Espelho mágico: produção e recepção de imagens de empregadas domésticas em uma telenovela brasileira

Autores

  • Renata Mourão Macedo Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Empregadas domésticas. Telenovelas. Consumo. Mobilidade Social. “Classe C”.

Resumo

Este artigo analisa aspectos relacionados à produção e à recepção de imagens de empregadas domésticas na televisão brasileira, discutindo, em especial, a telenovela Cheias de Charme (Globo, 2012, 19h30). Apresentando três empregadas domésticas como protagonistas, essa novela incorporou transformações associadas a essas trabalhadoras ao encenar o movimento de ascensão social para a chamada “classe C”, processo socioeconômico adensado na primeira década dos anos 2000. Nesse contexto, este artigo discute como a telenovela relacionou empregadas domésticas, mobilidade social e “autoestima”, revalorizando essas trabalhadoras para, no mesmo passo, reconstruir o discurso sobre mulheres das classes populares enquanto consumidoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Mourão Macedo, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Antropologia Social na Universidade de São Paulo e pesquisadora do Numas/USP, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Telenovela, Consumo e Gênero: “muitas mais coisas”. Bauru, Edusc, 2003.

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. Consumidoras e heroínas: gênero na telenovela. Revista Estudos Feministas, v.15, 2007, p.177-92.

ALMEIDA, Heloisa; MACEDO, Renata. Discursos sobre a novela classe média na mídia: classe, gênero e raça em intersecção. In: 39° Encontro Anual da Anpocs, outubro de 2015, Caxambu-MG.

ANG, Ian. Living room wars: rethinking media audiences for a postmodern world. Londres e Nova Iorque, Routledge, 1996.

ARAÚJO, Joel Zito. A negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: Ed. Senac. 2004.

BARTELT, Dawid (org). A “nova classe média” no Brasil como conceito e projeto político. Rio de Janeiro, Fundação Heinrich Böll, 2013.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo, Edusp, 2007.

BRITES, Jurema. Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. cadernos pagu (29), Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero- Pagu/Unicamp, 2007, pp.91-109.

BRITES, Jurema; PICANÇO, Felícia. O emprego doméstico no Brasil em números, tensões e contradições: alguns achados de pesquisas. Revista Latino-americana de estudos do trabalho, ano 19, n° 31, 2014, pp.131-158.

COSTA, Cristina. A milésima segunda noite: da narrativa mítica à telenovela. São Paulo, AnnaBlume, 2000.

ESCOURA, Michele. Girando entre princesas: performances e contornos de gênero em uma etnografia com crianças. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade de São Paulo, 2012.

FELTRIN, Ricardo. Globo muda telejornal para tentar salvar ibope e atrair classe C. Folha de S. Paulo, 22 jun. 2011 [http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/933102-globo-mudatelejornal-para-tentar-salvar-ibope-e-atrair-classe-c.shtml – acesso em: 11 abr. 2013].

FONSECA, Claudia. O anonimato e o texto antropológico: dilemas éticos e políticos da etnografia “em casa”. In: SCHUCH; VIEIRA; PETERS (orgs). Experiências, dilemas e desafios do fazer etnográfico contemporâneo. Porto Alegre, Ed. da UFRGS, 2010, pp.205-227.

FRY, Peter. Política: relações entre “raça”, publicidade e produção da beleza no Brasil. In: FRY, Peter. A persistência da raça: ensaios antropológicos sobre o Brasil e a África Austral. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005, pp.249-271.

GLOBO. Cheias de charme: uma homenagem a mulher guerreira de todas as classes. Site Globo.com. 04/04/2012 [http://tvg.globo.com/novelas/cheias-de-charme/Fique-pordentro/noticia/2012/04/cheias-de-charme-uma-homenagem-mulherguerreira-de-todas-classes.html– acesso em: 08 abr. 2012.

GRIMM, Jacob; GRIMM, Wilhelm. Contos maravilhosos infantis e domésticos – 1812-1815. São Paulo, Cosac Naify, 2012.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2003.

HAMBURGER, Esther. O Brasil antenado: a sociedade da novela. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed, 2005.

HAMBURGER, Esther. A vingança da empregadinha. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 29 jul 2012 [http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,a-vingancada-empregadinha,907513,0.htm – acesso em: 07 mar. 2013].

HIRATA, Helena. Subjetividade e sexualidade no trabalho de cuidado. cadernos pagu (46), Campinas, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, jan-abril de 2016, pp.151-163.

IG. As melhores e as piores audiências das novelas das 19h. 16/06/2012. [http://gente.ig.com.br/2012-06-16/as-melhores-e-as-pioresaudiencias-das-novelas-das 19h.html – acesso em: 07 mar. 2013].

