Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão: controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidado

  • Nadya Araujo Guimarães Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Cuidado. Mercantilização. Contestação moral

Resumo

Neste artigo tomo o trabalho do cuidado como domínio empírico a partir do qual construirei minha reflexão. Observando-o a partir da sua imersão em diversas situações – se exercido na casa ou fora dela, no quadro de uma relação compulsória ou profissional, gratuito ou remunerado –, procurarei reunir elementos para refletir numa dupla direção. Em primeiro lugar, arguirei que a atividade de “cuidado com/do outro” (“care”) é um rico domínio para revisitarmos debates recentes sobre o processo de mercantilização de um determinado bem ou serviço. Em segundo lugar, procurarei ilustrar como a controvérsia em torno do trabalho do cuidado, no sentido da sua contestação moral, pode ser relevante para os estudiosos dos mercados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadya Araujo Guimarães, Universidade de São Paulo
Professora Titular do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo. Pesquisadora I-A do CNPq associada ao Centro de Estudos da Metrópole (CEM), no CEBRAP/Centro Brasileiro de Análise e Planejamento, São Paulo, Brasil.

Referências

ARANGO. L.G. Care, émotions et conditions de travail dans les services esthétiques: le cas des salons de coiffure destinés à une clientèle noire au Brésil. Travail, Care et Politiques Sociales. Brésil-France en Débat.

MAGE, Paris, 2014, pp.193-208. Série Documents de Travail MAGE, 16.

BORIS, E. Produção e reprodução, casa e trabalho. Tempo Social, vol. 26, nº1, São Paulo, Depto. Sociologia-FFLCH/USP, 2014, pp.101- 122.

DEBERT, G. Arenas do Conflito em torno do cuidado. Tempo Social, vol. 26, nº1, São Paulo, Depto. Sociologia-FFLCH/USP, 2014, pp.35-46.

GEORGES, I.; SANTOS, Y.G. Olhares cruzados: relações de cuidado, classe e gênero. Tempo Social, vol. 26, nº1, São Paulo, Depto. SociologiaFFLCH/USP, 2014, pp.47-61.

GUIMARÃES, N.A.; HIRATA, H; SUGITA, K. O trabalho do “care” no Brasil, França e Japão. Sociologia & Antropologia, vol.1, Rio de Janeiro, PPGSA/UFRJ, 2011, p.161-192.

GUIMARÃES, N.A.; BRITO, M.M.S.; BARONE, L. S. Mercantilização no feminino: a visibilidade do trabalho das mulheres no Brasil através dos censos. Travail, Care et Politiques Sociales. Brésil-France en Débat. MAGE, Paris, 2014, pp.21-47. Série Documents de Travail MAGE, 16.

GUIMARÃES, N.A.; BARONE, L. S.; BRITO, M.M.S. Mercado e mercantilização do trabalho no Brasil. In: ARRETCHE, M. (org.). Trajetórias das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos. São Paulo, Editora Unesp, CEM, 2015, pp.395-342.

HOCHSCHILD, A. The economy of gratitude. In: ______. The commercialization of intimate Life – Notes from home and work. L.A., University of California Press, 2003, pp.104-118.

HOCHSCHILD, A. Nos bastidores do livre mercado local: babas e mães de aluguel. In: HIRATA, H.; GUIMARÃES, N.A. (orgs.). Cuidado e Cuidadoras. As várias faces do trabalho do care. São Paulo, Atlas, 2012, pp.185-2000.

KOPYTOFF, I. The Cultural Biography of Things: Commoditization as Process. In: APPADURAI, A. (ed.). The Social Life of Things. Cambridge, Cambridge University Press, 1986, pp.64-94. MOLINIER, P. Ética e trabalho do care. In: GUIMARÃES, N.A; HIRATA, H; SUGITA, K. (orgs.). Cuidado e Cuidadoras. As várias do trabalho do care. São Paulo, Atlas, 2012, pp.29-43.

MOLINIER, P. Cuidado, interseccionalidade e feminism. Tempo Social, vol. 26, nº1, São Paulo, Depto. Sociologia-FFLCH/USP, 2014, pp.17-34.

PARREÑAS, R, S. O trabalho de care das acompanhantes. Imigrantes filipinas em Tóquio. In: HIRATA, H.; GUIMARÃES, N.A. (orgs.). Cuidado e Cuidadoras. As várias faces do trabalho do care. São Paulo, Atlas, 2012, pp.201-215.

SOARES, A. Cuidados e Confiança. Travail, Care et Politiques Sociales. Brésil-France en Débat. MAGE, Paris, 2014, pp.185-192. Série Documents de Travail MAGE, 16.

SORJ. B. O care na nova agenda de combate à pobreza no Brasil. Travail, Care et Politiques Sociales. Brésil-France en Débat. MAGE, Paris, 2014, pp.359-366. Série Documents de Travail MAGE, 16.

SORJ, B.; FONTES, A. O care como um regime estratificado: implicações de gênero e classe social. In: GUIMARÃES, N.A.; HIRATA, H.; SUGITA, K. (orgs.) Cuidado e Cuidadoras. As várias do trabalho do care S.P. Atlas, 2012, pp.103-116.

STEINER, P.; TRESPEUCH, M. (orgs.). Marchés contestés. Quand le marché rencontre la morale. Toulouse, Presses Universtiés du MIrail, 2014.

ZELIZER, Viviana. Encounters of intimacy and economy. In: ______. The Purchase of Intimacy. Princeton, Princeton University Press, 2005, pp.7-46.

ZELIZER, V. A economia do care. In: HIRATA, H.; GUIMARÃES, N.A. (orgs.). Cuidado e Cuidadoras. As várias faces do trabalho do care. São Paulo, Atlas, 2012, pp.15-29.

Publicado
2016-06-01
Como Citar
Guimarães, N. A. (2016). Casa e mercado, amor e trabalho, natureza e profissão: controvérsias sobre o processo de mercantilização do trabalho de cuidado. Cadernos Pagu, (46), 59-77. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645358
Seção
Apresentação