As atividades de extensão sob a ótica das relações de gênero

um estudo em uma universidade pública

Palavras-chave: Universidade, Extensão universitária, Trabalho feminino, Professores universitários.

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar a participação das mulheres em atividades docentes em uma universidade pública, mais especificamente no âmbito das atividades de extensão. A coleta de dados foi realizada em um sistema interno de gestão de atividades de extensão e do sítio eletrônico de gestão de pessoas da universidade. Foram analisadas as participações feminina e masculina nas atividades de extensão de sete departamentos, observando-se que as mulheres se concentram em áreas cujas atividades contam com menor aporte de recursos externos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Calderan Rissi, Universidade Federal de São Carlos

Pós-graduanda no Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Angela Maria Carneiro de Carvalho, Universidade Federal de São Carlos

Docente no Programa de Pós-Graduação em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Alessandra Rachid, Universidade Federal de São Carlos

Docente do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

Referências

ARAÚJO, A. M. C.; LOMBARDI, M. R. Trabalho informal, gênero e raça no Brasil do início do século XXI. Cadernos de Pesquisa, vol. 43, nº149, 2013, pp.452-477. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100- 15742013000200005. Acesso em: 30 jul. 2016.

BELTRÃO, K. I.; ALVES, J. E. D. A reversão do hiato de gênero na educação brasileira no século XX. Cadernos de Pesquisa, vol. 39, nº136, 2009, pp.125-156.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2003.

CARVALHO, C. C. B. Equidade de gênero na ciência? Um estudo sobre as pesquisadoras bolsistas de produtividade da Universidade Federal de São Carlos. Dissertação (Mestrado Profissional em Gestão de Organizações e Sistemas Públicos), Universidade Federal de São Carlos, 2016.

CARVALHO, J. L. F. S.; CARVALHO, M. P. F. S.; SANTOS, L. C. Novas bonecas feitas de velhos retalhos: investigando medos, ansiedades e inquietações das mulheres nas organizações. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração – EnANPAD, vol. 27, 2002, pp. 1-15.

COSTA, M. C. Ainda somos poucas: exclusão e invisibilidade na ciência. cadernos pagu (27), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2006, pp.455-459.

DANA, S. Mulheres e mercado de trabalho: uma discussão pendente. Folha de São Paulo, 25/03/2014.

ETHOS. Perfil social, racial e de gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas – Pesquisa 2007. São Paulo: Instituto Ethos, 2010. Disponível em: https://www3.ethos.org.br/cedoc/perfilsocial-racial-e-de-genero-das-500-maiores-empresas-do-brasil-esuas-acoes-afirmativas-pesquisa-2010/. Acesso em: 14 ago 2016.

ETZKOWITZ, H.; RANGA, M. Gender dynamics in science and technology: from the leaky pipeline to the vanish box. Brussels Economic Review, Cahiers Economiques de Bruxelles, vol. 54, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/227379745_Gender_Dyn amics_in_Science_and_Technology_From_the_Leaky_Pipeline_to _the_Vanish_Box. Acesso em: 29 nov. 2018.

FÁBIO, A. C. Dois séculos separam mulheres e homens da igualdade no Brasil. Folha de S. Paulo, 29/09/2015.

GARCIA, M. I. G.; SEDEÑO, E. P. Ciência, tecnologia e gênero. In: SANTOS, L. W.; ICHIKAWA, E. Y.; CARGANO, D. de F. Ciência tecnologia e gênero. Londrina, IAPAR, 2006, pp.31-72.

GODINHO, T. et alii. Trajetória da mulher na educação brasileira: 1996- 2003. Brasília: INEP, 2006.

HARDING, S. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Revista Estudos Feministas, nº1, 1993, pp.7-31.

HAYASHI, M. C. P. et alii. Indicadores da participação feminina em ciência e tecnologia. TransInformação, vol. 19, nº2, 2007, pp.169- 187.

ICHIKAWA, E. Y.; YAMAMOTO, J. M.; BONILHA, M. Ciência, tecnologia e gênero: desvelando o significado de ser mulher e cientista. Serviço Social em revista, vol. 11, nº1, 2008. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/ssrevista/pdf/2008/18%20Artigo%20Genero_%20ciencia_tecnologia%20co rrigidos.pdf. Acesso em: 06 ago. 2016.