JIMENEZ, Keila. Atrás da classe C, TV fatura 12% a mais no semestre. Folha de S. Paulo, São Paulo, 09 jul 2012 [http://www1.folha.uol.com.br/colunas/outrocanal/1117251-atras-daclasse-c-tv-fatura-12-a-mais-no-semestre.shtml – acesso em: 11 abr.2013].

KOFES, Suely. Mulher, mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre patroas e empregadas domésticas. Campinas, Editora da Unicamp, 2001.

LIMA, Marcia; REZENDE, Claudia. Linking gender, class and race in Brazil. Social Identities, vol. 10, n° 6, 2004, pp.757-773.

MACEDO, Renata Mourão. Espelho mágico: empregadas domésticas, consumo e mídia. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade de São Paulo, 2013.

MACEDO, Renata Mourão. Trabalho doméstico, consumo e interseccionalidade: possibilidades de agência na trajetória de uma (ex) empregada doméstica. Revista Mediações, vol. 20, Londrina, 2015, pp.184-207.

MARINHEIRO, Vaguinaldo. Todos querem tirar a nova classe média para dançar. Folha de São Paulo, São Paulo, 15 jul. 2012 [http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1119929-todos-queremtirar-a-nova-classe-media-para-dancar.shtml – acesso em: 11 abr. 2013].

MELO, Max. Dia de empreguete, véspera de madame: permanências e rupturas na construção da personagem doméstica em Cheias de Charme. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da

Comunicação, 05 a 9 de set. 2016, São Paulo, SP.

MICELI, Sergio. A Noite da Madrinha e outros ensaios sobre o éter nacional. São Paulo, Companhia das Letras, 2005.

MIRA, Maria Celeste. O circo eletrônico: Silvio Santos e o SBT. São Paulo, Edições Loyola; Ed. Olho D’água, 1995.

MEMÓRIA Globo. Guia ilustrado TV Globo: novelas e minisséries. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2010.

MOUTINHO, Laura. Razão, “cor” e desejo: uma análise comparativa sobre relacionamentos afetivo-sexuais “inter-raciais” no Brasil e na África do Sul. São Paulo, Ed. Unesp, 2003.

NATELINHA. Cheias de Charme bate recorde de audiência no Rio de Janeiro. 18 jul. 2012

[http://natelinha.uol.com.br/noticias/2012/07/18/cheias-de-charmebate-recorde-de-audiencia-no-rio-de-janeiro-162342.php – acesso em: 07 mar. 2013].

NERI, Marcelo (coord). A nova classe média: o lado brilhante dos pobres. Rio de Janeiro, FGV/CPS, 2010 [http://www.cps.fgv.br/ibrecps/ncm2010/NCM_Pesquisa_FORMATADA.pdf – acesso em: 02 set 2016].

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, vol. 11, n° 2, jul/dez 2008, pp.263-274.

REZENDE, Claudia B. A empregada na televisão: uma pequena análise sobre representações. Cadernos de Antropologia e Imagem, vol. 5(2). 1997.

SAFFIOTI, Heleieth. Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis, Ed. Vozes, 1978.

SCALON, Celi; SALATA, André. Uma nova classe média no Brasil da última década? O debate a partir da perspectiva sociológica. Revista Sociedade e Estado, vol. 27, n° 2, 2012, pp.387-407.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo, Companhia das Letras, 2012.

SOARES, Pedro. Doméstico pesa mais no gasto das famílias. Folha de São Paulo, São Paulo, 02 mar. 2014 [http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2014/03/1420008-sdomestico-pesa-mais-no-gasto-das-familias.shtml – acesso em: 14 mar. 2014].

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte, Ed. UFMG; Humanitas, 2010.

STYCER, Mauricio. Globo muda programação para atender a nova classe C. 09 maio 2011 [http://televisao.uol.com.br/ultimas-cadernos pagu (48), 2016:e164817 Renata Mourão Macedonoticias/2011/05/09/globo-muda-programacao-para-atender-a-novaclasse-c.jhtm

– acesso em:11 abr. 2013].

VARELA, Mirta. Recepción. In: ALTAMIRANO, Carlos (org.) Terminos críticos de sociología de la cultura. Buenos Aires, Paidós, 2008, pp.195-198.

WADE, Peter. Articulations of eroticism and race: domestic service in Latin America. Feminist Theory, vol. 14, n° 2, 2013, pp.187-202.

Downloads

Publicado

2016-11-18

Como Citar

MACEDO, R. M. Espelho mágico: produção e recepção de imagens de empregadas domésticas em uma telenovela brasileira. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 48, p. 183–211, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8647581. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos