Banner Portal
Estratégias históricas: teorias feministas, a história da literatura e a história do cinema nos anos 1970
PDF

Palavras-chave

História do cinema. História da literatura. Cânone. Teoria feminista.

Como Citar

KALIL AUAD, Pedro Henrique Trindade. Estratégias históricas: teorias feministas, a história da literatura e a história do cinema nos anos 1970. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 52, p. 124–149, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8652640. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Este artigo trata de algumas das principais questões das teorias feministas dos anos de 1970, a saber, os problemas das histórias literárias e das histórias cinematográficas, do cânone e do valor imputado às obras artísticas. Nesse sentido, busca-se compreender as estratégias adotadas pelas feministas para combater a construção do cânone de então, que não é uma tentativa de destruir o cânone literário ou o cânone cinematográfico, mas um esforço para que seja possível a inclusão de outras histórias a partir de outras epistemologias e, até mesmo, ontologias.
PDF

Referências

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo, Martins Fontes, 2004, pp.65-70.

CAMERA Obscura Collective. Feminism and Film: Critical Approaches. Camera Obscura, vol. 1, no 1, outono 1976, pp.3-10.

CHICAGO, Judy. The Dinner Party: From Creation to Preservation. Londres, Merrell, 2007. 9 Novos leitores ainda nascem a partir dos anos de 1970 dentro de outras correntes teóricas irmãs: teoria queer, black theory, teoria pós-colonialista, enfim, os leitores tidos como subalternos, para utilizar o termo de Spivak.

DUARTE, Constância Lima. Nos primórdios do feminismo brasileiro. In: AUGUSTA, Nísia Floresta Brasileira. Direito das mulheres e injustiça dos homens. São Paulo, Cortez, 1989, pp.38-41.

ELIOT, T. S. Tradição e Talento Individual. In: ELIOT, T. S. Ensaios. São Paulo: Art Editora, 1989. [Trad. Ivan Junqueira]

FISHER, Caitlin. Feminist Digital Aesthetics: The Everyday and Yesterday. In: LORD, Susas; MARCHESSAULT, Janine (ed.). Fluid Screens, Expanded Cinema. Torondo, Buffalo & Londres; University of Toronto Press, 2008, pp.145-159.

HANNA, Kathleen; BIKINI, Kill. Riot Grrrl Manifesto. In: FREEDMAN, Estelle B. The Essential Feminist Reader. Nova Iorque, The Modern Library, 2007, pp. 394-396.

KOLODNY, Annette. Dancing Through the Minefield. In: HERNDL, Diane Price; WARHOL, Robyn R. Feminisms. Hampshire, Macmillan Press, 1997, pp.171-190.

MALARD, Letícia. José Veríssimo: Crítico Literário. In: AMARAL, Sérgio Alcides Pereira do et alii. A Crítica Literária Brasileira em Perspectiva. Cotia, Ateliê Editorial, 2013, pp.111-118. MOI, Toril. Teoría Literaria Feminista. Madri, Cátedra, 1995.

MUZART, Zahidé Lupinacci (org). Escritoras Brasileiras do Século XIX: Antologia. Florianópolis, Ed. Mulheres/Edunisc, 1999.

PARSONS, Lucy. Freedom, Equality & Solidarity. Chicago, Charles H. Kerr Publishing Company, 2004.

QUEIROZ, Vera. Crítica Literária e Estratégia de Gênero. Niterói, EDUFF, 1997.

RICH, B. Ruby. Chick Flicks. Durham, Duke University Press, 2004.

ROCHA, João Cezar de Castro. Sílvio Romero: A Polêmica como Sistema? In: AMARAL, Sérgio Alcides Pereira do et alli. A Crítica Literária Brasileira em Perspectiva. Cotia, Ateliê Editorial, 2013, pp.95-110.

SANDERS, Valerie. First Wave Feminism. In: GAMBLE, Sarah. Feminism and Postfeminism. Nova Iorque, Routledge, 2000, pp.16-28.

Downloads

Não há dados estatísticos.