Banner Portal
Novos cenários: entre o “estupro coletivo” e a “farsa do estupro” na sociedade em rede
PDF

Palavras-chave

Violência sexual. Diferenças. Cultura do estupro. Sociedade em rede.

Como Citar

BELELI, Iara. Novos cenários: entre o “estupro coletivo” e a “farsa do estupro” na sociedade em rede. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 47, p. 351–370, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8647266. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Neste artigo proponho reflexão sobre os impactos da Internet nas relações entre as pessoas, com alguns aparatos estatais e com os movimentos sociais, analisando o caso do estupro coletivo ocorrido no Morro da Barão, Rio de Janeiro, em maio de 2016, que ganhou grande repercussão nacional e internacional, tanto na grande mídia como nas redes sociais. Para isso, fiz um mapeamento de notícias e vídeos sobre “cultura do estupro” e os comentários a essa produção, o que me levou aos diferentes entendimentos do termo e às moralidades que perpassam esses entendimentos e suas contestações.
PDF

Referências

BAUMAN, Zigmund. Entrevista concedida ao Café Filosófico em 2012 [https://www.youtube.com/watch?v=FOeCu4-kmA0, acesso em dezembro de 2015].

BELELI, Iara. O imperativo das imagens: construção de afinidades nas mídias digitais. Cadernos Pagu (44), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2015, pp.91-114

[http://www.scielo.br/scielo].

BENITEZ, Maria Elvira Diaz. Nas redes do sexo: bastidores e cenários do pornô brasileiro. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/Museu Nacional/PPGAS, 2009.

BUMACHAR, Bruna Louzada. Migração e novas mídias: um diálogo sobre a experiência familiar transnacional de estrangeiras presas em São Paulo e de trabalhadoras filipinas residentes em Londres. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.75-95.

CASTELLS, Manuel. Redes de Indignação e Esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro, Zahar, 2014.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. In: A Sociedade em rede. vol. 1. São Paulo, Paz e Terra, 2000.

CASTILHOS, Washington. As pedagogias do estupro. 16/06/2016 [http://www.clam.org.br/destaque/conteudo.asp?cod=12393#.V2gQ2drPQJY.facebook – acesso em 16 de junho de 2016].

CORRÊA, Mariza. Morte em Família, Rio de Janeiro, Graal, 1983.

CORRÊA, Sonia; Grotz, Fábio. A restauração conservadora e as políticas da sexualidade. Sexuality Policy Watch, 03/06/2016 [http://sxpolitics.org/ptbr/a-restauracao-conservadora-e-as-politicasda-sexualidade/6274].

COULDRY, Nick. Does the media have a future? European Journal of Communication, vol. 24(4), Sage Editors, 2009, pp.1-13.

FACCHINI, Regina; MACHADO, Sarah Rossetti. “Praticamos SM, repudiamos agressão”: classificações, redes e organização comunitária em torno do BDSM no contexto brasileiro. Sex., Salud Soc., nº 14, Rio de Janeiro, 2013, pp.195-228 [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-64872013000200014&lng=en&nrm=iso – accesso em: 17 Aug. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200014].

FRY, Peter. O que a cinderela negra tem a dizer sobre a “Política Racial” no Brasil. Revista USP, n° 28, Universidade de São Paulo, dez./fev. 1995-96, pp.122-35.

GIBSON, William. Neuromancer. São Paulo, Aleph, 2003 [1984].

GREGORI, Maria Filomena. Prazeres perigosos: erotismo, gênero e limites da sexualidade. São Paulo, Companhia das Letras, 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte-MG/ Brasília-DF, Editora da UFMG/ Representação da Unesco no Brasil, 2003.

KENDALL, Lori. Recontextualizing “Cyberspace”: Methodological considerations for on-line research. In: JONES, Steve. Doing Internet Research: Critical issues and methodsfor examining the Net. Londres, Sage, 1999, pp.57-74.

