretive Power in Gender and Development. In: CORNWALL, Andrea; HARRISON, Elizabeth; WHITEHEAD, Ann. (ed.). Gender Myths and Feminist Fables: The Struggle for Interpretive Power in Gender and Development. London, Wiley-Blackwell, 2007, pp.1-19. CORRÊA LEITE, José. Fórum Social Mundial: A história de uma invenção política. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2003. Com a colaboração de Carolina Gil.

CORRÊA, Sônia. Gênero e desenvolvimento: de que estamos falando? Cadernos ABONG nº 22, São Paulo, ABONG, 1997, pp.5-10.

COSTA, Ana Alice; SARDENBERG, Cecília M.. Teoria e praxis feministas nas ciências e na academia: Os núcleos da mulher nas Universidades Brasileiras. Revista Estudos Feministas, Edição Especial, Florianópolis-SC, UFSC, 1994.

COSTA, Claudia de Lima. O Tráfico em Gênero. Cadernos Pagu (11), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1998, pp.127-140.

COSTA, Claudia de Lima. Equivocação, tradução e interseccionalidade performativa: observações sobre ética e prática feministas descoloniais. In: BIDASECA, Karina et alii (ed.). Genologías e Memorias Poscoloniales en América Latina: Escrituras fronterizas desde el Sur. Buenos Aires, Ediciones Godot, 2014, pp.260-293.

COSTA, Claudia de Lima; ALVAREZ, Sonia E. Política Feminista de Tradução nas Américas Latinas. Revista Estudos Feministas nº 17(3), Florianópolis-SC, UFSC, 2009, pp.739-742.

DAGNINO, Evelina. Sociedade civil, espaços públicos ea construção democrática no Brasil: limites e possibilidades. In: DAGNINO, Evelina (ed.). Sociedade Civil e Espaços Públicos no Brasil. São Paulo, Paz e Terra, 2002, pp.279-302.

DAGNINO, Evelina; OLVERA, Alberto J.; PANFICHI, Aldo. Para uma outra leitura da disputa pela construção democrática na América Latina. In: DAGNINO, Evelina; OLVERA, Alberto J.; PANFICHI, Aldo. A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo, Paz e Terra; Campinas-SP, Unicamp, 2006, pp.13-91.

DE LA CADENA, M. Indigenous Cosmopolitics in The Andes: Conceptual Reflections beyond "Politics". Cultural Anthropology nº 25(2), Durham, NC, Duke University Press, 2010, pp.334-370.

DIANI, M. Introduction: Social Movements, Contentious Actions, and Social Networks:From Metaphor to Substance”? In: DIANI, M.; MCADAM, Doug. Social Movements and Networks: Relational Approaches to Collective Action... New York, Oxford University Press, 2003, pp.1-20.

DOIMO, Ana Maria. A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro, RelumeDumará/ANPOCS, 1995.

ESCOBAR, Arturo. Latin America at a Crossroads: Alternative Modernizations, Post-Liberalism, or Post-Development? Cultural Studies nº 24(1), Durham, NC, Duke University Press, 2010, pp.1-65.

FARIA, Nalu. El Feminismo Latinoamericano y Caribeño: Perspectivas frente al Neoliberalismo. São Paulo, REMTE/Oxfam, 2006.

FARIA, Nalu; NOBRE, Mirian. Gênero e Desigualdade. São Paulo, Cadenos Sempreviva, Textos para a ação feminista, 1997.

FERREIRA, Gleidiane de S. Feminismo e Redes Sociais na Marcha das Vadias no Brasil. Revista Ártemis nº XV(1), João Pessoa-PB, Universidade Federal de Paraiba, 2013, pp.33-43.

FLIGSTEIN, Neil; MCADAM, Doug. A Theory of Fields. New York, Oxford University Press, 2012.

GARGALLO, Francesca. Feminismos desde Abya Yala: Ideas y proposiciones de las mujeres de 607 pueblos en Nuestra América. Ciudad de México, Editorial Corte y Confección, 2014.

GOHN, Maria da Gloria. Novas Teorias de Movimentos Sociais. São Paulo, Loyola, 2012.

GOHN, Maria Gloria. Sociedade civil no Brasil: movimentos sociais e ONGs. Revista Meta: Avaliação nº 5(14), 2013.

GOLDFARB, Raquel; MINELLA, Luzinete; LAGO, Mara. Marcha das Vadias na Paraíba: Sororidades, Performances, e Linguagens. Anais do Congresso – Fazendo Gênero 10: Desafios atuais dos feminismos, Florianópolis-SC, 16-20 setembro, 2013.

