O debate em torno da emancipação feminina no Recife (1870-1920)

  • Noemia Maria Queiroz Pereira Luz Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Alcileide Cabral Nascimento Universidade Federal Rural de Pernambuco
Palavras-chave: Mulheres. Feminismos. Cidadania. Relações de Gênero

Resumo

Este artigo analisa o debate em torno da emancipação feminina no Recife, entre os anos 1870 a 1920, partindo do pressuposto de que as lutas das mulheres, feministas ou não, em Pernambuco e em outros estados brasileiros não cabem mais na narrativa que nomeou esse momento como “primeira onda” do movimento. Há uma episteme sobre o feminino que colocou em foco a “questão da mulher”, ressignificando e deslocando o que é ser mulher. Esse intenso debate, multiplicou as possibilidades do feminino num complexo e paradoxal movimento de construir identidade coletiva, de instituir o sujeito de direito feminino diante de um Estado que mudava a forma de governo, porém, mantinha-se conservador, oligárquico e com estreita concepção de democracia e cidadania. Essas mulheres, que desbravaram espaços nitidamente masculinos e questionaram verdades em torno de seu sexo, de seu corpo e de sua inteligência, por meio da palavra escrita, publicando artigos polêmicos com ou sem pseudônimo, foram fundamentais na instituição de uma nova identidade feminina de feição moderna.

Abstract

This article analyzes the debate on women emancipation in Recife, between 1870 and 1920, assuming that the struggles of women, feminist or not, in Pernambuco and other Brazilian states, no longer fit into the narrative that named this moment as “first wave” of the movement. There is an episteme on “the feminine” that put the focus on “women's issues”, resignifying what is being a woman, and moving it. This intense debate multiplied the possibilities of the feminine, in a complex and paradoxical movement in order to build collective identity and establish women as subject of rights before a country that changed its form of government, however, remained conservative, oligarchic, and with a narrow conception of democracy and citizenship. Such women – who braved distinctly masculine spaces and questioned truths about their sex, their body and their intelligence, through the written word, by publishing polemical articles, with or without pseudonyms – were essential at introducing a new feminine identity with a modern aspect.

Key-Words: Women, Feminisms, Citizenship, Gender Relations

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Noemia Maria Queiroz Pereira Luz, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Possui graduação em Historia pela Universidade Federal de Pernambuco (1977), graduação em Arquitetura pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1980), mestrado em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco (1991) e doutorado em História pela Universidade Federal de Pernambuco (2008). Atualmente é tecnico nivel superior - Arquivo Público Estadual Jordão Emereciano, professora regente b - Prefeitrua da Cidade do Recife. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Organização de Arquivos, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, história, cidade, tranportes e mulheres.
Alcileide Cabral Nascimento, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Doutora em História pela Universidade Federal de Pernambuco (2006) e Pós-Doutora pela Unicamp-SP (2011). Integra o corpo docente do Curso de Licenciatura em História e da Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Publicou A Sorte dos Enjeitados: o combate ao infanticídio e a institucionalização da assistência às crianças abandonadas no Recife (1789-1832), Annablume, 2008 e organizou Cultura, Gênero e HIstória, Ed. UFPE,2008. Tem artigos publicados que tratam do abandono de crianças no Recife, das práticas infanticidas, da maternidade, de gênero e dos movimentos feministas em Recife.

Referências

ALONSO, Ângela. Joaquim Nabuco: o salão e as ruas. São Paulo, Cia das Letras, 2007.

ANDRADE, Carlos Drummond. Presépio. In: MORICONI, Ítalo (org.). Os cem melhores contos brasileiros do século. Rio de Janeiro, Objetiva, 2001.

ARRAIS, Raimundo Pereira Alencar. O Periquito: uma revista licenciosa no Recife da entrada do século XX. Revista do Arquivo Público, Recife-PE, dez. 1997, pp.10-23.

__________. Recife: culturas e confrontos. A participação na campanha salvacionista de 1911. Natal, EDUFRN, 1998.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2010.