LEITÃO, Débora K. e GOMES, Laura G. “Estar e não estar lá, eis a questão”: pesquisa etnográfica no Second Life. Cronos - Revista do Programa de Pós - Graduação da UFRN, Natal-RN, vol. 12, nº 2, 2011, pp.23-38.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, Editora 34, 1999 [1997].

MCLUHAN, Marshal. Understanding media: The extensions of man. New York, Signet Books, 1964.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. Etnografia on e off-line: cybercafés em Trinidad. Horizontes Antropológicos, ano 10, n° 21, Porto Alegre, jan/jun. 2004, pp.41-65.

MIRA, Maria Celeste. O leitor e a Banca de revistas. São Paulo, Olho D´Água/Fapesp, 2001.

MISKOLCY, Richard. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.9-22.

PELÚCIO, Larissa. O amor em tempos de aplicativos: notas afetivas e metodológicas sobre pesquisas com mídias digitais. In: PELÚCIO, L. ET alli. (orgs.) No emaranhado da rede. Gênero, sexualidade e Mídia: desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo, Annablume

Queer, 2015.

PISCITELLI. Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, vol.11, n°2, jul/dez. 2008, pp.263-274.

PISCITELLI. Adriana. Sujeição ou subversão: migrantes brasileiras na indústria do sexo na Espanha. História e Perspectivas (35), Uberlândia-MG, jul.-dez. 2006, pp.13-55.

RIAL, Carmem Silvia. Mídia e sexualidades: breve panorama dos estudos de mídia. In: GROSSI, Miriam et alii. (orgs.) Movimentos sociais, educação e sexualidades. Rio de Janeiro, Garamond, 2005, pp.107-136.

SIBILIA, Paula. O Show do Eu. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.

TOGNI, Paula Christofoletti. O K-100 compartilhado: jovens, tecnologias e gestão da experiência migratória. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.57-74.

TURKLE, Sherry. La vida en la pantalla. La construcción de la identidad en la era de internet. Barcelona, Ediciones Paidós Ibérica S.A., 1997 [1996].

VIANNA, Adriana de R. B. Direitos, moralidades e desigualdades: considerações a partir de processos de guarda de crianças. In: LIMA, Robert Kant de. (org.) Antropologia e Direitos Humanos 3. Niterói-RJ, Editora da Universidade Federal Fluminense, 2005.

WOLTON, Dominique. Internet – petit manuel de survie. Paris, Flammarion, 2000.

ZAFRA, Remedios. Un cuarto propio conectado. Feminismo y creación desde la esfera público- privada online. Asparkía, 22, 2011, pp.115- 129.

ZIGON, Jarret. Moral breakdown and the ethical demand: A theoretical framework for an anthropology of moralities. Anthropological Theory, vol. 7 (2), 2007.

https://www.youtube.com/watch?v=6WXHh7OIGYw - 31/05/2016 [acesso em: 04 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=44eAaoOBKZw - Conexão Repórter, programa do SBT - 29/05/2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=BiYkf0JtGLE - “Entrevista com jovem vítima de estupro coletivo”, veiculada em Domingo Espetacular, 29/05/2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=kZeYaJg-Wk8 - “A Verdade por trás do tal Estupro Coletivo” - 29/05/2016 [acesso em: 9 maio 01].

https://www.youtube.com/watch?v=kja3DHE7XkI - “A farsa do estupro coletivo”– 29/05/ 2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=wf2nPhbgpD4 - Luana Basto “Cultura do estupro não existe” - 30/05/2016 [acesso em: 02 jun. 01].

http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,a-sociedade-naturaliza-acultura-do-estupro,10000053858 [acesso em: 28 maio 2016].

https://medium.com/jornalistas-livres [acesso em: 06 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=okGl5H6tkR8 [acesso em: 29 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=zzAr64e635Y - Marcia Tiburi sobre a cultura do estupro – 30/06/2016 (Jornalistas Livres) [acesso em: 03 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=HLbgElLLKaQ - Pitty e a cultura do estupro - 27/05/2016 [acesso em: 27 maio 2016].

Downloads

Não há dados estatísticos.