Banner Portal
Negociando com os leitores: o “novo” e o “antigo” homem nos editoriais da revista Men’s Health

Palavras-chave

Masculinidades. Sexualidade. Novo homem. Revista Men’s Health

Como Citar

Ribeiro, C. R. (2016). Negociando com os leitores: o “novo” e o “antigo” homem nos editoriais da revista Men’s Health. Cadernos Pagu, (42), 477–511. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645130

Resumo

Este artigo, norteado pelos conceitos de gênero, masculinidades e sexualidade, analisa os discursos de editoriais da revista Men’s Health. Identificamos nesses discursos marcas claras de valorização e defesa de novas formas de ser masculino e uma flagrante desvalorização do que chamamos de masculinidade tradicional. Consideramos que essas marcas revelam a necessidade de convencimento dos leitores, ou uma negociação de sentidos, para que esses homens adotem os padrões sugeridos pela revista sem o temor de colocarem em dúvida a sua heterossexualidade.

Abstract

This paper, guided by the concepts of gender, masculinity and sexuality, examines the discourses from editorial magazine Men's Health. We identify these discourses clear marks of appreciation and defense of new ways of being male and a blatant devaluation of what we call traditional masculinity. We believe that these marks show the need to convince the readers, or a negotiation of meanings, for these men to adopt the standards suggested by the magazine without the fear of putting in doubt his heterosexuality.

Key Words: Masculinities, Sexuality, New man, Men's Health Magazine

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale de. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa, Fim de Século, 2000.

BAUMAN, Zygmund. Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro, J. Zahar, 2008.

CAMPBELL, Colin. The Romantic Ethic and the spirit of modern consumerism. Oxford e Cambridge, Blackwell Publishers, 1995.

CASTRO, Ana Lúcia de. Culto ao corpo e sociedade: mídia, estilo de vida e cultura de consumo. São Paulo, Annablume/Fapesp, 2007.

CECCHETTO, Fátima. A sina de ser forte: corpo, sexualidade e saúde entre lutadores de jiu-jítsu no Rio de Janeiro. In: HEILBORN, Maria Luiza et al. Sexualidade, reprodução e saúde. Rio de Janeiro, Editora FGV, 2009.

CONNELL, Robert W. Globalization, imperialism, and masculinities. In: KIMMEL, M.; HEARN, J.; CONNELL, R. W. Handbook of studies on men & masculinities. California, Sage, 2005, pp.71-90.

__________. La organización social de la masculinidad. In: VALDÉZ, TERESA; OLIVARRÍA, José (Ed.). Masculinidad/es: poder y crisis.

Santiago, FLACSO/Isis, Ed. de las Mujeres, 1997, pp.31-48.

__________. Políticas da masculinidade. Revista Educação e Realidade, vol. 20, nº 2, Porto Alegre, jul./dez., 1995, pp.185-206.

DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2009.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. New York, Basic Books, 2001.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2007.

__________. O sujeito e o Poder. In: DREYFUS, Herbert L. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1995, pp.231-249.

FRAGA, Alex Branco. Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

GANETZ, H. The shop, the home and feminity as a masquerade. In: FORNAS, J.; BOLIN, G. (Ed.). Youth culture a late modernity. Londres, Sage, 1995, pp.72-99.

GOLDENBERG, Mirian. De perto ninguém é normal. Rio de Janeiro, Record, 2005.

HEILBORN, Maria Luiza; CARRARA, Sérgio. Em cena, os homens. Revista Estudos Feministas, vol. 6, 1998, pp.370-374.

__________; GOUVEIA, Patrícia Fernanda. “Marido é tudo igual”: mulheres populares e sexualidade no contexto da Aids. In: PARKER, RICHARD; BARBOSA, REGINA. Sexualidades pelo avesso: direitos, identidades e poder. Rio de Janeiro, IMS/UERJ; São Paulo, Ed. 34, 1999, pp.175-198.

HUBBARD, Ruth. The politics of women’s biology. Rutgers University Press, 1990.

KIMMEL, Michael. Homofobia, temor, vergüenza y silencio en la identidad masculina. In: VALDÉS, TERESA; OLIVARIA, José (Ed.). Masculinidade/s: poder y crisis. Santiago, FLACSO/Isis, Ed. de las Mujeres, 1997, pp.49-62.

___________. A produção simultânea de masculinidades hegemônicas e subalternas. Horizontes Antropológicos: Corpo, Doença e Saúde, vol.

, nº 9, out. 1998, pp.103-117.

MARSHALL, B. The new virility: Viagra, male aging and sexual function.

Sexualities, vol. 9, nº 3, 2006, pp.345-362.

MOSSE, George L. The image of man: the creation of modern masculinity. New York, Oxford Univ. Press, 1996.

NOLASCO, Sócrates Alveres. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas ocidentais. Rio de Janeiro, Rocco, 2001.

PALMA, Alexandre. Exercício físico e saúde; sedentarismo e doença: epidemia, causalidade e moralidade. Motriz - Revista de Educação Física, vol. 15, nº 1, Rio Claro-SP, jan./mar. 2009, pp.185-191.

SCHIEBINGER, Londa. “Skeletons in the closet: The first illustrations of female skeleton in Eighteenth-Century Anatomy”. In: GALLAGHER, C.

(Ed.). Making of the modern body. Berkeley, Univ. of California Press, 1987, pp.42-82.

THOMPSON, John B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis-RJ, Vozes, 2002.

VERISSIMO, Jorge. O corpo na publicidade. Lisboa, Colibri/Instituto Politécnico de Lisboa, 2008

Downloads

Não há dados estatísticos.