BARBOSA, Izabelle Lúcia de Oliveira. Entre rastros e rostos: Ascensão das mulheres nas revistas recifenses no início do século XX. Prêmio Naíde Teodósio de Estudos de Gênero, Ano V, Recife, Secretaria da Mulher, 2012.

BESSE, Susan. Modernizando a desigualdade. Reestruturação da ideologia de Gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo, EDUSP, 1999.

BRAGA, Roberto; CARVALHO, Pompeu Figueiredo de. Cidade: espaço de cidadania, 27 de fevereiro de 2004. Disponível em: .

Acesso em: 10 out 2012.

CARACCIOLO, B. A Feminina, Gazeta de Pesqueira, Pesqueira- PE, 15 de fevereiro de 1903, pp.2.

CARDOSO, Severino. Instrução e Educação. A Co-educação dos sexos. A Verdade. Recife-PE, 23 de nov. de 1872, pp.2-3.

CARVALHO, Xavier. A Situação da Mulher. Jornal do Recife, Recife- PE, 22 de abr. de 1890, p.1.

CENTI, Nina. Revista Pilhéria (3:95), Recife-PE, 1923, pp.14.

COSTA, Suely. Onda, rizoma e “sororidade” como metáforas: representações de mulheres e dos feminismos (Paris, Rio de Janeiro: anos 70/80 do século xx). INTERthesis (6:2), Florianópolis-SC, 2009, pp.1-29.

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: a primeira feminista do Brasil.

Florianópolis-SC, Ed. Mulheres, 2005.

ESTATUTOS do Centro Protetor dos Operários em Pernambuco. Cap. VII.

Secção Feminina Art. 46. Aurora Social. Órgão do Operariado.

Recife, 21 de dezembro de 1903, pp.3.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Hollanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1986.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos: ética, sexualidade, política. vol. 5. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2004.

FRAGOSO, Maria. A Questão da Mulher. Recife, Imprensa Industrial, 1904. Gazeta de Pesqueira. Pesqueira-PE, 1903.

FREYRE, Gilberto. Manifesto Regionalista. Recife, 1926. Disponível em: http: . Acesso em: 02 set 2012.

GRILLO, M. Ângela de F. Ave Libertas: o movimento abolicionista feminino de Pernambuco. In: Anais do I Seminário Internacional Enfoques Feministas e o Século XXI: Feminismo e Universidade na América Latina. Salvador, 2005, pp.01-14.

HAHNER, June. Emancipação do sexo feminino: a luta pelos direitos da mulher no Brasil, 1850-1940. Florianópolis-SC, Ed. Mulheres; Santa Cruz do Sul, Edunisc, 2003.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu (5) Campinas- SP, Núcleo de estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 1995, pp.07-41.

HEMMINGS, Clare. Contando estórias Feministas. Revista Estudos Feministas (17:1), Florianópolis-SC, UFSC, 2009, pp.215-241.

HOBSBAWN. Eric. A Era dos Impérios (1875-1914). Rio de Janeiro-RJ, Paz e Terra, 1988.

JOAQUIM Nabuco. Diários. V.1. Rio de Janeiro, Bem-Te-Vi Produções Literárias/Recife, Ed. Massangana, 2005.

LEÃO, E. As Mulheres e a Política. A Patria, Garanhuns - PE, 11 de out.

, p.1.

LEITE, Márcia Maria da Silva Barreiros. Entre a tinta e o papel: Memórias de leituras e escritas femininas na Bahia (1870-1920). Salvador-BA, Quarteto, 2005.

LEMOS, Layette. Pelo Feminismo, Revista Polyantho (III:11-12), Recife, 1907, pp.3.

LUZ, Noemia Maria Queiroz Pereira da. Os caminhos do olhar: circulação, propaganda e humor – Recife (1880-1914). Tese (doutorado) em História, Universidade Federal de Pernambuco, 2008.

MELO, Oscar. Recife Sangrento. Recife, s/ed, 1938.

MORAIS. Maria Luíza Nóbrega. Presença feminina no jornalismo pernambucano: Dos primórdios a regulamentação profissional.

Disponível em: <http://www.intercom.org.br/papers/outros/hmidia2007/resumos/R01 56-1.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2011.

NASCIMENTO, Alcileide Cabral e LUZ Noemia M. Q. Pereira da.

Liberdade, transgressão e trabalho: o cotidiano das mulheres na cidade do Recife (1870-1914). Revista Territórios e Fronteiras (1:1), Cuiabá-MT, 2012, pp.126-149 NASCIMENTO. Luis do. História da Imprensa em Pernambuco, vol. 7, Recife, Imprensa Universitária, 1966.

PEDRO, Joana. Relações de Gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea. Revista Topoi 12(22), Rio de Janeiro, jan-jun 2011, pp.270-283.

PERNAMBUCO, Leis e Decretos. Lei nº. 13, de 14 de nov. 1891. SFR.

SNT. pp.01-03.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Bauru-SP, EDUSC, 2005.

PINTO, Céli Regina J. Uma história do feminismo do Brasil. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo, 2002.

PONTUAL, Virgínia; PICCOLO, Rosane. A demolição e a conservação das áreas centrais: planos, leis e transformações morfológicas no Recife, Brasil. Diez años de cambios en el Mundo, en la Geografía y en las Ciencias Sociales, 1999-2008. Actas del X Coloquio Internacional de Geocrítica, Universidad de Barcelona, 26 a 30 de mayo de 2008. Disponível em: <http://www.ub.edu/geocrit/-xcol/124.htm>.

Acesso em: 01 nov 2012.

RAGO, Margareth. Do Cabaré ao Lar. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1985.

RAGO, Margareth. Adeus ao feminismo. Cadernos AEL, nº 3/4, 1995/ 1996, pp.8. Disponível em: <http://www.ifch.unicamp.br/ael/websiteael_publicacoes/cad-3/Artigo-1-p11.pdf>.

Acesso em: 20 out 2011.

RAGO, Elisabeth Juliska. Francisca Praguer Fróes e a igualdade dos sexos.

Labrys – Estudos Feministas, Brasília/DF, ago/dez 2005, pp.1-26.

RECIFE Illustrado. Recife-PE, 1888.

REZENDE, Antônio Paulo. O Recife: história de uma cidade. Recife- PE, Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2002.

SCOTT, Joan. A Cidadã Paradoxal. As feministas francesas e os direitos do homem. Florianópolis- SC, Ed Mulheres, 2002.

SILVA, Leonardo Dantas. A abolição em Pernambuco. Recife, Ed.

Massangana, 1988.

SIQUEIRA, Elizabeth A. Santos et al. Um discurso feminino possível: pioneiras da imprensa em Pernambuco (1830-1910). Recife, Editora Universitária da UFPE, 1995.

SOBRE o Feminismo. Jornal da Semana, Espinheiro - PE, 24 de janeiro de 1911, p.1.

SOIHET, Rachel. A conquista do espaço público. In: PEDRO, Joana.

Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo, Contexto, 2012, pp.218-237.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil.

São Paulo, Brasiliense, 1999.

VASCONCELLOS, Maria Augusta C. Meira de. Uma Decisão Injusta. Jornal do Recife, Recife-PE, 25 de abril de 1890, p.2.

VERFUS, Anne. Voto familiarista e voto familiar: contribuição para o estudo do processo de individualização das mulheres na primeira metade do século XIX. In: CANÊDO, Letícia Bicalho (org.). O sufrágio universal e a invenção democrática. São Paulo, Estação Liberdade, 2005, pp.405-433.

Publicado
2016-04-15
Como Citar
Luz, N. M. Q. P., & Nascimento, A. C. (2016). O debate em torno da emancipação feminina no Recife (1870-1920). Cadernos Pagu, (42), 341-370. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645125