Banner Portal
O corpo das mulheres brasileiras e o seu estereótipo no universo fitness em Portugal
PDF

Palavras-chave

Mulher brasileira. Corpo. Estereótipos. Imigrantes. Ginásio.

Como Citar

NOVAES, Caio Bradbury; ROSSI, Célia Regina. O corpo das mulheres brasileiras e o seu estereótipo no universo fitness em Portugal. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 52, p. 194–219, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8652642. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

Estudos sobre a representação da brasileira em Portugal a retratam como uma mulher “fácil, vítima da dominação póscolonial e patriarcal. Recentemente, o surgimento de uma ginástica “Made in Brasil”, publicitando “o segredo da mulher brasileira”, nos levou a investigar a subjetificação destas imigrantes através do corpo, a partir de entrevistas e observação participante. Constatou-se além da hipersexualização da imagem, que as brasileiras entrevistadas entendem as qualidades pelas quais são identificadas e se identificam como um recurso de negociação na busca de prestígio.
PDF

Referências

BELELI, Iara. Imagens de brasileiros/os no atravessar das fronteiras: (des)organizando imaginários. Atas do 1º Seminário de estudos sobre imigração brasileira na Europa. Barcelona, nov. 2010, pp.121-128.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa, Difel, 1989.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2001, pp.151- 172.

CRAIG, Maxine L.; LIBERTI, Rita. “Cause that’s what girls do” – the making of a feminized gym. Gender and Society, vol. 21, nº 5 october, 2007. pp.676-699 [http://www.jstor.org/discover/10.2307/27641005?uid=3738880&uid=2129&uid=2&uid=70&uid=4&sid=21104599814353 – acesso em 24 jan. 2012].

CSORDAS, Thomas J. Embodiment and Experience – the existential ground of culture and self. Cambridge University Press, 2003.

DAMÁSIO, Antonio. O Sentimento de Si. O Corpo, a Emoção e a Neurobiologia da Consciência. 5ed. Lisboa, Editora Europa America, 2000.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 25ed. Rio de Janeiro, Graal, 2008.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Ed. Guanabara, 2008.

GIDENNS, Anthony. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: BECK, Ulrich et al. Modernização reflexiva. São Paulo, Editora da Unesp, 1995, pp.73-133.

HALL, Stuart. Introduction – who needs identity? In: HALL, S.; DU GAY, P. Questions of cultural identity. North Yorkshire, (UK), SAGE, 1996, pp.1-17.

HARRIS, Oliver J.T; ROBB, John. Multiple Ontologies and the Problem of the Body in History. American Anthropologist vol. 114, Issue 4, December 2012, pp.668–679.

MACHADO, Igor José Renó. Imigração em Portugal. Estudos avançados, 20 (57), UFscar, 2006, pp.119-135.

MCCLINTOCK, Anne. Couro imperial – raça, travestismo e o culto da domesticidade. cadernos pagu (20), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2003, pp.7-85.

PADILHA, Beatriz et al. Ser brasileira em Portugal: imigração, género e colonialidade. Atas do 1º Seminário de estudos sobre imigração brasileira na Europa. Barcelona, nov. 2010, pp.113-121.

PONTES, Luciana. Mulheres brasileiras na mídia portuguesa. cadernos pagu (23), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2004, pp.229-256

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas: estudos gays: gêneros e sexualidades 4(5), Natal, jan./jun. 2010, pp.17-44. Obra original publicada em 1980.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. O corpo na teoria antropológica. Revista de comunicação e linguagem n o 33, Lisboa, 2004, pp.49-66.

Downloads

Não há dados estatísticos.