GONÇALVES, Eliane; FREITAS, Fátima; OLIVEIRA, Elismênnia. Das Idades transitórias: As “jovens” no feminismo brasileiro contemporâneo, suas Ações e seus dilemas. Revista Feminismos, Salvador, Bahia, NEIM/Universidade Federal da Bahia, nº 1(3), 2013.

HAWKESWORTH, Mary E. Globalization & Feminist Activism. Boulder, CO, Rowan & Littlefield, 2006. HERNÁNDEZ Castillo; ROSALBA, Aída. The Emergence of Indigenous Feminism in Latin America. Signs nº 35(3), Newark, NJ, Rutgers University, University of Chicago Press, 2010, pp.539-545.

JURIS, Jeffrey J. Networking Futures: The Movements against Corporate Globalization. Durham, NC, Duke University Press, 2008.

JURIS, Jeffrey J. Reflections on #Occupy Everywhere: Social Media, Public Space, and Emerging Logics of Aggregation. American Ethnologist nº 39, Malden, MA, American Anthropological Association/ Blackwell Publishing, 2012, pp.259-279.

LEBON, Nathalie. Social Justice Feminism at Work: Redistribution and Recognition in the Marcha Mundial das Mulheres in Brazil. Trabalho apresentado na Latin American Studies Association, Chicago, maio 2014.

MACAULAY, Fiona. Gender Politics in Brazil and Chile: The Role of Parties in National and Local Policymaking. New York, Palgrave MacMillan, 2006.

MAGRINI, Pedro; LAGO, Mara. A incorporação de lutas transversais pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Mal Estar e Sociedade (10), Belo Horizonte, EdUEMG - Editora da Universidade do Estado de Minas Gerais, 2013, pp.13-37.

MAIA, Suzana. Identificando a branquidade inominada: corpo, raça e nação nas representações sobre Gisele Bündchen na Mídia Transnacional. Cadernos Pagu (38), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2012, pp.309-341.

MARQUES, Gabriela. Cena Anarcopunk: Resistências feministas em um “espaço masculino” (1990-2012). Tese de qualificação para o doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

MISCHE, Ann. Projecting Democracy: The Formation of Citizenship Across Youth Networks in Brazil. International Review of Social History nº 40(3), 1995, pp.131-158.

MISCHE, Ann. Cross-talk in Movements: Reconceiving the CultureNetwork Link. In: DIANI, Mario; MCADAM, Doug (ed.). Social Movements and Networks: Relational Approaches to Collective Action. New York, Oxford, 2003, pp.258-280. MISCHE, Ann. Partisan Publics: Communication and Contention across Brazilian Youth Activist Networks. Princeton, Princeton University Press, 2008.

MOLYNEUX, Maxine. Mothers at the Service of the New Poverty Agenda: Progresa/Oportunidades, Mexico”s Conditional Transfer Programme. Social Policy & Administration nº 40(4), Nova Iorque, Wiley, 2006, pp.425-449.

NAME, Leo; ZANETTI, Julia. Meu Corpo, Minhas redes: A Marcha das Vadias do Rio de Janeiro. Anais da ANPUR. 2013.

OLIVEIRA, Guacira Cesar de; SANT’ANNA Vânia. Chega de Saudade, A Realidade É Que... Revista Estudos Feministas nº 10(1), Florianópolis-SC, UFSC, 2002, pp.199-207.

PECK, Jamie; TICKELL, Adam. Neoliberalizing Space. Antipode nº 34(3), Nova Iorque, Wiley, 2002, pp.380-404.

PEDRO, Joana Maria. Narrativas fundadoras do feminismo: poderes e conflitos (1970-1978). Revista Brasileira de História nº 26(52), São Paulo, USP/ANPUH, 2008, pp.249-272.

PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe. Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul. Florianópolis-SC, Editora Mulheres, 2010.

PEDRO, Joana; WOLFF, Cristina Scheibe; VEIGA, A. M. Resistências, gênero e feminismos contra as ditaduras no Cone Sul. FlorianópolisSC, Editora Mulheres, 2011.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2003.

PORTO AGUIAR, Vliênia. Margaridas em Marcha: mulheres do campo e da floresta se construindo como sujeito político. Texto para Seminário de tese, Unicamp, 2011.

RAGO, Margaret (ed.). Memórias insubmissas: mulheres nas ditaturas latino- americanas. Labrys/Estudos Feministas, edição especial, 2009.

RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras brasileiras: de Bertioga a Beijing. Revista Estudos Feministas nº 3(2), Florianópolis-SC, UFSC, 1995, pp.446-458. RICHARDS, Patricia. Pobladoras, Indígenas, and the State: Conflicts over Women”s Rights in Chile. New Brunswick, NJ, Rutgers University Press, 2004.

RÍOS TOBAR, Marcela; CATALÁN, Lorena Godoy; CAVIEDES, Elizabeth Guerrero . Un nuevo silencio feminista? La transformación de un movimiento social en el Chile postdictadura. Santiago, Centro de Estudios de la Mujer; Editorial Cuarto próprio, 2003.

ROUSSEAU, Stephanie. Indigenous and feminist movements at the constituent assembly in Bolivia: locating the representation of indigenous women.(Report). Latin American Research Review nº 46(2), Montreal, McGill University/LASA, 2011, pp.5-28.

SANTOS, Sônia Beatriz dos. As ONGs de mulheres negras o Brasil. Sociedade e Cultura nº 12(2), Goiânia, Universidade Federal de Goias, 2009, pp.275-288.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes de Movimentos Sociais. São Paulo, Edições Loyola, 1993.

SCHERER-WARREN, Ilse. Redes Emancipatórias: Nas lutas contra a exclusão e por direitos humanos. Curitiba, Appiris, 2012.

SCHERER-WARREN, Ilse. Trabalho apresentado no Seminário Movimentos sociais e participação no Brasil: Diálogos transversais. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

SCHUMAHER, Maria Aparecida; VARGAS, Elisabeth. Lugar no governo: Álibi ou conquista? Revista Estudos Feministas nº 1(2), FlorianópolisSC, UFSC, 1993, pp.348-365.

SEN, Jai et alii. World Social Forum: Challenging Empire. New Delhi, The Viveka Foundation, 2004.

SILVA, Berenice Gomes da. A Marcha das Margaridas: resistências e permanências. Dissertação de Mestrado, Departamento de PósGraduação em Sociologia, Universidade de Brasília, 2008.

SIMÕES, Soraya Silveira. Identidade e política: a prostituição eo reconhecimento de um métier no Brasil. Revista de Antropologia Social dos Alunos do PPGAS-UFSCar nº 2(1), São Carlos-SP, UFSCar, 2010, pp.24-46.

SLOVIK, Liz. Aqui Ninguém é Branco. Rio de Janeiro, Aeroplano, 2009. SOARES, Vera. Feminismo e ONGs. In: Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais - ABONG (ed.). O Impacto Social do Trabalho das ONGs no Brasil. São Paulo, ABONG, 1998, pp.38- 60.

SPEED, Shannon; CASTILLO, R. Aída Hernández; STEPHEN, Lynn M. Dissident Women: Gender and Cultural Politics in Chiapas. Austin, TX, University of Texas Press, 2006.

STERNBACH, Nancy Saporta et alii. Feminisms in Latin America: From Bogota to San Bernardo. In: ESCOBAR, Arturo; ALVAREZ, Sonia E. The Making of Social Mvoements in Latin America: Identity, Strategy, and Democracy. Boulder, CO, Westview Press, 1992, pp.393-434.

TARROW, Sidney. Power in Movement: Social Movements and Contentious Politics. New York, Cambridge University Press, 1998.

TAYLOR, Verta; WHITTIER, Nancy E. Analytical Approaches to Social Movement Culture: The Culture of the Women”s Movement. In: JOHNSTON, Hank; KLANDERMANS, Bert. Social Movements and Culture. Minneapolis, University of Minnesota Press, 1995, pp.163- 187.

THAYER, Millie. Translations and Refusals: Resignifying Meanings as Feminsit Political Practice. In: ALVAREZ, Sonia E. et alii.

Translocalities/Translocalidades: Feminist Politics of Translation in the Latin/a Américas.. Durham, NC, Duke University Press, 2014, pp.401-422.

THAYER, Millie. Making Transnational Feminism: Rural Women, NGO Activists, and Northern Donors in Brazil. New York, Routledge, 2010.

WILLS, María Emma. Los Cinco Viajes de los Feminismos en Colombia (1980-1999): Avances y Estancamientos. In: PANFICHI, Aldo. Sociedad Civil, Esfera Pública y Democratización: Andes y Cono Sur.

Lima, Pontífica Universidad Católica del Perú; México, D.F., Fondo de Cultura Económica, 2002, pp.411-448.

ZANETTI, Julia; SOUZA, Patricia. Jovens no feminismo e no Hip Hop na busca por reconhecimento. In: 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro, Bahia, 1-4 de junho de 2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.