Novos cenários: entre o “estupro coletivo” e a “farsa do estupro” na sociedade em rede

  • Iara Beleli Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Violência sexual. Diferenças. Cultura do estupro. Sociedade em rede.

Resumo

Neste artigo proponho reflexão sobre os impactos da Internet nas relações entre as pessoas, com alguns aparatos estatais e com os movimentos sociais, analisando o caso do estupro coletivo ocorrido no Morro da Barão, Rio de Janeiro, em maio de 2016, que ganhou grande repercussão nacional e internacional, tanto na grande mídia como nas redes sociais. Para isso, fiz um mapeamento de notícias e vídeos sobre “cultura do estupro” e os comentários a essa produção, o que me levou aos diferentes entendimentos do termo e às moralidades que perpassam esses entendimentos e suas contestações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iara Beleli, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Campinas (1983), mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1999), doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (2005), pós-doutorado no ISCTE-Lisboa (2008), pós-doutorado na Universitat Rovira i Virgili, Tarragona-Espanha (2012).

Referências

BAUMAN, Zigmund. Entrevista concedida ao Café Filosófico em 2012 [https://www.youtube.com/watch?v=FOeCu4-kmA0, acesso em dezembro de 2015].

BELELI, Iara. O imperativo das imagens: construção de afinidades nas mídias digitais. Cadernos Pagu (44), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2015, pp.91-114

[http://www.scielo.br/scielo].

BENITEZ, Maria Elvira Diaz. Nas redes do sexo: bastidores e cenários do pornô brasileiro. Rio de Janeiro, Editora UFRJ/Museu Nacional/PPGAS, 2009.

BUMACHAR, Bruna Louzada. Migração e novas mídias: um diálogo sobre a experiência familiar transnacional de estrangeiras presas em São Paulo e de trabalhadoras filipinas residentes em Londres. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.75-95.

CASTELLS, Manuel. Redes de Indignação e Esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro, Zahar, 2014.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. In: A Sociedade em rede. vol. 1. São Paulo, Paz e Terra, 2000.

CASTILHOS, Washington. As pedagogias do estupro. 16/06/2016 [http://www.clam.org.br/destaque/conteudo.asp?cod=12393#.V2gQ2drPQJY.facebook – acesso em 16 de junho de 2016].

CORRÊA, Mariza. Morte em Família, Rio de Janeiro, Graal, 1983.

CORRÊA, Sonia; Grotz, Fábio. A restauração conservadora e as políticas da sexualidade. Sexuality Policy Watch, 03/06/2016 [http://sxpolitics.org/ptbr/a-restauracao-conservadora-e-as-politicasda-sexualidade/6274].

COULDRY, Nick. Does the media have a future? European Journal of Communication, vol. 24(4), Sage Editors, 2009, pp.1-13.

FACCHINI, Regina; MACHADO, Sarah Rossetti. “Praticamos SM, repudiamos agressão”: classificações, redes e organização comunitária em torno do BDSM no contexto brasileiro. Sex., Salud Soc., nº 14, Rio de Janeiro, 2013, pp.195-228 [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-64872013000200014&lng=en&nrm=iso – accesso em: 17 Aug. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200014].

FRY, Peter. O que a cinderela negra tem a dizer sobre a “Política Racial” no Brasil. Revista USP, n° 28, Universidade de São Paulo, dez./fev. 1995-96, pp.122-35.

GIBSON, William. Neuromancer. São Paulo, Aleph, 2003 [1984].

GREGORI, Maria Filomena. Prazeres perigosos: erotismo, gênero e limites da sexualidade. São Paulo, Companhia das Letras, 2016.

HALL, Stuart. Da diáspora. Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte-MG/ Brasília-DF, Editora da UFMG/ Representação da Unesco no Brasil, 2003.

KENDALL, Lori. Recontextualizing “Cyberspace”: Methodological considerations for on-line research. In: JONES, Steve. Doing Internet Research: Critical issues and methodsfor examining the Net. Londres, Sage, 1999, pp.57-74.

LEITÃO, Débora K. e GOMES, Laura G. “Estar e não estar lá, eis a questão”: pesquisa etnográfica no Second Life. Cronos - Revista do Programa de Pós - Graduação da UFRN, Natal-RN, vol. 12, nº 2, 2011, pp.23-38.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo, Editora 34, 1999 [1997].

