Educação física na educação infantil: educando crianças ou meninos e meninas?

  • Marina Mariano
  • Helena Altmann
Palavras-chave: Educação física. Educação infantil. Gênero

Resumo

Este artigo trata das relações de gênero em aulas de Educação Física na Educação Infantil. A metodologia empregada na pesquisa que o originou consistiu na realização de observações de aulas e entrevistas com um professor e uma professora que lecionam em escolas públicas de um município da Região Metropolitana de Campinas, SP, Brasil. Expectativas e incentivos docentes, quando expressas para as crianças de forma polarizada, produziram desigualdades de gênero. Intervenções menos polarizadas produziram relações de gênero menos hierarquizadas e desiguais entre as crianças, constituindo meninos e meninas como capazes de aprender e vivenciar o corpo e os gestos de forma ampla e diversificada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Mariano
* Professora da Rede Municipal de Educação de Vinhedo, Vinhedo, São Paulo, Brasil.
Helena Altmann
*Professora da Faculdade de Educação Física e do Programa de PósGraduação em Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Referências

ALTMANN, Helena. Educação física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo, Cortez, 2015.

ALTMANN, Helena et al. Educação física escolar e igualdade de gênero: um estudo transcultural. Relatório de Pesquisa. Brasil – Espanha. Campinas, Unicamp, 2011.

ALTMANN, Helena; AYOUB, Eliana; AMARAL, Silvia C. F. Gênero na prática docente em educação física: “meninas não gostam de suar, meninos são habilidosos ao jogar”? Revista Estudos Feministas vol.19, nº2, Florianópolis, UFSC, 2011, pp.491-501 [<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 026X2011000200012&lng=pt&nrm=iso> – acesso em: dez. 2015] AYOUB, Eliana. Narrando experiências com a Educação física na Educação Infantil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte vol. 26, nº3, Campinas, 2005, pp.143-158.

BRACHT, Valter. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Cadernos Cedes Ano XIX, nº 48, ago. 1999, pp.69-88.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu (26), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, jan/jun. 2006, pp.329-365.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. São Paulo, Cortez, 1990.

CLARK, Sheryl e PAECHTER, Carrie. “Why can’t girls play football?” Gender dynamics and the playground. Sport, Education and Society vol. 12, nº 3, ago. 2007, pp.261-276. FARIA, Ana Lúcia G. de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu (26), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, jan/jun. 2006, pp. 279-287.

FARIA, Nalu; NOBRE, Miriam. O que é ser mulher? O que é ser homem? Subsídios para uma discussão das relações de gênero. In: COORDENADORIA especial da mulher (org.). Gênero e educação: caderno para professores. São Paulo, Secretaria Municipal de Educação, 2003, pp. 29-42.

FINCO, Daniela. Socialização de Gênero na Educação Infantil. In: Fazendo Gênero 8: Corpo, violência e poder, 2008, Florianópolis. Anais. 2008 [ – acesso em: mai. 2009].

FONTANA, Roseli Cação. O corpo aprendiz. In: CARVALHO, Y. M. de; RUBIO, K. (Org.). Educação Física e Ciências Humanas. São Paulo, Huicitec, 2001. pp. 41-52.

GALLAHUE, David. L.; OZMUN, John. C. Desenvolvimento motor: um modelo teórico. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebes, crianças, adolescentes e adultos. 3 ed. São Paulo, Phorte, 2005.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Koogan, 1989.

GOELLNER, Silvana. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte vol. 19, nº 2, São Paulo, ab./jun., 2005, pp.143-151.

HARAWAY, Donna. Gênero para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu (22), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, jan-jun. 2004, pp.201-246.

JACÓ, Juliana Fagundes. Educação Física escolar e gênero: diferentes maneiras de participar da aula. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Unicamp, Campinas, 2012.

KOHAN, Walter. Infância entre a educação e a filosofia. Belo Horizonte, Autêntica, 2003.

KRAMER, Sonia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 5. ed. São Paulo, Cortez, 1995. KUHLMANN JR., Moysés. Instituições pré-escolares assistencialistas no Brasil (1899-1922). Cadernos de Pesquisa nº 78. São Paulo, ago. 1991, pp. 17-26.

MAYORGA, Cláudia et al. As críticas ao gênero e a pluralização do feminino: colonialismo, racismo e política heterossexual. Revista Estudos Feministas vol. 21, nº 2, Florianópolis, UFSC, 2013, pp.463- 484.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas vol. 16, nº 2, Florianópolis, UFSC, ago. 2008. [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 026X2008000200003&lng=pt&nrm=iso – acesso em: jul. 2009].

MESSNER, Michael. Boyhood organized sports, and the construction of masculinities. In: KIMEL, Michael; MESSNER, Michael. Mens, lives. New York e Toronto, MacMillan Publishing Co. e Maxwell MacMillan, 1992, pp.161-131.

PEREIRA, Sissi Aparecida Martins. O sexismo nas aulas de Educação Física: uma análise dos desenhos infantis e dos estereótipos de gênero nos jogos e brincadeiras. Tese (Doutorado em Educação Física) – Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2004.

RICHTER, Ana Cristina; GONÇALVES, Michelle Carreirão; VAZ, Alexandre Fernandez. Considerações sobre a presença do esporte na Educação Física Infantil: reflexões e experiências. Educar em Revista, vol. 41, 2011, pp.181-195.

RUBIN, Gayle. The traffic in women: notes on the political economy of sex. In: REITER, Rayana (Ed.). Toward an anthropology of women. New York, Monthly Review Press, 1975, pp.157-210.

SAYÃO, Deborah. Educação Física na pré-escola: da especialização disciplinar à possibilidade de trabalho pedagógico integrado. Dissertação (Mestrado) – CED/UFSC, Florianópolis, 1996.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade nº20, Porto Alegre, jul./dez., 1995, pp.71-99. THORNE, Barrie. Gender play: girls and boys in school. New Jersey, USA, Rutgers University Press, 1993.

UCHOGA, Liane Roveran. Educação física escolar e as relações de gênero: risco, confiança, organização e sociabilidades em diferentes conteúdos. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, 2012.

VIANA, Aline Edwiges dos Santos. As relações de gênero em uma escola de futebol: quando o jogo é possível? Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, 2012.

VIANNA, Claudia; FINCO, Daniela. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu (33), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2009, pp.265-284.

WENETZ, Ileana; STIGGER, Marco P.; MEYER, Dagmar E. A construção do gênero no espaço escolar. Movimento vol. 12, Porto Alegre, 2006, pp.59-80.

Publicado
2016-06-01
Como Citar
Mariano, M., & Altmann, H. (2016). Educação física na educação infantil: educando crianças ou meninos e meninas?. Cadernos Pagu, (46), 411-438. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645916