Banner Portal
Bailarinas e bailarinos: uma etnografia da dança como profissão
Remoto

Palavras-chave

Dança. Corpo. Gênero. Sexualidade. Trabalho

Como Citar

NEVES, Juliana Cunha Lima. Bailarinas e bailarinos: uma etnografia da dança como profissão. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 41, p. 201–238, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645100. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

O artigo investiga os fatores de atração para a dança, atividade para a qual é atraída uma minoria que faz do corpo instrumento de trabalho e recurso de transgressão das próprias condições de existência. Bailarinas e bailarinos foram tomados aqui como objeto pertinente e desafiador para uma análise socioantropológica, na medida em que a sua figura e a sua adesão profissional ao meio coreográfico trazem à tona elementos relativos às tensões entre classe, gênero, atuação artística e desvios de trajetórias, que devem ser explorados a ter como ponto de partida o corpo, portador privilegiado das marcas sociais.

Abstract

This paper studies the factors attracting to dancing, activity that lures a minority that uses the body as both labor instrument and resource for transgression of its own conditions of existence. Dancers are here taken as pertinent and challenging objects for a socio-anthropological analysis in so far as their figure and professional choice brings to surface elements relative to the tensions surrounding class, gender, artistic performance and route deviations that ought to be explored, having as a point of departure the body, as major carrier of social marks.

Key Words: Dance, Body, Gender, Sexuality, Labor

Remoto

Referências

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo, Edusp/ Porto Alegre, RS, Zouk, 2007.

__________. Le paysan et son corps. Le bal des célibataires: crise de la société paysanne en Béarn. Paris, Éditions du Seuil, 2002, pp.110-129.

CSORDAS, Thomas. Corpo, significado, cura. Porto Alegre, UFRGS, 2008.

FREUD, Sigmund. Os pensadores. São Paulo, Abril Cultural, 1978.

Hanna, Judith Lynne. Dança, sexo e gênero. Rio de Janeiro, Rocco, 1999.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J. Vocabulário de psicanálise. São Paulo, Martins Fontes, 1986, pp.637-641.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo, Cosac & Naif, 2003, pp.399-422.

PONTES, Heloisa. Intérpretes da metrópole: história social e relações de gênero no teatro e no campo intelectual, 1940 - 1968. São Paulo, Edusp, 2010.

RAVET, Hyacinthe. Devenir clarinettiste: carrières féminines en milieu masculin. Actes de la recherche en sciences sociales (168), Paris, Seuil, 2007, pp.50-67.

SORIGNET, Pierre-Emmanuel. La construction des identités sexuées et sexuelles au regard de la socialisation professionnelle: Les cas des danseurs contemporains. Sociologie de l´art, opus 5, Paris, L´Harmattan, 2004, pp.11-34.

__________. Le métier de danseur contemporain. Thèse pour Le doctorat sous la direction de Gérard Mauger. Paris, Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales, 2001.

WACQUANT, Loïc. Corpo e Alma: Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2002.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo, Cia. das Letras, 2004.

__________. O sentido da “neutralidade axiológica” nas ciências sociais e econômicas. In: WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais (vol.

. São Paulo, Cortez/Campinas, Editora da Universidade Estadual de Campinas, 2001, pp.361-398.

Downloads

Não há dados estatísticos.