MCLUHAN, Marshal. Understanding media: The extensions of man. New York, Signet Books, 1964.

MILLER, Daniel; SLATER, Don. Etnografia on e off-line: cybercafés em Trinidad. Horizontes Antropológicos, ano 10, n° 21, Porto Alegre, jan/jun. 2004, pp.41-65.

MIRA, Maria Celeste. O leitor e a Banca de revistas. São Paulo, Olho D´Água/Fapesp, 2001.

MISKOLCY, Richard. Novas conexões: notas teórico-metodológicas para pesquisas sobre o uso de mídias digitais. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.9-22.

PELÚCIO, Larissa. O amor em tempos de aplicativos: notas afetivas e metodológicas sobre pesquisas com mídias digitais. In: PELÚCIO, L. ET alli. (orgs.) No emaranhado da rede. Gênero, sexualidade e Mídia: desafios teóricos e metodológicos do presente. São Paulo, Annablume

Queer, 2015.

PISCITELLI. Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, vol.11, n°2, jul/dez. 2008, pp.263-274.

PISCITELLI. Adriana. Sujeição ou subversão: migrantes brasileiras na indústria do sexo na Espanha. História e Perspectivas (35), Uberlândia-MG, jul.-dez. 2006, pp.13-55.

RIAL, Carmem Silvia. Mídia e sexualidades: breve panorama dos estudos de mídia. In: GROSSI, Miriam et alii. (orgs.) Movimentos sociais, educação e sexualidades. Rio de Janeiro, Garamond, 2005, pp.107-136.

SIBILIA, Paula. O Show do Eu. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2008.

TOGNI, Paula Christofoletti. O K-100 compartilhado: jovens, tecnologias e gestão da experiência migratória. Cronos – Revista do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da UFRN, vol. 12, n° 2, 2011, pp.57-74.

TURKLE, Sherry. La vida en la pantalla. La construcción de la identidad en la era de internet. Barcelona, Ediciones Paidós Ibérica S.A., 1997 [1996].

VIANNA, Adriana de R. B. Direitos, moralidades e desigualdades: considerações a partir de processos de guarda de crianças. In: LIMA, Robert Kant de. (org.) Antropologia e Direitos Humanos 3. Niterói-RJ, Editora da Universidade Federal Fluminense, 2005.

WOLTON, Dominique. Internet – petit manuel de survie. Paris, Flammarion, 2000.

ZAFRA, Remedios. Un cuarto propio conectado. Feminismo y creación desde la esfera público- privada online. Asparkía, 22, 2011, pp.115- 129.

ZIGON, Jarret. Moral breakdown and the ethical demand: A theoretical framework for an anthropology of moralities. Anthropological Theory, vol. 7 (2), 2007.

https://www.youtube.com/watch?v=6WXHh7OIGYw - 31/05/2016 [acesso em: 04 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=44eAaoOBKZw - Conexão Repórter, programa do SBT - 29/05/2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=BiYkf0JtGLE - “Entrevista com jovem vítima de estupro coletivo”, veiculada em Domingo Espetacular, 29/05/2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=kZeYaJg-Wk8 - “A Verdade por trás do tal Estupro Coletivo” - 29/05/2016 [acesso em: 9 maio 01].

https://www.youtube.com/watch?v=kja3DHE7XkI - “A farsa do estupro coletivo”– 29/05/ 2016 [acesso em: 30 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=wf2nPhbgpD4 - Luana Basto “Cultura do estupro não existe” - 30/05/2016 [acesso em: 02 jun. 01].

http://brasil.estadao.com.br/noticias/geral,a-sociedade-naturaliza-acultura-do-estupro,10000053858 [acesso em: 28 maio 2016].

https://medium.com/jornalistas-livres [acesso em: 06 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=okGl5H6tkR8 [acesso em: 29 maio 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=zzAr64e635Y - Marcia Tiburi sobre a cultura do estupro – 30/06/2016 (Jornalistas Livres) [acesso em: 03 jun. 2016].

https://www.youtube.com/watch?v=HLbgElLLKaQ - Pitty e a cultura do estupro - 27/05/2016 [acesso em: 27 maio 2016].

Publicado
2016-11-17
Como Citar
Beleli, I. (2016). Novos cenários: entre o “estupro coletivo” e a “farsa do estupro” na sociedade em rede. Cadernos Pagu, (47), 351-370. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8647266