“Na minha época não tinha escapatória”: teleologias, temporalidades e heteronormatividade

  • Carlos Eduardo Henning Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Teleologias heteronormativas. Teoria Queer. Temporalidades reprodutivas. Homoerotismo masculino. Curso da vida

Resumo

Este artigo se volta a analisar alguns elementos recorrentes que se fizeram presentes nos relatos de campo ao longo de minha etnografia para o doutorado em Antropologia Social na Unicamp. Meus contatos de campo foram homens entre os 45 e os 70 anos de idade que mantinham práticas sexuais homoeróticas e/ou que se identificavam como homossexuais. Os relatos reincidentes enfocavam as lidas com pressões sociais em prol da realização de determinados marcos biográficos tidos como heterossexuais e convencionados como imprescindíveis para se alcançar a felicidade e a plenitude no ínterim do curso da vida. Em um diálogo com uma vertente contemporânea dos estudos queer estadunidenses, a qual costuma ser chamada de tempo queer e temporalidades queer, – e ao mesmo tempo apresentando uma revisão desses debates – problematizo criticamente o modo como as transições entre os distintos períodos da vida são concebidas, em especial como são imaginadas e convencionadas. Por fim, a partir dessas análises de campo e diálogos teóricos, proponho a noção de teleologias heteronormativas de modo a desenvolver o debate acerca das bases prescritivas heterossexuais que tendem a fundamentar persuasivamente o modo como o curso da vida – em suas transições e em sua totalidade – é compreendido e negociado no contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Henning, Universidade Federal de Goiás
Professor de Antropologia da Universidade Federal de Goiás (UFG); pesquisador do Ser-Tão – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade, Goiânia, GO, Brasil.

Referências

ACHILLES, Nancy. The Development of the Homosexual Bar as an Institution. In: GAGNON, J; SIMON, W. Ed. Sexual Deviance. New York, Harper and Row, 1967, pp.228-244.

AHMED, Sara. Happy Futures, Perhaps. In: MCCALLUM, E. L.; TUHKANON, M. Queer Times, Queer Becomings. State University of New York Press, Albany, 2011, pp.159-182 BADINTER, Elisabeth. O Conflito: a mulher e a mãe. Rio de Janeiro, Record, 2011 BOELLSTORFF, Tom. When marriage falls: queer coincidences in straight time. GLQ: A Journal of Lesbian and Gay Studies, vol. 13, nº 2-3, 2007, pp.227-248.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003 [1990].

COHEN, Cathy J. Punks, Bulldaggers, and Welfare Queens: the radical potential of queer politics. GLQ. vol.3, 1997, pp.437-465.

COSTA, Jurandir Freire. A Inocência e o Vício – estudos sobre o Homoerotismo. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1992.

DEAN, Tim. Bareback Times. In: MCCALLUM, E. L.; TUHKANON, M. Queer Times, Queer Becomings. State University of New York Press, Albany, 2011, pp.75-100.

DEBERT, Guita Grin; BRIGEIRO, Mauro. Fronteiras de gênero e a sexualidade na velhice. Revista Brasileira de Ciências Sociais vol.27, São Paulo, Anpocs, 2012, pp.37-54.

DINSHAW, C. et alli. Theorizing Queer Temporalities: a roundtable discussion. GLQ, vol.1, nº13, 2007, pp.2-3.

EDELMAN, Lee. No Future: Queer Theory and the Death Drive. Durham, DC, Duke University Press, 2004.

FREEMAN, Elizabeth. Time Binds: queer temporalities, queer histories. Duke University Press, Durham and London, 2010.

GAGNON, J; SIMON, W. Sexual Conduct: the social source of human sexuality. Chicago, Aldine1973.

GOLTZ, Dustin. Queer temporalities in gay male representation. Tragedy, normativity, and futurity. Routledge, New York, 2010.

HALBERSTAM, Judith/Jack. In a Queer Time and Place: transgender bodies, subcultural lives. New York, New York University Press, 2005.

HENNING, Carlos Eduardo. Paizões, Tiozões, Tias e Cacuras: envelhecimento, meia idade, velhice e homoerotismo masculino na cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Unicamp, Campinas, 2014.

HOOKER, Evelyn. The Homosexual Community. In: GAGNON, J; SIMON, W. (Ed.). Sexual Deviance. New York, Harper and Row, 1967 [1961], pp.176-194.

MCINTOSH, Mary. The Homosexual Role. Social Problemsvol.16, nº 2, (Autumn), 1968, pp.182-192.

MISKOLCI, Richard; PELUCIO, Larissa. O dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes. Sexualidad, Salud y Sociedad – Revista Latinoamericana, Rio de Janeiro, CLAM, 2009, pp.125-157.

MUÑOZ, José Esteban. Cruising Utopia. The then and there of Queer Futurity. New York, New York University Press, 2009.

NEWTON, Esther. Mother Camp: female impersonators in America. Englewood Cliffs. N. J., Prentice-Hall, 1972.

PLUMMER, Kenneth. Sexual Stigma: an interactionist account. New York, Routledge and Kegan Paul, 1975.

PUAR, Jasbir K. Queer Times, Queer Assemblages. Social Text, nº 84-85, vol.23, nº 3-4. Durham, NC., Duke University Press, 2005, pp.121- 139.

RICH, Adrienne. Compulsory Heterosexuality and Lesbian Existence. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 5, Chicago, The University of Chicago Press, 1980, pp.631-660.

RUBIN, Gayle. Geologies of Queer Studies: it´s dé jà vu all over again. In: RUBIN, G. Deviations: A Gayle Rubin Reader. Durham, NC., Duke University Press, 2011 [2004], pp.347-356.

SIMÕES, Julio Assis. Corpo e Sexualidade nas Experiências de Envelhecimento de Homens Gays em São Paulo. Revista A Terceira Idade, vol. 22, nº51, São Paulo, Editora do SESC, 2011, pp.7-19.

Publicado
2016-06-01
Como Citar
Henning, C. E. (2016). “Na minha época não tinha escapatória”: teleologias, temporalidades e heteronormatividade. Cadernos Pagu, (46), 341-371. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645912