Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação?

  • Berenice Bento Universidade de Brasília
Palavras-chave: Necrobiopoder. Reconhecimento. Humanidade/Desumanização.

Resumo

Nos estudos sobre pessoas trans, travestis, população negra, mulheres, entre outras, o Estado aparece como agente fundamental que distribui de forma não igualitária o reconhecimento de humanidade. Há um núcleo de referência bibliográfica compartilhado por este campo de pesquisa. O conceito de biopoder de Michael Foucault, como técnica de governo que tem como objetivo “fazer viver, deixar morrer”, é recorrente. Quando as pesquisas se referem à violência do Estado, geralmente se aciona a noção de “soberania”, também de Foucault, em contraposição à de governabilidade (conjunto de técnicas voltadas para o cuidado da vida). Mais recentemente o conceito de necropoder de Achille Mbembe passou a compor este corpus conceitual. Este artigo sugere outro conceito: necrobiopoder. Necropoder e biopoder são termos indissociáveis para se pensar a relação do Estado com os grupos humanos que habitaram e habitam os marcos do Estado-nação. Vida vivível e vida matável, para utilizar os termos de Giorgio Agamben, são formas de gestão da população e não podem ser postas em uma perspectiva cronológica, em que o necropoder (ou poder soberano) teria sido ultrapassado pelo biopoder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Berenice Bento, Universidade de Brasília
Professora do Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Belo Horizonte, Humanitas-UFMG, 2013.

BENTO, Berenice. Judith Butler, Afetos e neoTFPismo. Revista CULT, 30 out. 2017 [https://revistacult.uol.com.br/home/afeto-judith-butlerneotfpistas/ – acesso em: 01 jan. 2017].

BENTO, Berenice. Transfeminicídio: violência de gênero e o gênero da violência. In: COLLING, L. Dissidências sexuais e de gênero. Salvador, EDUFBA, 2016, pp.43-68.

CONRAD, Joseph. No coração das Trevas. Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 2008.

COSTA, Emília Viottida. A abolição. São Paulo, EDUNESP, 2008.

BUTLER, Judith. Vida Precaria: El poder del duelo y la violência. Buenos Aires, Paidós, 2006.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador, EDUFBA, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Petrópolis, Vozes, 1992.

HOBBES, Thomas. Leviatã: matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. Rio de Janeiro, INCM – Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2010.

HUMAN Rights Watch. Relatório [https://www.hrw.org/sites/default/files/reports/brazil1209ptwebwcover. pdf – acesso em: 02 dez. 2017].

LEVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre alteridade. Petrópolis, Vozes, 2005.

MBEMBE, Achille. Necropolitica: seguido de sobre el governo privado indirecto. Santa Cruz de Tenerife, Melusina, 2011.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Portugal, Antígona, 2014.

MISKOLCI, Richard. O desejo da nação: masculinidade e branquitude no Brasil de fins do XIX. São Paulo, Annablume, 2012.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: Uma análise sociológica da busca por parceiros. Belo Horizonte, Autêntica, 2017.

MINISTÉRIO da Justiça e Segurança Pública. Relatório: Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Brasília, 2017 [https://drive.google.com/file/d/1xSdo30zU7sKgWIzSZbval6zUQAiLvbD/view – acesso em: 01 dez. 2017].

PAPPÉ, Ilan. A limpeza étnica da Palestina. São Paulo, Sunderman 2017. PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Os fantasmas da Nação. cadernos pagu (42), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2014 [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 83332014000100513 – acesso em: 01 jan. 2017].

PAPPÉ, Ilan. Queer decolonial: quando as teorias viajam. Contemporânea Revista de Sociologia da UFSCar, vol. 5, no 2, 2015 [http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/articl e/view/340/ – acesso em: 03 dez. 2017]. ORWELL, G. 1984. Rio de Janeiro, Companhia da Letras, 2009.

SENADO Federal. Annaes do Senado do Imperio do Brazil. Secretaria Especial de Editoração e Publicações – Subsecretaria de Anais do Senado Federal. Anno de 1885. Livro 6.

SPINOZA, Benedictus de. Ética Demonstra em Ordem Geométrica. Belo Horizonte, Autêntica, 2008. SPIVAK, G. C. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte, EDUFMG, 2010.

Publicado
2018-09-13
Como Citar
Bento, B. (2018). Necrobiopoder: Quem pode habitar o Estado-nação?. Cadernos Pagu, (53). Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8653413
Seção
Debate