INEP (INSTITUTO Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Resumo técnico censo da educação superior de 2015. Brasília, MEC, INEP, 2015. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo _superior/resumo_tecnico/resumo_tecnico_censo_da_educacao_su perior_2015.pdf. Acesso em: 14 ago. 2016.

LOPES, O. B. A questão da discriminação no trabalho. Revista Jurídica, vol. 2, nº17, 2000, pp.1-8. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/revista/rev_17/artigos/art_ota vio.html. Acesso em: 03 jul. 2016.

MULHERES ainda são poucas e sem poder nas empresas. Revista Exame, 17 dez. 2014. Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-exame/poucas-esem-poder/. Acesso em: 07 ago. 2016.

OCDE (ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO). Gender equality in education, employment and entrepreneurship: final report to the MCM, 2012. Disponível em: http://www.oecd.org/education/48111145.pdf. Acesso em: 06 ago. 2016.

OIT. Convenção sobre a Discriminação em Emprego e Profissão, 1958. Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.gov.br/temas-de-atuacao/atuacao-econteudos-deapoio/legislacao/discriminacao/ai_discrim_emprego_profissao. Acesso em: 30 jul. 2016.

OLINTO, G. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inc. Soc., vol. 5 nº1, 2011, pp.68-77. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/view/240. Acesso em: 06 ago. 2016.

OLINTO, G.; LETA, J. Gênero, geração e tarefas acadêmicas: investigando os docentes-pesquisadores dos programas de pós-graduação brasileiros. 4º EBBC – Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria. Recife, 14 a 16 maio, 2014. Disponível em: http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/index.php/article/download/27189. Acesso em: 13 ago. 2016.

REITH, S. L. Programas de diversidade de recursos humanos: um estudo sobre sua adoção no Brasil. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, Universidade Federal de São Carlos, 2014.

RIGOLIN, C.C.D.; HAYASHI, C.R.M.; HAYASHI, M.C.P. I. Métricas da participação feminina na ciência e tecnologia no contexto dos INCTs: primeiras aproximações. Liinc em Revista, vol. 9, nº1, 2013, pp.143-170.

SOARES, S. D. O Perfil da Discriminação no Mercado de Trabalho – Homens Negros, Mulheres Brancas e Mulheres Negras. Diretoria de Estudos Sociais do IPEA, Brasília, 2000.Disponível em: http://agencia.ipea.gov.br/pub/td/2000/td_0769.pdf. Acesso em: 06 ago. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ALAGOAS. Extensão. Disponível em: http://www.ufal.edu.br/estudante/extensao/o-que-e-extensao. Acesso em: 17 set. 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Diretoria de Extensão. Disponível em: http://www2.unirio.br/unirio/proexc/dep.-deextensao/perguntas-frequentes. Acesso em: 17 set. 2016.

VAZ, D. V. O teto de vidro nas organizações públicas: evidência para o Brasil. Economia e Sociedade, vol. 22, nº3, 2013, pp.765-790. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ecos/v22n3/07.pdf. Acesso em 14 ago. 2016.

VARGAS, H. M. Sem perder a majestade: profissões imperiais no Brasil. Estudos de Sociologia, vol. 15, nº 28, Araraquara, 2010, pp.107- 124.

VELHO, L.; LEÓN, E. A construção social da produção científica por mulheres. cadernos pagu (10), Campinas-SP: Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1998, pp.309-344.

VELHO, L; MOREIRA, M. L. Pós-graduação do instituto nacional de pesquisas espaciais numa perspectiva de gênero. cadernos pagu (35), Campinas-SP: Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2010, pp.279–308.

VELHO, L; PROCHAZKA, M. V. No que o mundo da ciência difere dos outros mundos? ComCiência, Campinas, 2003. Disponível em: http://www.comciencia.br/reportagens/mulheres/09.shtml. Acesso em: 21 ago. 2016.

VIANNA, C. P. O sexo e o gênero da docência. cadernos pagu (17), Campinas-SP: Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n17-18/n17a03. Acesso em: 11 set. 2016.

YANNOULAS, S. C.; VALLEJOS, A. L.; LENARDUZZI, Z. V. Feminismo e academia. Revista Brasileira de Estudos de Pedagogia, Brasília, vol. 81, nº199, 2000, pp.425-451.
Publicado
2018-12-14
Como Citar
Rissi, N. C., Carvalho, A. M. C. de, & Rachid, A. (2018). As atividades de extensão sob a ótica das relações de gênero. Cadernos Pagu, (54), e185415. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8656301