Ñeros, muchachos e novos homens. Cultura, violência e reciprocidade na problematização da masculinidade

Palavras-chave: Cultura, Reciprocidade, Gênero, Violência, Modernidade.

Resumo

A categoria “cultura” tem sido importante para a constituição da antropologia como disciplina, pois ela é fundamental para pensar a relação nós/outros do projeto moderno de sociedade. Nas políticas públicas que conjugam a análise de gênero na afirmação de direitos humanos, essa categoria, adjetivada como patriarcal, afirma desigualdades entre homens e mulheres como violência, motivo pelo qual são propostas formas de “mudança cultural”. Neste artigo reflito sobre duas concepções de cultura na abordagem da relação entre masculinidade e violência em Bogotá, Colômbia, as quais mostram uma tensa relação entre o projeto de sociedade igualitária e as formas de autoridade local. A partir da noção de reciprocidade, revalorizo a ideia de cultura para pensar a conformação de relações de gênero nos contextos locais nos quais as políticas públicas sociais exercem processos de subjetivação cidadã, para os indivíduos se conceberem como sujeitos de direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Julián Martínez-Moreno, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pós-doutorando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

ABU-LUGHOD, Lila. Writing against culture. In: FOX, R. (ed.). Recapturing anthropology: working in the present. Santa Fe: School of American Research Press, 1991 pp.137-62.

BOAS, Franz. Anthropology and modern life. Nueva York: Dover Publications Inc, 1986 [1962].

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. Honra, dignidade e reciprocidade. Série Antropologia 344, Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, 2004.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. Existe violência sem agressão moral?. Revista Brasileira de Ciências Sociais vol. 23, n o 67, jun. 2008, pp.135-193.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. Concepções de igualdade e (des)igualdades no Brasil. Série Antropologia 425, Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, 2009.

CONNELL, Raewyn; MESSERSCHMIDT, James. Hegemonic masculinity: rethinking the concept. Gender and Society 19(6), 2005, pp.829- 859.

DABS. Proyecto 375: Acceso a la justicia familiar y atención integral de las violências intrafamiliar y sexual. Departamento Administrativo de Bienestar Social, Bogotá, 2005.

DUMONT, Louis. Homo hierarchicus. The Caste System and Its Implications. Chicago: The University of Chicago Press, 1970 [1966].

DUMONT, Louis. O individualismo. Uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro: Rocco, 1985.

ELIAS, Norbert. El proceso de la civilización. Investigaciones sociogenéticas y psicogenéticas. Bogotá: Fondo de Cultura Económica, 1994 [1977].

GÓNGORA, Andrés. Redes que curam: riscos, danos e políticas de drogas na Colômbia. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

GUPTA, Akhil; FERGUSON, James. Discipline and practice: ‘the field’ as site, method, and location in anthropology. In: GUPTA, Akhil; FERGUSON, James (ed.). Anthropological locations. Boundaries and Grounds of a Field Science. Berkeley: University of California Press, 1997, pp.101-146.

JIMENO, Myriam et alii. Manes, mansitos y manazos. Una metodología de trabajo sobre violencia intrafamiliar y sexual. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, Departamento Administrativo de Bienestar Social, 2007.

KAENE, Webb. Christian Moderns: freedom and fetish in the mission encounter. Berkeley, Los Angeles: University of California Press, 2007.

KUPER, Adam. Anthropology and anthropologist: the modern british school. Londres: Routledge, 1983.

LÉVI-STRAUSS, Cláude. Las estructuras elementales del parentesco. Barcelona: Paidós, 1981 [1949].

LIMA, Roberto Kant de. Direitos civis e direitos humanos. Uma tradição judiciaria pré-republicana? São Paulo em Perspetiva 18(1), 2004, pp.49-59.

LIMA, Roberto Kant de. Sensibilidades jurídicas, saber e poder: bases culturais de alguns aspectos do direito brasileiro em uma perspectiva comparada. Anuário Antropológico 2009 – 2, 2010, pp.25-51.

MALINOWSKI, Bronislaw. Los argonautas del Pacífico occidental. Comercio y aventura entre los indígenas de la Nueva Guinea melanésica. Barcelona: Ediciones Península, 1973 [1922].

MARTÍNEZ-MORENO, Marco Julián. Da cultura de la violencia à democracia familiar: masculinidade, cultura e conformação da alteridade em uma política pública de Bogotá, Colômbia. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Instituto de Ciência Sociais, Universidade de Brasília, 2013.

MARTÍNEZ-MORENO, Marco Julián. Modernizando al hombre como sujeto de derecho, cultural y con género: un momento etnográfico en el campo de las masculinidades. IM-Pertinente, 2(2), 2014, pp.39-61.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcáicas. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosacnaify, 2011, pp.183-313 [1925].

MOORE, Henrietta L. The subject of anthropology. Gender, symbolism and psychoanalysis. Cambridge and Malden: Polity Press, 2007.

RUBIN, Gayle. The Traffic in women: notes on the political economy of sex. In: REITER, R (ed.). Toward an anthropology of women. New York: Monthly Review Press, 1975, pp.157-210.

SAHLINS, Marshall. Sobre la sociología del intercambio primitivo. In: SAHLINS, Marshall. Economía de la edad de piedra. Madrid: Akal Editor, 1983, pp.203-296 [1974].

SAHLINS, Marshall. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (parte I). Mana 3(1), Rio de Janeiro, 1997, pp.41-73.

SILVA, Kelly; SIMIÃO, Daniel. Coping with “Traditions”: the analysis of east-timorese nation building from the perspective of a certain anthropology made in Brazil”. Vibrant, 9(1), 2012, pp.360-381.

SIMIÃO, Daniel. As donas da palavra. Gênero, justiça e a invenção da violência doméstica em timor leste. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade de Brasília, 2005.

SIMIÃO, Daniel. Sensibilidades jurídicas e respeito às diferenças: cultura, controle e negociação de sentidos em práticas judiciais no Brasil e em timor leste. Anuário Antropológico vol. 39, n o 2, 2014, pp.237-260.

SOUZA, Márcio Ferreira de. As análises de gênero e a formação do campo de estudos sobre a(s) masculinidade(s). Mediações vol. 14(2), julhodezembro, 2009, pp.123-144.

STRATHERN, Marylin. Subject or object? Women and the circulation of valuables in highlands new guinea. In: HIRSCHON, R. (ed.). Women and property, women as property. London: Croom Helm, 1984a, pp.158-175.

STRATHERN, Marylin. Marriage Exchange: a Melanesian Comment. Annual Review of Anthropology 13, 1984b, pp.47-73.

STRATHERN, Marylin. O gênero da dádiva. Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas: Editora Unicamp, 2006 [1988].

STOCKING, George W. Race, culture and evolution. Essays in the history of anthropology. Nueva York: The Free Press, 1968.

STOLCKE, Verena. Gloria o maldición del individualismo moderno. Revista de Antropologia 44(2), São Paulo, USP, ,2001, pp.7-37.

TURNER, Victor. The ritual process. Structure and anti-structure. New York: Aldine de Gruyter, 1969.
Publicado
2018-12-14
Como Citar
Martínez-Moreno, M. J. (2018). Ñeros, muchachos e novos homens. Cultura, violência e reciprocidade na problematização da masculinidade. Cadernos Pagu, (54), e185413. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656291