“Joga pedra na Judith”: discursos de ódio e populismo

  • Raphael Neves Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Populismo. Democracia. Judith Butler. Direitos Humanos. Conservadorismo.

Resumo

O objetivo deste artigo é tentar apontar uma possível ligação entre as hostilidades sofridas por Judith Butler no Brasil e uma captura dessas manifestações conservadoras por movimentos políticos. Minha hipótese é a de que um novo populismo pode estar em formação. Nesse sentido, o artigo dialoga com teorias do populismo no Brasil e no atual contexto internacional. O trabalho de Butler serve também como pano de fundo para uma reflexão da política populista e de como os ataques a direitos sexuais e reprodutivos servem de combustível para alimentar forças autoritárias com grande apelo às massas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raphael Neves, Universidade Federal de São Paulo
Professor de direito constitucional da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo. A Onda Quebrada – evangélicos e conservadorismo. cadernos pagu (50), Campinas, SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2017 [http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 83332017000200302&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt – acesso em: 6 fev. 2018].

ANDERSON, Perry. The Centre can Hold. New Left Review 105, maio/junho 2017, pp.5-27.

ARATO, Andrew. Political Theology and Populism. Social Research, 80(1), 2013, pp.143-72.

BUTLER, Judith. Notes Toward a Performative Theory of Assembly. Cambridge, Harvard University Press, 2015.

BUTLER, Judith. Trump is emancipating unbridled hatred. Die Zeit, 28 out. 2016 [http://www.zeit.de/kultur/2016-10/judith-butler-donald-trumppopulism-interview/komplettansicht – acesso em: 25 fev. 2018].

COHEN, Jean; ARATO, Andrew. Civil Society and Political Theory. Cambridge, MIT Press, 1992.

KECK, Margaret. PT – a Lógica da Diferença: o Partido dos Trabalhadores na Construção da Democracia Brasileira. Rio de Janeiro, Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2010.

LACLAU, Ernesto. A Razão Populista. São Paulo, Três Estrelas, 2013.

LINZ, Juan. Some Notes Towards a Comparative Study of Fascism in Sociological Historical Perspective. In: LAQUEUR, Walter (ed.), Fascism: a reader’s guide. Berkeley, University of California Press, 1976, pp.3-121.

MENDONÇA, Daniel de. Por que não seria o “lulismo” populista? In: MENDONÇA, Daniel; RODRIGUES, Léo; LINHARES, Bianca (org.). Ernesto Laclau e seu legado interdisciplinar. São Paulo, Intermeios, 2017, pp.39-62.

MÜLLER, Jan-Werner. What is Populism? Filadélfia, University of Pennsylvania Press, 2016.

NEVES, Raphael; LUBENOW, Jorge. Entre Promessas e Desenganos: lutas sociais, esfera pública e direito. In: NOBRE, Marcos; TERRA, Ricardo (org.). Direito e Democracia: um guia de leitura de Habermas. São Paulo, Malheiros, 2008, pp.249-67.

NORRIS, Pippa; INGLEHART, Ronald. Trump, Brexit, and the Rise of Populism: Economic Have-Nots and Cultural Backlash. HKS Working Paper n o RWP16-026, 2016 [https://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2818659 – acesso em: 25 fev. 2018].

PRANDI, Reginaldo; SANTOS, Renan. Quem tem Medo da Bancada Evangélica? Posições sobre moralidade e política no eleitorado brasileiro, no Congresso Nacional e na Frente Parlamentar Evangélica. Tempo Social, 29(2), 2017, pp.187-214.

RODRIK, Dani. Populism and the Economics of Globalization. Paper, Cambridge, Mass., 2017 [https://drodrik.scholar.harvard.edu/files/danirodrik/files/populism_and_the_economics_of_globalization.pdf – acesso em: 25 fev. 2018].

WEFFORT, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1978.

Publicado
2018-09-13
Como Citar
Neves, R. (2018). “Joga pedra na Judith”: discursos de ódio e populismo. Cadernos Pagu, (53). Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8653417
Seção
Debate