Judith Butler e a pomba-gira

Palavras-chave: Judith Butler. Ideologia de Gênero. Direitos Humanos. Religião. Igrejas Inclusivas.

Resumo

Este texto aborda a pressão que setores conservadores vêm exercendo contra as conquistas no campo de gênero e sexualidade e comenta sobre a violência das manifestações desses grupos. A partir de experiências em pesquisa, coloca em xeque a oposição entre religiosidade e formas alternativas de vivência de sexualidade e de gênero. Pensando na teoria de Judith Butler, indaga as possíveis brechas, as possibilidades de mediação e os limites de se pensar em categorias fixas. Assinala que talvez o caminho seja o de aproximação à multiplicidade dos agentes e suas formas inauditas de agência, e à criatividade de suas poéticas que associam à religião. E defende a necessidade de torcer o pensamento, inclusive torcer a própria teoria de Butler.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Paulo Gomes Pereira, Universidade Federal de Sao Paulo
Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo - Brasil.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. cadernos pagu (50), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2017, e175001.

ALTHAUS-REID, Marcella. From the Goddess to Queer Theology: The State we are in now. Feminist Theology (13), 2005, pp.265.

ALTHAUS-REID, Marcella; Isherwood, Lisa. Thinking Theology and Queer Theory. Feminist Theology (15), 2007, pp.302.

AMARAL, Leila. Otávio, Provocador de Encontros. Numen: revista de estudos e pesquisa da religião 9(2), Juiz de Fora, 2006, pp.81-90.

BOTOL-BAUM, Mylène. Judith Butler: du genre à la non-violence. Nantes, Les Éditions Nouvelles Céclie Default, 2017.

BUTLER, Judith. O Fantasma do Gênero. Folha de S. Paulo, 19 nov. 2017 [http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2017/11/1936103- judith-butler-escreve-sobre-o-fantasma-do-genero-e-o-ataque-sofridono-brasil.shtml – acesso em: 22 nov. 2017].

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson. Sobre os candomblés como modo de vida: Imagens filosóficas entre Áfricas e Brasis. Ensaios Filosóficos, (13), 2016, pp.153-170.

FLOR DO NASCIMENTO, Wanderson.. O fenômeno do racismo religioso: desafios para os povos tradicionais de matrizes africanas. Revista Eixo (6), 2017, pp.51-56.

Gisele Omindarewa. Direção de Clarice Ehlers Peixoto, Brasil, 2009. [https://m.youtube.com/watch?v=PowR8233dOA – acesso em: 22 nov. 2017].

JESUS, Fátima Weiss de. Notas sobre religião e (homo)sexualidade: “igrejas gays” no Brasil. 26ª Reunião Brasileira de Antropologia, Porto Seguro, 2008.

MISKOLCI, Richard. Dissipando fantasmas: a política do medo da “ideologia de gênero”. cadernos pagu (53), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2018.

MUSSKOPF, André S. Uma brecha no armário: propostas para uma Teologia Gay. São Leopoldo, EST, 2002.

MUSSKOPF, André S. Talar Rosa: Um estudo didático-histórico-sistemático sobre a Ordenação ao Ministério por Homossexuais. Dissertação (Mestrado em Teologia), Escola Superior de Teologia, São Leopoldo, 2004.

MUSSKOPF, André S. Via(da)gens teológicas: itinerários para uma teologia Queer no Brasil. Tese (Doutorado em Teologia) Escola Superior de Teologia, São Leopoldo, 2008.

NATIVIDADE, Marcelo T. Homossexualidade, gênero e cura em perspectivas pastorais evangélicas. Revista Brasileira de Ciências Sociais 21(61), 2006, pp.115-132.

NATIVIDADE, Marcelo T. Uma homossexualidade santificada? Etnografia de uma comunidade inclusiva pentecostal. Religião e Sociedade 30(2), 2010, pp.90-121.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer nos trópicos. Contemporânea, Revista de Sociologia da UFSCar (2), 2012, pp.371-394.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. De corpos e travessias: uma antropologia de corpos e afetos. São Paulo, Annablume, 2014.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Queer decolonial: quando as teorias viajam. Contemporânea, Revista de Sociologia da UFSCar (5), 2015, pp.411.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Concepções religiosas afro-brasileiras e neopentecostais: uma análise simbólica. Revista USP (67), 2005, pp.150-175.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Neopentecostalismo e religiões afro-brasileiras: Significados do ataque aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. Mana 13(1), Rio de Janeiro, PPGAS Museu Nacional, 2007, pp.207-236.

SOUZA, Martha Helena Teixeira et al. Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva 19(7), 2014, pp.2277-2286.

VELHO, Otávio. O que a Religião pode fazer pelas Ciências Sociais?. Religião & Sociedade 19(1), Rio de Janeiro, 1998, pp.9-17.

VELHO, Otávio. A Religião é um Modo de Conhecimento? PLURA, Revista de Estudos de Religião (1), 2010, pp.3-37.

VELHO, Otávio. O que é pensar desde o Sul. Sociologia & Antropologia (6), 2016, pp.781-795.

WEISS DE JESUS, Fátima. A cruz e o arco-íris: Refletindo sobre gênero e sexualidade a partir de uma ‘igreja inclusiva’ no Brasil. Ciencias Sociales y Religión (12), 2010, pp.131-146.

Publicado
2018-09-13
Como Citar
Pereira, P. P. G. (2018). Judith Butler e a pomba-gira. Cadernos Pagu, (53). Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8653411
Seção
Debate

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)